6 maio 2019

Atenção com clonagem do cartão de crédito

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O cartão de crédito caiu no gosto popular. Muita gente utiliza a modalidade para conseguir pagar as contas do mês ou então ganhar milhas e garantir uma viagem. Mas, seja qual for o caso, o cidadão deve ter cuidado redobrado ao utiliza-lo, pois o número de fraudes é cada vez maior.

Nos últimos 12 meses, 8,9 milhões de brasileiros foram vítimas de golpes, a maioria (41%) ligada à clonagem do cartão de crédito. A segunda fraude mais comum é o recebimento de boletos falsos (13%), aponta levantamento da CNDL (Confederação Nacional dos Lojistas).  

Clonagem de cartão de débito e contratação de empréstimos e financiamentos aparecem em seguida, com 11% das ocorrências. As compras realizadas pela internet são responsáveis pela maioria dos golpes, 48%. Portanto, embora tenha facilidade, o cuidado deve ser total. 

Sobre os principais problemas enfrentados pelas vítimas de ações fraudulentas estão as compras indevidas em nome da pessoa (37%) e os prejuízos financeiros (24%). Além de comprometer a saúde financeira, os transtornos podem trazer outras dores de cabeça, como a inclusão indevida em cadastros de devedores. O ideal mesmo é ficar ligado para não ter o problema.

Fonte: O Bancário

6 maio 2019

Crise deixa 148 milhões sem renda no país

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Muito ainda precisa ser mudado no país. Estudo do IBGE mostra que se pelo menos quatro formas de trabalho fossem remuneradas poderiam agregar valor ao PIB (Produto Interno Bruto). A pesquisa cita os cuidadores de idosos, pessoas que fazem trabalho voluntário e as que se dedicam aos afazeres domésticos. 

São cerca de 148 milhões de pessoas sem renda atualmente no país. Com o mercado de trabalho deteriorado e o aumento expressivo da informalidade, as pessoas têm se virado como podem. O Brasil não oferece nenhum tipo de subsídio para pessoas que cuidam de idosos por conta própria como familiares, por exemplo. 

Ou donas de casa que exercem jornada dupla e chegam a trabalhar até 7,5 horas a mais do que os homens, segundo pesquisa do  Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Assim, sem perspectiva de mudanças, brasileiros continuam reféns da estagnação. 

Fonte: O Bancário

6 maio 2019

Estatais na mira da privatização cresceram 132%

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Muito longe do que o governo Bolsonaro quer fazer o povo acreditar, as principais estatais geram lucros substanciais que poderiam salvar o país da crise financeira. De acordo com o jornal Valor Econômico, as empresas públicas, alvos de privatização, registraram crescimento de 132% em 2018. Em números, o lucro líquido chegou na casa dos R$ 74 bilhões.

Se Petrobras, Banco do Brasil, Caixa, BNDES, Correios e Eletrobras estiverem forem realmente vendidas, como é o desejo do ministro da Economia, Paulo Guedes, a grande perda será do Estado brasileiro. A privatização acarretaria na perda de um importante volume de recursos em forma de dividendos, que são ferramentas utilizadas para impulsionar a economia brasileira, além de desempenhar um importante papel social para o país. 

A venda das estatais representa um descompasso frente a países desenvolvidos, que reestatizam as empresas públicas. Abrir mão de tais instrumentos significa perda da capacidade do Estado em gerir os instrumentos públicos, além de deixar de conduzir o processo de desenvolvimento econômico, deixando a cargo de grandes investidores.

Fonte: O Bancário
 

6 maio 2019

Desmonte do BNDES precariza infraestrutura

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Principal agente financiador, de forma direta e indireta, de rodovias, hospitais, metrôs, ferrovias, portos, pontes e obras de saneamento, o BNDES é alvo de desmonte no governo Bolsonaro. O resultado será a precarização da infraestrutura e o aumento das desigualdades.

O pensamento ultraliberal é de que as soluções de financiamentos estão nas mãos do mercado financeiro e que o BNDES pode ser drasticamente reduzido. Mas, basta voltar à história. Em 2008, quando a crise econômica abalava o mundo, a ação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, em fomentar grandes projetos para garantir a atividade econômica com geração de novos postos de trabalho e consumo, foi imprescindível para manter o Brasil em crescimento.


A grande questão é que com Bolsonaro, o volume de operações já tem caído. No primeiro trimestre do ano, as consultas por empréstimos no BNDES totalizaram R$ 8,3 bilhões. Em igual período de 2018, a soma foi de R$ 14 bilhões. Redução de 40,7%.

É bem verdade que o desmonte do banco começou com a mudança nas taxas de juros de longo prazo, que está mais cara, feita pelo governo Michel Temer e mantida pela equipe econômica de Jair Bolsonaro. Em abril de 2017, a Medida Provisória 777 e acabou com a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo). 

Pelo visto, diante do perfil do governo, o cenário de aprofundamento da crise não deve mudar. O Brasil carece de um projeto de desenvolvimento. Gravíssimo.

Fonte: O Bancário

6 maio 2019

Governo ataca as universidades. Lamentável

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Na clara tentativa de censurar a liberdade de manifestação e a diversidade e por temer a educação livre e crítica, o governo Bolsonaro faz mais um ataque injustificado às universidades federais brasileiras, com o anúncio do corte de 30% dos recursos das instituições.


A justificativa para a atitude é ainda mais absurda. O ministro da Educação, Abraham Weintrab, afirmou que o bloqueio da verba seria feito nas universidades que não apresentassem desempenho acadêmico esperado e tivessem promovendo “balbúrdia”.


Primeira universidade do Nordeste, a UFBA é a 10ª instituição brasileira e a 30ª da América Latina no ranking Times Higher Education (THE), da revista inglesa Times, que avalia 1.250 universidades de 36 países. Também foi considerada a 14ª melhor entre 196 universidades brasileiras em 2018.

O reitor da Universidade Federal da Bahia, João Carlos Salles, rebateu a declaração e afirmou que “a UFBA reafirma-se enquanto espaço democrático e dinâmico, onde se realizam eventos dentro dos marcos legais, e que se orgulha de ter como uma de suas marcas a porosidade à presença, em seus espaços, de atores sociais os mais diversos, todos eles bem-vindos, de movimentos sociais a industriais, de comunidades tradicionais a empresários, de intelectuais destacados a gestores públicos e parlamentares”.


Para o presidente do Sindicato dos Bancários da Bahia, Augusto Vasconcelos, “o ataque às universidades, promovidos pelo governo federal, têm expressão e do livre pensamento. Também ataca em cheio a produção cientifica do país, já que as universidades públicas são os maiores celeiros da pesquisa e da ciência no Brasil. É importante que estejamos juntos para defender a UFBA e impedir mais esse ataque do governo às universidades federais”. 


Resistência
Em protesto à atitude absurda do governo, acontece plenária e ato público unificado, na segunda-feira (06/05), a partir das 9h, na Faculdade de Educação da UFBA. A atividade é organizada pela ASSUFBA, APUB e o DCE. 

Fonte: O Bancário

6 maio 2019

PLR do BNB será antecipada para esta quarta

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Boa notícia para os funcionários do Banco do Nordeste. A instituição financeira vai antecipar o crédito da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) no dia 8. O valor ficará disponível aos bancários no dia 9. Inicialmente, o benefício seria creditado em 15 de maio. 

O resultado expressivo, com lucro de R$ 725,5 milhões no ano passado, é fruto do trabalho árduo dos funcionários nas agências do BNB. Além da PLR, os trabalhadores também aguardam o pagamento da PLR Social, que corresponde a distribuição de lucros de 3% para todos os funcionários.

O BNB também anunciou a antecipação dos dividendos pagos aos acionistas da empresa. O benefício também será pago no dia 8. 

Fonte: O Bancário

6 maio 2019

Negociação com o banco Itaú será terça-feira

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Para discutir emprego e o fechamento de agências do Itaú em todo o país, acontece reunião na terça-feira (07/05) com os representantes dos bancários e a direção do banco, em São Paulo. O encontro será às 10h. 

Na última reunião, os funcionários apresentaram dados com a quantidade de admissões e de demissões, comprovando que a rotatividade é alta. Em 2018, a prática chamada de turnover foi de 10%, 3.618 funcionários. 

A COE (Comissão de Organização dos Empregados) vai cobrar respostas sobre o encerramento das atividades nas agências físicas do Itaú em todo o país. Foram fechadas 61 somente no ano passado. Para piorar, o banco ainda anunciou que vai fechar cinco unidades em Salvador e outra em Camaçari, na Região Metropolitana.

Fonte: O Bancário

3 maio 2019

Idosos são obrigados a retornar ao mercado

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O desemprego cresce aceleradamente. Em apenas três meses elevou 10,2%. O custo de vida também está elevado e a renda achatada, resultado da política de austeridade. Com a crise, milhares de idosos têm de sustentar a família e, sem alternativa, voltam ao mercado de trabalho.

Os dados da LCA Consultores mostram. Os jovens e a população adulta (até 39 anos) respondem por 67% dos desempregados no país. Já os trabalhadores entre 40 e 59 anos representam 22,7% do total de pessoas fora do mercado de trabalho.  

Já o número de brasileiros com 65 anos ou mais em vagas com carteira assinada aumentou de 484 mil pessoas, em 2013, para 649,4 mil, em 2017. Elevação de 43% em quatro anos. Pelo visto, ainda vai demorar muito para o descanso merecido chegar.

Pelo menos 10,8 milhões de pessoas dependem da renda dos aposentados para sobreviver. Só no ano passado, o índice de residências em que mais de 75% da renda vem de aposentadorias cresceu 12%, saindo de 5,1 milhões para 5,7 milhões.

Dessa forma, milhares de idosos já aposentados estão se vendo sem saída. Obrigados a retornar para o mercado de trabalho para sustentar os filhos, muitas vezes já adultos, mas que não conseguem trabalho. 

Fonte: O Bancário

3 maio 2019

LER/Dort são as que mais atingem trabalhador

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

As doenças que mais afetam os trabalhadores brasileiros são LER (Lesões por Esforços Repetitivos) e Dort (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho), de acordo com o estudo Saúde Brasil 2018, do Ministério da Saúde. E os bancários bem sabem disso. Por conta das condições de trabalho, a categoria figura entre as mais atingidas. 

Entre 2007 e 2016, foram notificados 67.599 casos de LER/Dort. Houve um crescimento assustador de 184%. No período, passou de 3.212 ocorrências para 9.122. 

As informações, que estão no capítulo “Panorama de Doenças Crônicas Relacionadas ao Trabalho no Brasil”, revelam elevação na exposição dos trabalhadores a fatores de risco que podem ocasionar incapacidade funcional. O problema é mais recorrente entre as mulheres (51,7%), entre 40 e 49 anos (33,6%). 

Os casos de LER/Dort são as principais responsáveis pelos afastamentos do trabalho. Na categoria bancária, as lesões são muito presentes, mas os transtornos depressivos ocupam o topo da lista. Também não é para menos. Assédio, pressão por metas, condições precárias, sobrecarga. Com uma rotina assim, difícil não adoecer.

Fonte: O Bancário

3 maio 2019

Corte nas universidades ofendem democracia

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

À SOCIEDADE

Cortes nas universidades

ofendem a democracia

A anunciada decisão do Ministério da Educação, de promover cortes de até mais de 30% nos recursos dos institutos e universidades federais, causa grande preocupação e apreensão não apenas à comunidade acadêmica, mas também a toda sociedade brasileira.

A medida ameaça a sobrevivência de valorosas instituições, fundamentais à produção e ao domínio do conhecimento científico e do saber, assim como para a estabilidade de todo o sistema educacional.

As universidades atingidas, que já enfrentam sérias dificuldades no funcionamento,  são indispensáveis para a superação das desigualdades sociais, para a democracia, a construção da cidadania e a liberdade de expressão.

Principais polos, disparadamente, de produção da pesquisa no país, as universidades federais precisam é de mais investimentos e não de cortes nos recursos.

Pelo bem do Brasil, dos brasileiros e brasileiras.

Salvador, 2 de maio de 2019

ABI – Associação Bahiana de Imprensa

Sinjorba – Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Bahia

MCD – Movimento Comunicação pela Democracia

Fonte: O Bancário