As centrais sindicais – CTB, Força Sindical, UGT, Nova Central, CSB e Conlutas – se reuniram novamente ontem, segunda-feira (24), em São Paulo, para discutir a reforma trabalhista aprovada e sancionada pelo governo Michel Temer no início do mês.

A CTB estava representada pelo vice-presidente Nivaldo Santana, e o secretário de políticas sociais, Rogério Nunes.

Leia também:

Em defesa dos direitos trabalhistas e da organização sindical 

Centrais vão a Brasília e propõem alternativa ao fim da contribuição sindical

Na pauta de discussões, dois pontos principais: a definição de uma agenda unitária com alternativas que possam se contrapor aos aspectos mais danosos da reforma e a criação de um jornal de circulação nacional para esclarecer os efeitos perversos da reforma trabalhista.

Os dirigentes analisaram as medidas que deixam os trabalhadores mais vulneráveis e elaboraram uma proposta de medida provisória para atenuar estes aspectos, entre eles o trabalho intermitente, a homologação da rescisão do contrato de trabalho e uma alternativa para o fim da contribuição sindical.

Para o vice-presidente da CTB, Nivaldo Santana, as negociações com o governo avançaram pouco até agora. “Será fundamental a pressão em Brasília, com mobilização e negociação junto ao Congresso Nacional para criar um ambiente mais favorável para as propostas das centrais”, afirma Santana.

O Departamento Intersindical de Estudos Estatísticos e Socioeconomicos (Dieese) está elaborando um relatório detalhado com as deliberações da reunião que será divulgado em breve. A CUT não participou da reunião, mas se comprometeu a encaminhar as deliberações.

Fonte: Portal CTB

O Brasil passa por uma profunda crise. Ataques aos direitos, desemprego, ameaças de privatização. Só retrocesso. Para analisar a conjuntura atual e traçar estratégias de mobilização os bancários de todo o país se encontram, neste fim de semana, durante a 19ª Conferência Nacional, em São Paulo.

Nesta sexta-feira (28/07), após o credenciamento, às 17h tem o painel expositivo: Defesa dos Bancos Públicos. Depois, às 20h, acontece a abertura solene.

No dia seguinte, sábado (29/07), às 9h, os delegados votam o Regimento Interno. Às 9h30, começa a análise da conjuntura nacional e internacional. A defesa do emprego frente às novas tecnologias será discutida às 11h30.

No período da tarde, a partir das 14h30, entra no centro do debate a reforma trabalhista, às 17h, reforma da Previdência e logo em seguida ocorre a plenária das correntes políticas. A noite termina com um jantar e confraternização. No domingo (30/07), os presentes definem o Plano de Lutas.

Da Bahia e Sergipe, 29 delegados e três observadores participam do evento, que vai bater o martelo sobre as reivindicações da categoria, o que inclui a manutenção dos direitos, alvo do governo Temer.

 Fonte: O Bancário

21 jul 2017

Emprego nos bancos sob ameaça

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A defesa do emprego deve ser a principal bandeira da Campanha Nacional dos Bancários em 2017. A importância do tema se torna cada dia mais evidente com o grande número de vagas fechadas no setor nos últimos meses. Foram 10.752 postos de trabalhos a menos apenas no primeiro semestre de 2017, sendo 1.131 apenas no mês de junho.

A análise por Setor de Atividade Econômica revela que os “Bancos múltiplos com carteira comercial”, categoria que engloba bancos como, Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil, foram responsáveis pelo fechamento de 6.030 postos. Já a Caixa Econômica foi responsável pelo fechamento de 4.429 postos.

São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro foram os estados com maior incidência de saldos negativos, mas a Bahia (-393) e Sergipe (-64) também perderam vagas nos primeiros seis meses do ano.

A situação tende a se agravar com os planos de desligamentos voluntários, já abertos no Bradesco e Caixa, e com perspectiva de lançamento no Banco do Brasil e BNB.

Outra ameaça importante é a terceirização. “Os bancos sempre tentaram demitir bancários para contratar terceirizados e negar direitos como jornada de 6 horas, PLR e outras conquistas importantes da categoria, mas eram barrados pela Justiça. Agora eles têm o respaldo da legislação aprovada pelo governo golpista e temos que redobrar a atenção para que eles não demitam bancários em massa para contratar terceirizados”, alertou o presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe (Feebbase), Emanoel Souza.

A Feebbase e os sindicatos estão atentos aos acontecimentos e os trabalhadores devem denunciar qualquer movimentação neste sentido que aconteça nas agências e setores administrativos dos bancos.

Fonte: Feebbase

21 jul 2017

A degola começou

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Por Adilson Araújo*

Com menos de uma semana da aprovação da reforma trabalhista, milhares de brasileiros e brasileiras se encontram no fio da navalha com a onda de lançamento de planos de demissão voluntária em diversos ramos de trabalho pelo país.

O que empresários chamam de primeiras ações do pacote da reforma trabalhista contra a crise é uma releitura do que aconteceu nos anos 1990, “demissões voluntárias”. Um tipo de demissão velada que coloca na berlinda a classe trabalhadora. E como isso funciona?

O empresário determina ou você “adere” ao desligamento da empresa. E para camuflar ao trabalhador é oferecido um prêmio: peça pra sair e ganhe 1 salário adicional.

A façanha de Temer com a reforma trabalhista indica que até o fim deste ano acumularemos 20 milhões de brasileiros desempregados. À Delfim Netto, o governo interpreta os números a seu favor. Os mais recentes dados sobre o mercado de trabalho mostram que o desemprego parou de aumentar. Boa notícia? Nem tanto.

Já que nesta conta o governo não coloca os números da precarização e a desistência da busca por trabalho. E isso pode ficar pior. O projeto de Temer pode tirar o país de um cenário de crise conjuntural e conduzi-lo a um cenário de crise estrutural.

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) são claros. Em junho, houve forte desaceleração na geração de emprego em relação a maio, quando a criação de vagas com carteira assinada superou as demissões em 34.253 em postos.

A conta é simples. O Brasil encerrou o primeiro semestre deste ano com um saldo 67.358  vagas, uma expansão de 0,18% em relação a dezembro de 2016. Apesar disso, entre junho de 2016 e junho de 2017 o saldo para o mercado de trabalho é negativo, com a demissão de 749.060 trabalhadores com carteira assinada.

Dos que defenderam a reforma com o discurso que seriam gerados mais empregos, já anunciaram pacotes de milhares de demissões: BRADESCO, PETROBRAS, ELETRONORTE e CORREIOS.

Somente em junho, o setor industrial em São Paulo podou 9,5 mil empregos. Outros setores como a construção civil (menos 8.963 postos); a indústria de transformação (-7.887); serviços (-7.273) e comércio (-2.747 vagas). Um recuo de 37.370 postos de trabalho.

Ou seja, o resultado comemorado pela gestão Temer e que encontra eco em análises falaciosas da imprensa nacional é pura interpretação cosmética da realidade difícil que se instala no Brasil, sobretudo após a aprovação da reforma trabalhista.

* Adilson Araújo é presidente da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil)

21 jul 2017

Brasileiro paga rombo do governo Temer

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Como se não bastasse todos os direitos surrupiados pelo governo Temer até agora, sem qualquer luz de esperança para o trabalhador brasileiro, a equipe econômica quer resolver todos os problemas metendo a mão no bolso da população.

Foi decidido que os tributos que incidem sobre os combustíveis serão aumentados. O que se pretende é cobrir o rombo nas receitas públicas e evitar déficit maior do que os R$ 139 bilhões esperados para 2017.

Como sempre, o governo prefere cumprir a meta fiscal e deixar os brasileiros pagar o pato. Já está acordado com a equipe econômica o aumento do PIS e do Confins, tributos que atuam sobre a gasolina e o diesel.

As novas alíquotas entraram em vigor desde ontem, quinta-feira (20/07), após publicação de decreto na edição extra do Diário Oficial da União. Falta ainda definir se a Cide, outro imposto, também sofrerá ajuste, já que este terá de ser dividido com os municípios e estados.

Fonte: O Bancário

21 jul 2017

O povo nas ruas em defesa da democracia

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Jovens, idosos, professores, bancários, profissionais liberais, jornalistas, artistas. Todos unidos contra o governo Temer. A política neoliberal imposta pelo presidente ilegítimo, a equipe econômica e o Congresso Nacional apenas pune o brasileiro. Direitos são tirados sem qualquer debate com a sociedade, as empresas públicas desmontadas para a venda, impostos elevados, salários reduzidos, e o desemprego batendo em níveis recordes.

A saída para evitar os retrocessos que o neoliberalismo impõe é as ruas. O respeito ao estado democrático de direito também é fundamental. Diante disso, e por um justo julgamento de Lula na Operação Lava Jato, milhares de pessoas tomaram as ruas de diversas cidades do país, ontem (20).

Em Itabuna, a manifestação saiu do Jardim do Ó e percorreu a Avenida do Cinquentenário, centro da cidade.

Entre os participantes uma certeza: O juiz de primeira instância Sérgio Moro tem lado e age para inabilitar a candidatura de Lula à presidência da República nas eleições de 2018. As elites brasileiras preconceituosas sabem: somente assim podem impedir que o ex-presidente operário, nascido no Nordeste, retorne ao Palácio do Planalto.

O presidente da CTB-Bahia, Pascoal Carneiro, atesta. “O que vemos hoje é a tentativa de consolidação do golpe dado em 2016. Temos de mobilizar a população para impedir o avanço das forças conservadoras”. (SBBA)

21 jul 2017

Brasil no topo do abuso sexual infantil

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Em pleno século 21 é um absurdo que o Brasil esteja entre um dos primeiros lugares no ranking internacional de casos de exploração sexual de crianças e adolescentes. O cenário demonstra a necessidade de políticas cada vez mais eficazes para inibição do quadro.

Segundo o balanço das denúncias colhidas pelo Disque 100, onde se relatam episódios de violação de direitos humanos, o Brasil apresentou mais de 175 mil casos de exploração sexual de crianças e adolescentes, entre 2012 e 2016.

A grande maioria (44%) envolve crianças de 0 a 11 anos. Jovens de 12 a 14 anos são 30,3%, enquanto jovens de 15 a 17 anos, 20,09%. Enquanto que os agressores são homens (62,5%).

Os números alarmantes demonstram a necessidade de políticas públicas de prevenção. É preciso educar a criança para que ela aprenda a entender quando está sendo vítima de abuso.

Importante destacar que o Brasil possui lei que estipula pena obrigatória de perda de bens e valores em razão de crimes de exploração sexual (Lei nº 13.440/201&), e condições especiais para depoimento de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência e abuso (Lei nº 13.431/2017).

Fonte: O Bancário

21 jul 2017

Com desmonte do Banco do Brasil, queixas crescem

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O Banco do Brasil passa por um processo acelerado de desmonte com dispensa de funcionários e fechamento de agências. A redução de unidades chega a 563 e quase 10 mil bancários deixaram a empresa por meio do PEAI (Programa Extraordinário de Aposentadoria Incentivada).

O cenário é caótico. A sobrecarga é grande. Em média, cada funcionário é responsável por 554 contas. O resultado é refletido nas reclamações.

O número de queixas pulou de 12.246 no primeiro semestre de 2015 para 17.889 no mesmo período deste ano. Elevação de 46%, de acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O desmonte compromete o atendimento e, consequentemente, desgasta a imagem do BB perante a sociedade. Exatamente o que quer o governo Temer. Os problemas não param por aí. O processo de reestruturação tirou comissões e reduziu salários. Muitos bancários tiveram queda brusca no rendimento mensal da noite para o dia.

Além de comprometer o atendimento, o sucateamento das empresas prejudica o crédito imobiliário para famílias de baixa renda e o financiamento da agricultura familiar, responsável pela produção de 70% dos alimentos consumidos pelos brasileiros.

Fonte: O Bancário

21 jul 2017

A quem interessa tirar Lula da disputa

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Parece Teoria da Conspiração. Mas não é. O império norte americano está em guerra, embora não declarada, com a América Latina. O objetivo é acabar com as forças populares que reduziram as desigualdades no continente. No Brasil, conta com a ajuda das elites, que nunca aceitaram dividir espaço com a população negra e pobre. O juiz Sérgio Moro é a sua representação mais fiel.

Do quadro político da direita – o pai foi um dos fundadores do PSDB – e muito antenado com as linhas de ação dos Estados Unidos, usa o argumento do combate à corrupção, que permeia o Brasil desde 1.500, para ganhar apoio da massa.

Assim, não mediu esforços para condenar Lula. Passou por cima da lei e usou métodos condenáveis, como a tortura psicológica. A parcialidade do juiz tucano é nítida. Ao mesmo tempo em que promove uma verdadeira caçada ao ex-presidente, Moro poupa os correligionários, como o senador também tucano Aécio Neves.

Fonte: O Bancário

21 jul 2017

O governo Temer sucateia o BNDES

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Os números do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) no primeiro semestre de 2017 mostram o que o governo Temer faz com os bancos e instituições públicas. Reduz ao mínimo. Transforma em sucata.

Em apenas seis meses, os investimentos caíram 26%. Só na indústria, a queda foi de 42%. Comércio e serviços, infraestrutura e agropecuária tiveram percentuais negativos de 13%, 6% e 3%, respectivamente. Em 12 meses até junho, o índice de queda chega a 38%. Incrível.

Enquanto isso, os lucros dos bancos privados sobem. Só no primeiro trimestre, Itaú, Bradesco e Santander registraram soma total de R$ 13,104 bilhões. Em 2016, o montante foi de R$ 46,606 bilhões.

Fonte: O Bancário