17 abr 2017

Somente 9% aprovam Michel Temer

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Uma das desculpas mais utilizadas pelos radicais da direita para tirar a presidente Dilma Rousseff do cargo no tapetão, sem crime de responsabilidade, foi a de que a progressista tinha índices muito impopulares. Agora, o jogo virou. Michel Temer é o político mais impopular do Brasil, com apenas 9% de aprovação, segundo pesquisa Ibope.

Ninguém quer o peemedebista e as reformas neoliberais que só lesam o trabalhador, como a trabalhista e da Previdência. Em média, o levantamento do Ibope mostra que, enquanto o presidente tem 9% de aprovação, governadores estão com 22% e os prefeitos, 37%. Prova de que Temer não tem legitimidade, voto e qualquer apoio popular.

No Nordeste, onde o peemedebista já disse que queria ser o maior presidente nordestino, o índice cai ainda mais e fica apenas em 5% contra 33% de avaliação positiva para governadores e 44% para prefeitos. Ou seja, a região é a que mais quer o “Fora Temer”.

Fonte: O Bancário

A CSC Terceirização e Serviços LTDA, prestadora de serviço a Caixa Econômica Federal, tem atrasado rotineiramente o pagamento dos salários e do vale-refeição, em média, 25 dias. Em toda a Bahia são mais de cem trabalhadores que ficam no prejuízo e na incerteza, sem saber quando vão receber.

O desrespeito é frequente e, segundo denúncias, o 13º salário, que deveria sair no fim do ano passado, só foi pago no mês de março.

Esses são os verdadeiros objetivos da terceirização:

Baixos salários, menos direitos e desrespeito à legislação trabalhista.

É por isso, que o governo Temer e sua base de apoio no Congresso Nacional aprovaram a ampliação da terceirização para todos os serviços. Por outro lado, é totalmente incoerente uma empresa como a Caixa Econômica Federal, patrimônio do povo brasileiro, não acompanhar o desempenho de suas contratadas.

Está aí, mais um motivo explicito para a greve geral no dia 28 de abril!

Exigimos respeito!

Fonte: Seeb Itabuna com informações Seeb BA

13 abr 2017

No Brasil, calotes crescem no trimestre

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Com a crise econômica e a alta do desemprego, a inadimplência aumentou no primeiro trimestre deste ano. São 59,2 milhões de brasileiros com contas atrasadas no país. Os dados são do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).

A região Sudeste concentra o maior número de negativados, somando 25,10 milhões de consumidores. O que representa 38,52% da população adulta da região. Em seguida aparece o Nordeste, com 15,57 milhões (39,14%) e a região Sul, com 8,34 milhões de inadimplentes (37,44%).

O Norte possui 5,31 milhões de devedores e o Centro-Oeste 4,84 milhões. Ambos apresentam o maior percentual entre as regiões brasileiras: 45,55% e 42,28% da população é devedora, respectivamente.

Fonte: O Bancário

13 abr 2017

Michel Temer compra o apoio da mídia

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A propaganda é moeda de troca de Temer. A verba de publicidade do governo federal agora vai financiar a compra de apoio para a reforma da Previdência nos meios de comunicação. Temer vai destinar nada menos do que R$ 180 milhões para que locutores e apresentadores falem bem da proposta.

Os veículos que aderirem à campanha terão a verba federal. Vale destacar que o valor não inclui as publicidades de utilidade pública. Quer dizer, enquanto corta direitos, enxuga os salários, o governo Temer faz uma verdadeira farra com o dinheiro do povo.

Michel Temer que não cansa de apelar e passar vergonha. Em fevereiro deste ano, pagou também com o dinheiro do trabalhador, para que youtubers elogiassem as mudanças do ensino médio. É bom ficar atento.

Fonte: O Bancário

13 abr 2017

CNBB apoia luta contra as reformas

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) é mais uma entidade que está contra as reformas trabalhista e previdenciária que vem sendo impostas a toque de caixa pelo governo Temer.

Em reunião com as centrais sindicais, inclusive a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), o bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral da Conferência, Dom Leonardo Steiner, avaliou que “a mídia não está possibilitando fazer com que a população entenda a gravidade do que está acontecendo e o que aparece nos meios de comunicação é muito favorável às reformas”. Mostras de que até a Igreja Católica já está enxergando o enquadramento seletivo da mídia hegemônica.

Por isso, é preciso sair às ruas para que os protestos contra os desrespeitos possam chegar a toda à população. No dia 28 de abril, tem greve geral. Participe. Se posicione contra as elites e em favor dos direitos.

Fonte: O Bancário

Os bancários estão na linha de frente para defender os direitos dos brasileiros e tem presença certa na greve geral, marcada para 28 de abril. As atividades que a categoria realiza serão definidas em assembleia, na segunda-feira, às 18h30, no Ginásio de Esportes, ladeira dos Aflitos, em Salvador. Já em Itabuna, a assembleia iniciará as 18 horas, no auditório do Sindicato.

É fundamental a participação de todos para que as decisões sejam tomadas conjuntamente, de forma democrática. Os protestos também devem ter adesão em massa. Só assim, as propostas do governo Temer podem ser barradas.

São muitos os projetos que mexem com a vida e a renda do trabalhador. A reforma da Previdência é um exemplo. A medida aumenta para 65 anos a idade mínima para aposentadoria e 49 anos de contribuição para receber o benefício integral.

Tem ainda a reforma trabalhista que aumenta a jornada e flexibiliza direitos. Os bancários ainda enfrentam outra luta. A defesa dos bancos públicos. Como outras estatais, BB e Caixa estão sendo desmontados para posterior venda e o emprego de milhares corre risco. A história mostra. É só lembrar do governo de Fernando Henrique Cardoso. Tomar as ruas e parar o país é a saída.

Fonte: O Bancário

13 abr 2017

Na Caixa, Dia de Luta pelos bancos públicos

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O governo Temer tem colocado em prática uma política de desmonte do Estado, de entreguismo do patrimônio nacional ao mercado. Diante das ameaças, os empregados da Caixa realizam, em 20 de abril, o Dia Nacional de Luta em Defesa dos Bancos Públicos.

Os bancários também intensificam os atos pela manutenção da Caixa 100% pública e por mais empregados no banco. Afinal, as contratações estão estagnadas e, para piorar, mais de 4 mil trabalhadores aderiram ao PDVE (Programa de Demissão Voluntário Extraordinário). Não houve reposição.

As iniciativas contra os bancos públicos têm objetivo claro: desmontar a empresa para viabilizar a privatização. Assim como outras áreas no país, a exemplo da Previdência Social.

O cenário é preocupante e requer uma mobilização forte. O dia 20 deve ser uma preparação para a greve geral, convocada pelas centrais sindicais para o dia 28 de abril, em defesa da aposentadoria, dos direitos trabalhistas e dos bancos públicos.

Fonte: O Bancário

13 abr 2017

A Caixa se nega a contratar, novamente

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A Caixa continua intransigente quando o assunto são as admissões para suprir a demanda cada vez mais crescente nas agências. A instituição financeira se nega a contratar os aprovados em concurso público, realizado em 2014. Poucos foram convocados a tomar posse. Apenas 2.093 até dezembro de 2015.

De lá para cá, vários PAAs (Planos de Apoio à Aposentadoria) foram abertos e milhares de trabalhadores desligados. O último foi o chamado PDVE (Programa de Demissão Voluntária Extraordinária), fruto da reestruturação calamitosa que extinguiu funções e promoveu centenas de descomissionamentos na instituição. No programa, 4.519 empregados deixaram a empresa. Número que ainda pode crescer no balanço final do PDVE que será apresentado na próxima terça-feira (18/04).

Mesmo com os cortes, o banco já se posicionou em não contratar. O que contraria, inclusive, decisão judicial que determinou a contração dos dois mil aprovados no concurso de 2014. Sobre a ação, a Caixa já perdeu duas vezes nos tribunais e recorreu. É muita negligência.

O único informe que o banco dá é de que vai reabrir os PSIs (Processos de Seleção Interna) até o fim do mês, quando o banco já terá reestruturado as áreas atingidas pelos desligamentos. Contratar que é bom, nada.

Fonte: O Bancário

13 abr 2017

Temer libera dívida de R$ 25 bilhões do Itaú

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Não faz o menor sentido. Em meio à crise econômica e ao rombo estimado entre R$ 3,45 trilhões e R$ 3,65 trilhões no débito público federal para 2017, o Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) acaba de livrar o Itaú, o maior banco privado do país, que lucrou R$ 22,147 bilhões em 2016, do pagamento da dívida de R$ 25 bilhões em impostos.

A decisão tomada nesta segunda-feira (10/04) por cinco votos a três deixa os brasileiros, que já pagaram R$ 600 bilhões em impostos somente neste ano, indignados. A dívida é decorrente do Imposto de Renda e da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) no processo de ganho de capital do Itaú dentro da fusão com o Unibanco. Nada mais justo.

Mas parece que o processo de maior valor em tramitação no Carf, que já era conhecido pela tentativa de negociação de propina do ex-relator, João Carlos Figueiredo Neto, para favorecer a organização financeira, não interessa mais ao governo das elites de Michel Temer. A ordem agora é tirar tudo do povo e deixar os banqueiros fazerem o que quiserem.

Fonte: O Bancário

11 abr 2017

CNBB combaterá reformas de Temer nas igrejas

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Para a CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), reformas como a trabalhista e a previdenciária, nos moldes propostos pelo governo do presidente Michel Temer (PDMB), podem até atender aos apelos do mercado, mas deixam de fora interesses básicos do cidadão –justamente o maior afetado por elas, e o que menos ou nada foi chamado a participar dessa discussão.

O grupo, que se reuniu com representantes das centrais sindicais no debate por uma agenda de mobilização contra as reformas, pretende abordar o assunto também nas missas.

“No último dia 23, a confederação divulgou uma nota em que criticou duramente a reforma previdenciária ao afirmar, por exemplo, que a proposta defendida pelo governo “escolhe o caminho da exclusão social”.

‘Por que não discutir abertamente com a sociedade temas como esses, mas sem se preocupar em sinalizar apenas para o mercado, e sim, preocupado com o cidadão? Não é possível, a partir de um gabinete, determinar o que um cidadão pode ou não”, afirma o secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Ulrich Steiner, 66.

Arcebispo auxiliar de Brasília e desde 2001 secretário-geral da entidade, Steiner falou ao UOL sobre como a representação máxima dos bispos, de um país ainda de maioria católica, pretende atuar em relação às medidas defendidas por Temer, seja em posicionamentos oficiais –além de nota do mês passado, o assunto deve entrar na pauta da Assembleia Geral anual da CNBB, no final deste mês –, seja em ações práticas nas comunidades eclesiásticas –como, por exemplo, a abordagem crítica das reformas em missas.

‘Não é uma posição político-partidária, mas política, no sentido da polis, do cuidado de todas as pessoas. É importante que se debata e que se converse sobre isso. E faremos’, afirmou.

Fonte: Brasil 247 via Feebbase