13 ago 2018

Teto de gastos do governo Temer vai parar o Brasil

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A má administração do governo de Michel Temer nas contas públicas começa a dar sinais de ruína. A notícia sobre a suspensão de todas as bolsas em 2019 de mestrado, doutorado e de aperfeiçoamento para professores do CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), que totaliza quase 440 mil beneficiados, é somente a ponta do iceberg. Existe a ameaça de até água e luz das repartições federais deixarem de ser pagas.

Segundo estudo realizado pela Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), o cumprimento do teto exigirá que as despesas que não são obrigatórias sejam cortadas de R$ 126 bilhões neste ano para R$ 100 bilhões em 2019. O que é inviável, porque o valor mínimo para o funcionamento da máquina é de cerca de R$ 120 bilhões.

Quem chegar ao Palácio do Planalto em 2019 terá o desafio de equilibrar as contas públicas. Por mais que seja extremamente fiscalista, respeitar o teto até 2022 será uma missão muito difícil. O que pode gerar é uma grande paralisação de prestação dos serviços.

Fonte: O Bancário

7 ago 2018

Fenaban força a radicalização dos bancários

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Os bancos têm sido, disparadamente, os maiores e principais beneficiados com a grave crise política e econômica que o país atravessa desde o golpe jurídico-parlamentar-midiático de 2016.

Na realidade, não há crise para o sistema financeiro. Ano passado, as cinco maiores organizações bancárias em operação no país registraram lucro líquido de R$ 79,4 bilhões.

Mesmo assim, os banqueiros têm sido insensíveis e inflexíveis na mesa de negociação. Decorridas cinco rodadas de conversações da campanha salarial, a Fenaban não apresentou nada de concreto. A enrolação está irritando os bancários. O clima na categoria é de revolta.

Na intensa mobilização do Sindicato, que tem feito visitas às agências, em Salvador e no interior, quase que cotidianamente, o sentimento de deflagração de uma greve forte para forçar os bancos a negociarem, pode ser notado em todas as unidades.

A assembleia-geral de quarta-feira (08/08), às 18h30, no Ginásio de Esportes, ladeira dos Aflitos, pode aprovar indicativo de paralisação, caso na rodada do dia anterior a Fenaban não apresentar uma proposta global à pauta de reivindicações entregue pelos bancários.

Fonte: O Bancário

7 ago 2018

Ministros ganham R$ 33 mil. Mas acham pouco

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Os ministros do STF devem decidir nesta quarta-feira (08/08) se aprovam ou não um aumento de 12% em seus próprios salários. Em momento de grave recessão e encurtamento do salário para o trabalhador, o valor pretendido teria impacto estimado de R$ 3 bilhões no orçamento público.

Vale ressaltar que a remuneração atual de um ministro é de R$ 33,7 mil e o aumento representaria mais R$ 4 mil, em média, no salário. Sem falar nas muitas benesses. Uma distorção para a realidade do país que tem salário mínimo fixado em apenas R$ 954,00.

Há boatos de que os magistrados já se decidiram pelo reajuste. O impasse é como seria feito. Uma parte defende aumento sem nenhuma contrapartida, crescer o salário e pronto.

Outra parte reconhece que é preciso alguma sobriedade na questão e pensa que se houver o reajuste, o auxílio moradia de mais de R$ 4 mil deverá ser extinto, assim como outros benefícios pagos pelos tribunais estaduais.

Ainda assim, é injusto e elitista. Para o povo, o aumento do salário deve seguir o teto de gastos públicos, mas para os magistrados a regra não se aplica. São os acima da lei, que, no Brasil, só funciona para o “povão”.

Fonte: O Bancário

7 ago 2018

Maioria do eleitorado brasileiro é formada mulher

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Para as eleições de outubro de 2018, o Brasil tem 147.302,354 aptos a votar. São aproximadamente 4,5 milhões a mais do que no pleito de 2014, aponta o TSE. Ainda, segundo o Tribunal Superior Eleitoral, desse total 1.409.774 estão com os direitos políticos suspensos, portanto, não podem votar nem se candidatar. A maioria do eleitorado do país é mulher – 52,5% ou 77,3 milhões. Os homens são 69,9 milhões.

Um dado importante para se ter noção do perfil do eleitorado é o recorte por escolaridade, pouco mais de 38 milhões têm o ensino fundamental incompleto e representam 25,8% do eleitorado. Já eleitores com ensino médio completo são 22,7% e, ensino médio incompleto, é 16,8%.

Eleitores com ensino superior completo são apenas 9,1%, os que lêem e escrevem 8,9%, ensino fundamental completo 6%, superior incompleto 4,9% e analfabetos são 4,4%.

Entre os jovens de 16 e 17 anos, cujo voto não é obrigatório, 1.400.617 poderão participar. Houve uma redução de 14,53% em relação à 2014. A faixa etária com maior número de eleitores vai de 45 aos 59 anos, são 35,7 milhões. Em seguida, são as pessoas com idade entre 25 a 34 anos, representando 31,1 milhões de votos.

Fonte: O Bancário

7 ago 2018

Brasileiro pega empréstimo para pagar contas

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O brasileiro pena com a política de austeridade imposta pelo grande capital por meio do governo Temer e pagar despesas do dia a dia está cada vez mais difícil. Para conseguir quitar contas de água, energia e supermercado, por exemplo, as famílias recorrem a empréstimos bancários, limite do cheque especial e parcelamento no cartão de crédito.

O aumento do desemprego é outro reflexo da agenda neoliberal. São mais de 13 milhões de trabalhadores sem emprego. Em maio, a taxa de endividamento das famílias atingiu 23,3% da renda que o trabalhador ganha em um ano. Foi o maior patamar dos últimos 14 meses, segundo o Banco Central.

Segundo o economista Márcio Pochmann, o governo poderia solucionar facilmente o ciclo de endividamento. Bastava renegociar as dívidas com redução das taxas de juros, estimular o aumento da produção e do emprego através de programas, além de reduzir os impostos para os trabalhadores que ganham menos, a base da pirâmide social.

E os números reforçam que a população tem se sacrificado para sair do vermelho. O SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) apontou que, para quitar dívidas, cobrir gastos de emergência e pagar as contas básicas, 46% das pessoas que usaram cheque especial entraram no limite nos últimos 12 meses.  A entidade ainda constatou que 20% dos usuários usam o cartão de crédito como extensão da própria renda.

Fonte: O Bancário

7 ago 2018

OIT quer explicações do país sobre lei trabalhista

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A OIT (Organização Internacional do Trabalho) continuam investigando a reforma trabalhista de Temer, medida que incluiu o Brasil na chamada “short list”, lista elaborada pelo Comitê de Aplicação de Normas, responsável por definir países cujos governos devem dar explicações.

No caso do Brasil, as explicações se atêm aos prejuízos que a nova legislação trouxe à negociações coletivas, acordos, entre outros itens que estão em vigor há quase nove meses.

A OIT também quer saber a respeito do aumento da informalidade, achatamento da renda, que ocasionou num freio econômico com a diminuição das intenções de consumo do trabalhador, além do desequilíbrio da relação capital e trabalho, devido as mudanças do custeio sindical.

A denúncia foi feita pelas centrais sindicais. A prioridade é a revogação da “reforma” trabalhista, esclarecendo que os brasileiros se sentem vilipendiados e violados nos direitos mais fundamentais das relações de trabalho.

Fonte: O Bancário

Em Itabuna aconte no dia 08 manifestação contra o feminicidio

O machismo continua fazendo vítimas mortais no Brasil. Segundo pesquisa realizada pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça), mesmo com a formação de novas varas especializadas na aplicação da Lei Maria da Penha, o número de assassinatos contra mulheres subiu 8,8% em 10 anos, que compreende no período de 2003 a 2013.

A mulher negra de 18 a 30 anos é principal perfil de vítimas. A pesquisa revela um dado drástico que agrava mais ainda a apuração desses casos. Os tribunais não dão conta de atender toda a demanda. Dos 10,7 mil processos sobre o tema no ano passado, apenas 5 mil sentenças foram dadas pelos magistrados.

Fonte: O Bancário

Espetáculo Herança Sagrada Credito (Foto: Wendell Wagner/Divulgação)

No mês em que comemora os 30 anos de sua fundação, o Balé Folclórico da Bahia será duplamente homenageado. A Assembleia Legislativa promove uma sessão especial, proposta pelo deputado Bira Coroa, presidente da Comissão Especial de Promoção da Igualdade, no próximo dia 9 de agosto, às 14h30, no Salão Nobre da casa, no Centro Administrativo da Bahia. O Balé Folclórico da Bahia também receberá da Assembleia o título de Utilidade Pública Estadual. No dia 28 de agosto, às 19 horas, a homenagem será na Câmara Municipal de Salvador por iniciativa do vereador, jurista e professor Edvaldo Brito. O diretor geral do Balé, Vavá Botelho, a presidente da Fundação Balé Folclórico da Bahia, Lúcia Mascarenhas, e a conselheira Lia Robatto, estarão presentes nas duas sessões para representar o grupo de dança que tem promovido o nome da Bahia em todo o mundo. As solenidades também devem contar com autoridades representantes do Governo do Estado, da Secretaria de Cultura e da Prefeitura.

“As duas homenagens são um reconhecimento ao trabalho que fazemos ao longo de três décadas. Seguramente, somos um dos principais embaixadores da cultura popular brasileira e afro-baiana para o mundo”, destaca Vavá Botelho, que planeja para o fim do ano uma ampla programação comemorativa pelos 30 anos do Balé, com oficinas de dança-afro e percussão, estreia de um espetáculo inédito com novas coreografias, exposição da trajetória do Balé e um documentário dirigido e produzido pela atriz Gloria Pires.

Reconhecida pela Associação Mundial de Críticos como a melhor companhia de dança folclórica do mundo, o Balé Folclórico da Bahia já formou mais de 700 bailarinos. A maioria deles de origem muito simples, que aprenderam os primeiros passos de dança no Balé e hoje brilham em grandes companhias internacionais do mundo. “Além do trabalho artístico, temos uma função social”, afirma Vavá Botelho.

O BFB, completa 30 anos no dia 7 de agosto, já se apresentou em mais de duzentas cidades e 24 países, incluindo Estados Unidos, Itália, Inglaterra, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Nova Zelândia, Austrália, Alemanha, França, Holanda, Suíça, México, Chile, Colômbia, Finlândia, Suécia e África do Sul, dentre outros.

Com sede no Pelourinho, em Salvador, atualmente, o BFB funciona em regime de seis horas de trabalho por dia. Os 40 integrantes da companhia – dançarinos, músicos e cantores – recebem preparação técnica para dança, música, capoeira, canto e teatro. Para preservar e divulgar as principais manifestações folclóricas da Bahia, o Balé desenvolveu uma linguagem cênica que parte dos aspectos populares e atinge questões contemporâneas.

Fonte:  http://www.jornaldamidia.com.br

A Lei Maria da Penha completa 12 anos nesta terça-feira (7), mas desde a sua instituição, os índices de violência contra mulher seguem aumentando. Um comparativo entre os anos de 2016 e 2017, divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), aponta que o número de casos aumentou em 12%. Eles saltaram de 402.695 para 452.988 nos tribunais estaduais de justiça de todo o país.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) foi o órgão que registrou a maior alta de casos: 67.541 em 2017, contra 47.779 em 2016. Na sequência, vem o Tribunal do Rio Grande do Sul (TJRS), com 66.355 em 2017 e 62.466 em 2016. Em terceiro lugar, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), com 47.320 processos em 2017. Apesar da posição, Minas apresentou uma queda no número de casos registrados, tendo em vista que, em 2016, foram 50.671.

Em contrapartida, ao analisar a quantidade de novos casos a partir número de mulheres residentes em cada estado, o cenário muda. Liderando ranking está Mato Grosso do Sul, com 13,2 casos novos a cada mil mulheres. O Distrito Federal encontra-se no segundo lugar, com 11,9 registros. E o Rio Grande do Sul permanece no ranking, com 11,5 processos.

As causas para o crescente aumento são incertas, porém, para a coordenadora da Procuradoria da Mulher no Senado, Rita Polli Rebelo, essa adição no número de violência doméstica contra mulher representa o empoderamento das mesmas, que agora sentem-se mais seguras para denunciar.

“ Com certeza, as mulheres agora sentem-se mais seguras para denunciar, o que justificaria este aumento (de registros). E agora temos mais preparo para receber estas mulheres que estão sofrendo ou sofreram algum tipo de violência doméstica. Nós temos, por exemplo, a Rede de Enfrentamento, onde as instituições e serviços governamentais, não-governamentais e a comunidade agem juntas para amparar as vítimas”, argumenta Rita.

A coordenadora ainda evidencia que uma redução no números de casos só será possível com uma co-responsabilidade entre os três poderes e a sociedade.

“As mulheres têm que denunciar para que façamos alguma coisa. E é preciso mais atenção dos poderes. Alguns Estados nem têm uma delegacia voltada para as mulheres. Se cada um fizer sua parte, eventualmente, vamos criando uma cultura de respeito em nosso país”, finaliza.

Histórico

A Lei n. 11.340, batizada de Maria da Penha, foi sancionada em 7 de agosto de 2006, para proteger as mulheres contra violências doméstica e familiar, podendo ser físicas ou psicológicas. A legislação abrange todos que se identifiquem com o sexo feminino, inclusive transexuais.

O nome da lei homenageia a farmacêutica cearense, Maria da Penha Maia Fernandes. Ela sofreu inúmeras agressões de seu marido, que, em uma das tentativas de matá-la, a deixou paraplégica. Maria recorreu à Justiça, mas a defesa do agressor apontava irregularidades no caso, o que mantinha o marido livre.

Com o apoio do Centro pela Justiça e o Direito Internacional (CEJIL) e o Comitê Latino Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (CLADEM), Maria da Penha encaminhou seu caso à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, onde o Brasil foi condenado por negligência, omissão e tolerância, tendo que reformular sua legislação para proteger as vítima de violência doméstica.

Entre as novidades implementadas pela lei estão as medidas protetivas para afastar o agressor da(s) vítimas; e a prisão do suspeito. Além disso, a violência doméstica passa a se tornar um agravante e aumentar a pena, em caso de condenação – que não pode mais ser substituída pelo pagamento de cestas básicas. Por fim, há também a disponibilização de auxílio financeiro para as vítimas, quando o agressor é o provedor da renda familiar.

Fonte: http://www.destakjornal.com.br

3 ago 2018

Temer usa Caixa e BB para patrocinar reforma

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O IBEC (Instituto Brasileiro de Ensino e Cultura), em parceria com a Comissão de Trabalho, promove uma série de seminários a favor dos retrocessos e da retirada de direitos, o chamado “Projeto Articulação Política Pelo Emprego – Jornadas Brasileiras de Relações do Trabalho” e, para piorar, patrocinados pelo dinheiro público da Caixa e Banco do Brasil. O governo ainda não se cansou de tentar convencer os brasileiros de que a reforma trabalhista veio para criar empregos e não retirar direitos, além de diminuir a qualidade do trabalho.

Só da Caixa foram R$ 300 mil em patrocínio de eventos, já o Banco do Brasil confirmou repasse via BB Seguros, mas se nega a divulgar os valores. As informações foram solicitas via Lei da Transparência (12.527/2011), pela Fetec-CUT-PR (Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná).

É triste perceber que bancos que deveriam se ater ao fomento de políticas sociais que beneficiem toda a sociedade, sejam usados para financiar interesses privados, considerando que a reforma trabalhista em nada beneficia os trabalhadores, apenas os empresários.

Fonte: O Bancário