30 ago 2019

Fique atento. Cheque especial está em 318%

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Fique atento. Cheque especial está em 318%]

Os brasileiros precisam se planejar na hora dos gastos para não ter de recorrer ao cheque especial. Se cair na armadilha dos bancos, vai pagar caro. Os juros da modalidade fecharam julho em 318,7%. Uma verdadeira extorsão.


O rotativo do cartão de crédito também pode causar uma dor de cabeça daquelas. Quem perder o controle dos gastos e quitar apenas parte da fatura pode entrar em uma bola de neve. Os juros da modalidade ficaram em 300,3% no mês passado, aponta o Banco Central.


Se comparados ao atual nível da taxa básica de juros (Selic), em 6% ao ano, fica evidente que as taxas do cheque especial, do rotativo do cartão e de outros serviços bancários estão extremamente altas. É o que se pode chamar de agiotagem legalizada, já que o governo faz vista grossa e não impõe uma política de fiscalização dura ao sistema financeiro.


Vale destacar que no ano passado as regras das modalidades mudaram, com o argumento de que as taxas cairiam. Mas, na prática, continua tudo a mesma coisa e para o brasileiro não há outra alternativa. A saída é colocar tudo na ponta do lápis e economizar. 

Fonte: O Bancário

30 ago 2019

Economia nacional continua a passos lentos

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Economia nacional continua a passos lentos]

De todos os setores atingidos pelo golpe jurídico-midiático-parlamentar de 2016 e pelo governo Bolsonaro, a economia é a mais afetada. É a recuperação mais lenta ao longo de 40 anos, um recorde. 


Estudo do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas) revela que esta é a primeira vez que o governo não contribui para a recuperação da economia. Entre as nove vezes que o país sofreu recessão, desde 1980, este é o pior nível, com retração de 1,2% no consumo, na comparação com o patamar pré-crise. 


Além disso, em pouco mais de três anos, o PIB (Produto Interno Bruto) continua 5,3% abaixo do nível pré-recessão. Ou seja, o Brasil só conseguiu recuperar 30% dos R$ 486 bilhões perdidos na última recessão entre os anos de 2014 e 2016, restando R$ 338 bilhões para que o PIB volte ao patamar pré-crise.

Fonte: O Bancário

30 ago 2019

Reforma da Previdência mantém privilegiados

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[ Reforma da Previdência mantém privilegiados]

O relatório sobre a reforma da Previdência ignora diferenças regionais e sociais, pois mantém a idade mínima e não modifica as regras de transição, de prazo curto e que já rebaixam os valores das aposentadorias. Segundo o Dieese, o texto do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) apresentado ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), ainda preserva alguns privilegiados.


De acordo com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos, o relatório não cria regra de transição para as pensões. Ignora que a Previdência é a maior fonte de despesa, mas também de receita, e que o órgão faz parte da seguridade social, mantendo a separação contábil da saúde, previdência e assistência social.


Sobre as supressões sugeridas pelo senador sobre as aposentadorias rurais e o BPC (Benefício da Prestação Continuada), o Dieese acredita que seja uma manobra para dar mais celeridade à reforma. Dentre as mudanças, a inclusão dos estados e municípios na reforma e a sugestão de duas novas fontes de recursos para a Previdência Social serão discutidas em um texto independente, a chamada PEC paralela.


Ao incluir pontos através da PEC paralela, por exemplo, o texto não precisa voltar a tramitar na Câmara Federal. A votação do relatório na CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) deve acontecer na quarta-feira (04/09).

Fonte: O Bancário

30 ago 2019

Governo quer acabar com a gratuidade do SUS

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Governo quer acabar com a gratuidade do SUS]

O governo Bolsonaro segue passando o rodo e penalizando os brasileiros, sobretudo o mais carente. Recentemente, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, declarou à grande imprensa que pretende acabar com a gratuidade do SUS, um dos maiores sistemas de saúde pública no mundo, que prevê o “acesso integral, universal e gratuito a toda população do país”.


É claro que ainda há muito o que melhorar. Mas, não dá para negar que o SUS representa um avanço. Não é à toa que é referência internacional, com estudos nas principais universidades do mundo, como Harvard. Para se ter ideia da sua importância, mais de 70% dos brasileiros utilizavam o Sistema Único de Saúde em 2013. 


Todo mundo conhece alguém que passou pelo SUS e, graças à gratuidade do serviço, conseguiu tratamento adequado. Mas, se depender do atual governo, o pobre terá de pagar para ter acesso ao sistema de saúde. Em menos de 10 meses, Bolsonaro acabou com o departamento de combate a AIDS, suspendeu a produção de 19 medicamentos que beneficiava diretamente cerca de 30 milhões de pessoas. 


Vale lembrar que os estragos começaram antes mesmo de Bolsonaro assumir a presidência. Em novembro de 2018, depois de declarações depreciativas aos cubanos, praticamente pôs fim ao programa Mais Médicos, outra referência mundial.

Fonte: O Bancário

30 ago 2019

Mercado de trabalho o Brasil ainda é excludente

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Mercado de trabalho o Brasil ainda é excludente]

Mais da metade (55%) da população brasileira é negra. Mesmo assim, o preconceito ainda é grande no mercado de trabalho. Um problema sério que diferencia salários e fecha as portas para muitos talentos. 


Seria natural que dois profissionais com a mesma função e responsabilidades em uma empresa tivessem remuneração igual. No entanto, no mercado brasileiro, se um dos trabalhadores é negro os cálculos mudam. Os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram.


A renda média de um profissional negro era de R$ 1.570,00 no ano de 2017. Para os pardos, havia uma tímida elevação, R$ 1.606,00. Já o trabalhador branco tinha salário médio de R$ 2.814,00. 


Um ano depois, em 2018, a diferença na remuneração permanecia a mesma. Mas, um outro dado escancarava o racismo do mercado de trabalho. Na hora de dispensar um funcionário, a empresa leva em conta a cor da pele.


Tanto que a maioria das pessoas que perderam o emprego é negra e a taxa de desempregados é mais alta entre essa parcela da população (14,6%). Em seguida aparecem os pardos (13,8%). Os brancos são 11,9% dos trabalhadores sem ocupação.


Os números também são preocupantes no setor bancário. Os trabalhadores negros ocupam apenas 20% das vagas disponíveis nos cinco maiores bancos do país. A maioria está nos públicos, onde a contratação acontece por meio de concurso público e não por meio de entrevista e seleção via currículo.

Fonte: O Bancário

30 ago 2019

Encontro das Bancárias será no dia 14. Participe

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Encontro das Bancárias será no dia 14. Participe ]

Para debater as questões sobre o trabalho das mulheres nos bancos, acontece, no dia 14 de setembro, o 3º Encontro das Bancárias da Bahia e Sergipe. O evento será na sede do Sindicato dos Bancários da Bahia, em Salvador.


Para as trabalhadoras da base do SBBA, a inscrições podem ser feitas pelo site bancariosbahia.org.br. Basta clicar no banner localizado na parte superior da página. O evento, organizado diretoria de Gênero da Federação da Bahia e Sergipe, também visa definir estratégias para combater a discriminação e a desigualdade de gênero no setor.


A mesa de abertura começa às 9h. Logo depois, às 11h, a ex-deputada federal, Ângela Alpino, fala sobre gênero, raça e classe e após o almoço, terá discussões sobre mulher, trabalho e soberania com a ex-senadora Vanessa Grazzotin. Às 16h30, a SPM (Secretaria Estadual de Políticas para Mulheres da Bahia) fará exposição da campanha Respeite as Minas. No final, será realizado um happy hour, no Teatro Raul Seixas. 

Fonte: O Bancário
 

30 ago 2019

Capitalização da Previdência volta a assombrar

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Capitalização da Previdência volta a assombrar ]

Engana-se quem pensa que a capitalização é página virada. O item foi retirado do texto da reforma da Previdência aprovado na Câmara Federal, e que está no Senado. Mas, o modelo volta assombrar e pode voltar em breve ao Congresso Nacional. 


De acordo com especialistas, a capitalização deve ser incluída em um pacote de maldades assim que o governo, economistas e a grande imprensa começarem a propagar que somente a reforma não resolveu a situação do país. 
 

Defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a capitalização foi adotada no Chile pelo ditador Augusto Pinochet, em 1981. O resultado foi desastroso. Idosos com aposentadorias muito abaixo do salário mínimo. Sem contar nos casos em que o trabalhador nem consegue se aposentar.  
 

A capitalização é uma espécie de poupança. Quem consegue juntar mais tem maior possibilidade de se aposentar com um valor “melhor”. A mulher será ainda mais penalizada, que ganha menos do que o homem e tem menor presença no mercado de trabalho. No Brasil, o envolvimento delas na força de trabalho é de 52,7%. Já entre os homens é de 71,5%.
 

A grande verdade é que quem vai lucrar com a capitalização são os bancos e gestores de investimentos, já que os trabalhadores vão acumular as próprias aposentadorias em contas individuais. Para o cidadão, se o modelo passar, uma coisa é certa: aposentadoria nunca mais.

Fonte: O Bancário

30 ago 2019

PLR da categoria é fruto de união e mobilização

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[PLR da categoria é fruto de união e mobilização]

Os bancários são conhecidos pelo poder da mobilização. Como resultado da luta histórica, desde 1995 a categoria tem direito à PLR (Participação nos Lucros e Resultados). Há quase 25 anos o movimento sindical garantiu a assinatura da CCT (Convenção Coletiva de Trabalho), fixando uma participação de 72% do salário mais um valor fixo de R$ 200,00.


No governo Lula, em 2003, os trabalhadores dos bancos públicos também passaram a ter direito à PLR. A vitória foi fruto da Campanha Nacional Unificada e um forte movimento de greve. Em 2005, o funcionalismo do BB garantiu mais um adicional de 4% do lucro líquido para ser dividido linearmente. Cinco anos depois, os empregados da Caixa e do BNB conquistaram a PLR Social em acordo específico. 


Outra vitória em relação à Participação nos Lucros e Resultados é que o benefício passou a ter isenção e descontos na tabela do imposto de renda em 2012. Após 12 dias de greve em 2016, a categoria conquistou junto à CCT um adicional na PLR. Atualmente, o valor representa 2,2% do lucro líquido dos bancos.

Hoje
Neste ano, os bancos privados têm até dia 20 de setembro para pagar a primeira parcela da Participação nos Lucros e Resultados, mas o Santander depositará o benefício no dia 30. O BB tem de pagar até 10 dias após a distribuição dos dividendos aos acionistas e a Caixa até o dia 30 de setembro.
Pela regra básica, a parcela da PLR é composta por 54% do salário mais R$ 1.413,46, limitado a R$ 7.582,49. Além disso, o valor adicional, que consiste na divisão linear de 2,2% do lucro líquido do primeiro semestre de 2019 limitados  a R$ 2.355,76. Todos corrigidos pela inflação e acrescidos de 1% de ganho real.

Fonte: O Bancário

30 ago 2019

Dia para lembrar lutas e conquistas dos bancários

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Estabelecido em 1951, o Dia Nacional dos Bancários, 28 de agosto, deve ser para relembrar as lutas e conquistas da categoria. A data foi originada depois de uma greve histórica.


Os bancários cobravam 40% de reajuste, mas os bancos ofereciam apenas 20%. Mesmo com a forte recessão econômica. Depois de 69 dias de paralisação, a categoria conseguiu 31%, uma vitória que virou marco de resistência para trabalhadores de outras categorias.


Já os funcionários dos bancos públicos só passaram a ser reconhecidos como bancários após a mobilização de 1985, que, de mãos dadas com sindicatos e associações, conquistaram o direito de se sindicalizarem e ter a mesma jornada que os demais, de seis horas e uma série de benefícios.


Por essa trajetória, que deve servir de espelho para hoje, o Sindicato parabeniza a categoria, que se compromete dia após dia em garantir atendimento digno e de qualidade para a população. 


O presidente da entidade, Augusto Vasconcelos, lembra que o movimento sindical, mesmo em cenário adverso, tem um acordo coletivo que garante aumento real de 1% para os salários e demais verbas. Tudo isso, graças ao poder de mobilização da categoria, que também tem a maior convenção coletiva das Américas, “com referência internacional. Devemos nos inspirar nessa história para manter de pé o sonho de um país que respeite os trabalhadores”.
Homenagens no Congresso 
O deputado federal Daniel Almeida (PCdoB), parabenizou a organização sindical e os bancários, por serem protagonistas e pioneiros na defesa dos bancos públicos e dos bancários. 


Reforçou que o presidente do Sindicato da Bahia, Augusto Vasconcelos, é um bom exemplo de liderança na capacidade de organização, articulação e orientação política para essa fase de enfrentamento.


O SBBA continua na luta e na defesa dos direitos para a categoria, resistindo a todos os embates do atual cenário econômico e político do nosso país.

Fonte: O Bancário

247 – Reportagem do G1aponta que o governo da Finlândia, que está na presidência rotativa da União Europeia (UE), afirmou nesta sexta-feira (23) que pretende encontrar uma forma de fazer o bloco banir a importação de carne brasileira por causa da devastação causada por incêndios na Amazônia. 

“O ministro de Finanças Mika Lintila condena a destruição da floresta amazônica e sugere que a UE e a Finlândia devam urgentemente rever a possibilidade de banir as importações de carne bovina brasileira”, afirmou o Ministério das Finanças da Finlândia.  

A Finlândia se soma assim a outros países europeus no protesto contra a devastação da floresta amazônica. A França ameaçou se opor ao acordo entre o Mercosul e a União Europeia.

Fonte: Brasil 247