5 ago 2019

Governo quer flexibilizar mais trabalho escravo

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Governo quer flexibilizar mais trabalho escravo]

A falta de conhecimento em relação ao trabalho escravo é evidente para o atual governo. Como prova disso, o presidente Bolsonaro defendeu a flexibilização de regras na legislação de trabalho análogo à escravidão. 


Segundo ele, o texto do artigo 149 do Código Penal tem “200 especificações” a serem constatadas para que se caracterize “situação análoga à escravidão”. A declaração foi desmentida pelo MPT (Ministério Público do Trabalho), que afirmou que apenas uma ou mais das condições descritas no artigo devem ser evidenciadas.


O interesse, como em todas as iniciativas de flexibilização do governo, é visando atender a agenda das grandes empresas, prejudicando cada vez mais a vida do trabalhador. Para Bolsonaro, os “excessos de regulamentações levam a paralisação da economia”. E o trabalhador apenas sofre, sendo obrigado a receber qualquer coisa do mercado de trabalho para não perder a renda.


O art. 149 garante uma pena de 2 a 8 anos de multa para quem reduz um trabalhador à condição análoga à escravidão.

Fonte: O Bancário

5 ago 2019

Com governo Bolsonaro, Caixa boicota Nordeste

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Com governo Bolsonaro, Caixa boicota Nordeste]

O Nordeste vem sendo prejudicado com a nova gestão da Caixa. A concessão de novos empréstimos para a região foi reduzida. Dos R$ 4 bilhões em autorizados para governadores e prefeitos de todo o país até julho, apenas R$ 89 milhões, ou seja, cerca de 2,2% do total, foram para os representantes nordestinos em menos de dez operações.  


O volume é bem inferior do que em anos anteriores. O Nordeste recebeu, no ano passado, R$ 1,3 bilhão. O valor representa 21,6% dos R$ 6 bilhões fechados pela instituição em operações para governos regionais. Já em 2017, foram contratados R$ 7 bilhões pela Caixa, sendo que 18,6% do total (R$ 1,3 bilhão) foram direcionados para o Nordeste.


Em nota, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que as contratações (novas concessões) apresentam “sazonalidade” e variam ano a ano, dependendo do número de pleitos recebidos e da aprovação dos ritos anteriormente relacionados. No entanto, em reportagem da grande imprensa foi apurado a existência da uma fila de pedidos de empréstimos para a região e que não obtiveram autorização do banco. 


A negação do financiamento de R$ 133 milhões para que a prefeitura de São Luís (MA) arque com obras de infraestrutura e do governo da Paraíba, de João Azevedo (PSB), no valor de R$ 188 milhões comprova. Já a prefeitura de Florianópolis, de Gean Loureiro (sem partido), foi aprovada em menos de uma semana. Foi solicitado um crédito de R$ 100 milhões para obras de infraestrutura, transporte, energia e logística. No mínimo estranho.

Fonte: O Bancário

2 ago 2019

Banco Itaú pode fechar mais agências. Notícia ruim

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Banco Itaú pode fechar mais agências. Ruim ]

As notícias não são boas para os funcionários e clientes do Itaú. Apesar do lucro de R$ 13,9 bilhões no primeiro semestre, o presidente do banco, Candido Bracher, declarou que existe a possibilidade de continuar o fechamento de agências ao longo deste ano. 


O movimento sindical aguarda explicações, pois, segundo ele, o local que possuir unidades próximas e uma delas será capaz de comportar o fluxo de clientes. Em 12 meses, foram fechadas 199 agências físicas, sendo 195 somente no 2º trimestre, e abertas 36 agências digitais (apenas uma no trimestre). Resultado: sobrecarga de trabalho e demissões.


Bracher informou sobre a possibilidade de fechamento de agências em teleconferência com jornalistas para comentar os resultados do segundo trimestre, quando o maior banco privado do país lucrou R$ 7 bilhões. 


A desculpa dada pelo presidente do Itaú para fechar as agências físicas é a redução do fluxo de clientes em decorrência do crescimento da oferta de serviços digitais. Por mês, o banco abre atualmente 70 mil contas digitais, quase o mesmo número de unidades, sem considerar as aberturas realizadas para atender a folha de pagamento de empresas. 


Além dos prejuízos para os bancários que serão realocados para agências mais distantes, os clientes serão obrigados a caçar uma unidade para ser atendido. 


A economia de bairros e cidades onde o Itaú fechar também será prejudicada. O consumidor se deslocará para sacar dinheiro e, consequentemente comprará o que precisa em outros locais.

Fonte: O Bancário

[Conferência Nacional começa nesta sexta-feira]

A 21ª Conferência Nacional dos Bancários tem início nesta sexta-feira (02/08) e vai reunir trabalhadores de todo o país. O enfrentamento aos ataques do governo Bolsonaro aos direitos os trabalhadores será o principal mote do evento, que acontece em São Paulo. 


Os debates vão tratar da realidade nas agências, definirão estratégias e plano de ações para defender a soberania nacional, a democracia, os empregos. A mobilização da categoria também será contra a reforma da Previdência e as privatizações dos bancos públicos e demais estatais. 


Até domingo (04/08), 635 delegados discutirão questões que influenciam no dia a dia da categoria e de toda sociedade. A Bahia e Sergipe serão representados por 29 delegados, 6 convidados e 3 delegados natos, entre eles o presidente do Sindicato da Bahia, Augusto Vasconcelos.


A abertura da Conferência Nacional será às 19h desta sexta-feira (02/08). A partir de sábado (03/08) começa a votação do regimento interno, depois é a mesa sobre a análise de conjuntura. Logo após o almoço, acontecem as mesas que tratarão sobre soberania nacional e reforma da Previdência. 


Como no Conecef e no CNFBB, os materiais impressos foram substituídos na 21ª Conferência Nacional dos Bancários. Todas as informações são disponibilizadas no aplicativo do evento.

Fonte: O Bancário

[Congresso do BB discute

De que forma a tecnologia dialoga com o movimento sindical e o mundo do trabalho bancário. Com este foco, a pesquisadora do Centro de Pesquisas 28 de Agosto, Ana Tércia Sanches, abriu as explanações do 30º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, na manhã desta quinta-feira (01/08), em São Paulo. 


Durante a apresentação, afirmou que, embora a tecnologia esteja a serviço de todos, não é boa para todo mundo. Beneficia os bancos, mas, nem sempre os funcionários e clientes. 


A digitalização não está presente apenas nas áreas que possuem relação direta com os correntistas. “A parte que atinge os clientes já está totalmente automatizada, mas aquelas realizadas no backoffice ainda podem levar à redução de cerca de 40% do trabalho humano”, disse a pesquisadora.


Para exemplificar, afirmou que atividades, como o rastreamento de devedores, que antes era feito por funcionários, agora é realizado por um sistema informatizado. O resultado é a redução drástica no número de bancários. De 2013 a 2016, foram fechados 60.606 postos de trabalho no sistema financeiro. 


Agências digitais
Outro problema que atinge o Banco do Brasil é a substituição de unidades físicas por agências digitais, fruto do processo de reestruturação da instituição. Ana Tércia Sanches elenca os principais problemas das agências digitais: elevação da carteira de clientes de cada gerente; aproximação da atividade bancária com a de teleatendimento, sem as garantias para os trabalhadores previstas na NR17; o aumento de ruído, da digitalização e do uso da voz; o aumento do controle e pressão pelo cumprimento de metas; e a dificuldade de fiscalização e de acesso dos dirigentes sindicais.


A inteligência artificial também foi abordada na mesa. Os bancos têm utilizado o mecanismo para atender os correntistas, com uma linguagem coloquial, como se fosse um ser humano. Os chatbots atendem cerca de 80% das dúvidas de funcionários e clientes.

Fonte: O Bancário

2 ago 2019

Olivan Faustino é homenageado no 30º CBNFBB

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Olivan Faustino é homenageado no 30º CBNFBB ]

Em uma justa homenagem, foi aprovada, a alteração do nome do 30º CNFBB para Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil Olivan Faustino, na manhã desta quinta-feira (1º/08), primeiro dia do evento. O ex-diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e funcionário do BB, desde 1980, faleceu nesta quarta-feira (31/07). 


Na oportunidade, o diretor do Sindicato da Bahia e membro da Comissão de Empresa dos Funcionários, Fábio Lédo, destacou a importância de Olivan Faustino na história da defesa dos direitos dos funcionários do Banco do Brasil e de todos os trabalhadores.

Fonte: O Bancário

2 ago 2019

Reforma acaba com expectativa de aposentados

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Reforma acaba com expectativa de aposentados]

O mito de que o idoso é apenas um “fardo” está longe de refletir a realidade brasileira. Em um mercado de trabalho cada vez mais incerto, o número de famílias chefiadas por idosos só cresce, obviamente com a renda garantida da própria aposentadoria. 


Segundo o IBGE, 12,2 milhões de idosos em 2006 foram denominados provedores da família. Em 2015 eram 17 milhões. O número de domicílios em que os benefícios respondem por mais de 75% da renda cresceu 12% entre 2016 e 2017, grande parte por causa do desemprego e do aumento da informalidade, afirma levantamento da LCA Consultores.


A reforma da Previdência tende a mudar drasticamente esse cenário. Com a Proposta de Emenda Constitucional (PEC 06/2019), os trabalhadores, em especial os aposentados por invalidez, serão afetados com uma redução de até 40% do valor dos benefícios. 


A medida estabelece ainda que o INSS levará em conta todos os salários que o trabalhador recebeu até a entrada com o pedido do benefício. Mas, para garantir 100%, o mesmo só conseguirá adquirir a incapacidade permanente após completar 40 anos de contribuição.

Fonte: O Bancário

2 ago 2019

Brasil tem 39,9 milhões de informais e subutilizados

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Brasil tem 39,9 milhões de informais e subutilizados ]

A recessão econômica e a incapacidade do governo de apresentar um projeto capaz de retomar o crescimento com geração de emprego e melhoria da renda tornam a vida extremamente difícil. Para sobreviver, é preciso se rebolar e é o que 39,9 milhões tentam fazer, ou na informalidade (11,5 milhões) ou em trabalho subutilizados (28,4 milhões). 


Mas, nem todo mundo consegue uma chance. Assim, o país segue com número elevado de desempregados, 12,8 milhões. Tem ainda os trabalhadores que desistiram de procurar trabalho (desalentados). Esse grupo representa 4,9 milhões de pessoas, um recorde segundo pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).


Além das dificuldades do mercado de trabalho, o brasileiro ainda tem de se virar nos 30 para conseguir pagar as despesas com um salário cada vez mais enxuto. O rendimento médio do cidadão caiu 1,3% no segundo trimestre do ano, saindo de R$ 2.321,00 para R$ 2.290,00. Não dá para quase nada e é preciso escolher o que vai pagar, mesmo as pessoas mais econômicas.


Lei trabalhista
Sem dúvida alguma, a reforma trabalhista agravou o cenário do mercado de trabalho. Em nome de uma falsa modernização, o governo afrouxou a legislação abrindo espaço para as empresas fazerem o que querem e deixando o trabalhador vulnerável. Por isso, o número de subutilizados e informais cresce em ritmo bem intenso. Já a curva o mercado de trabalho formal quase não sai do lugar.

Fonte: O Bancário

2 ago 2019

Educação e economia na mira do governo federal

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Educação e economia na mira do governo federal]

As reais intenções de Jair Bolsonaro (PSL) sempre foram evidentes. Os principais alvos, desde o princípio, foram nas áreas mais essenciais do país, como a cidadania, economia e a educação do povo. As cartas foram postas em xeque na noite da última terça-feira (30), quando o Diário Oficial da União anunciou o decreto de distribuição do novo contingenciamento de R$ 1,443 bilhão.


As pastas mais afetadas foram as da Cidadania, que perdeu R$ 619,2 milhões. Em segundo lugar, vem o Ministério da Educação, com R$ 348,5 milhões bloqueados. Em terceiro, está o Ministério da Economia, com R$ 282,6 milhões retidos.


A Educação aparece como o ministério mais atingido pelos cortes. Nos últimos meses, o MEC já sofreu cortes que ultrapassaram R$ 6 bilhões – correspondente a quase 25% do orçamento anual. Somados todos os bloqueios feitos pelo governo em 2019, a pasta teve cortados R$ 6.182.850.753.

Fonte: O Bancário

2 ago 2019

Empregados da Caixa unidos contra o retrocesso

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Empregados da Caixa unidos contra o retrocesso]

Os empregados da Caixa estão em São Paulo, reunidos para reforçar a unidade para a mobilização contra os retrocessos que atingem os trabalhadores, principalmente com as medidas do governo Bolsonaro. O caráter 100% público da instituição está ameaçado. Desta forma, os 328 delegados eleitos para o 35º Conecef vão traçar estratégias de defesa dos bancos públicos e de luta pela soberania nacional.

O slogan é Todos contra o retrocesso. Serão eixos do evento o combate à reestruturação e ao desmonte dos direitos, a defesa da Caixa, do Saúde Caixa, da Funcef e dos aposentados, além de contratação de empregados e defesa da Previdência. Bahia e Sergipe serão representados por 24 delegados.

A novidade deste ano é o aplicativo desenvolvido para os participantes terem acesso mais rápido à programação, o regimento interno, as teses, as orientações do Congresso Nacional dos Empregados da Caixa, as cartilhas e os subsídios do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O primeiro painel do Conecef será sobre saúde e previdência e, logo em seguida, resistência ao desmonte. A abertura oficial acontece com a mesa seguinte, que discutirá defesa dos bancos públicos.

Fonte: O Bancário