14 dez 2018

Na Caixa, adesão ao PDE supera expectativa

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Com a proximidade do início do governo Bolsonaro, aumenta a tensão entre os empregados das estatais. A expectativa não é nada animadora e, justamente por isso, na Caixa, a adesão ao PDE foi acima do esperado. Em apenas quatro dias, 1.685 se inscreveram no Programa de Desligamento de Empregados.

Pelas regras, 1.626 serão contemplados. Foi a primeira desde que o banco começou a abrir os planos de demissão que o número de adesão superou as expectativas. Não há dúvidas. O número já é resultado do governo que nem começou.

A Caixa está na mira de privatização e ninguém faz mais questão de esconder. O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, deu diversas declarações à grande mídia sobre a intenção em vender as estatais. Não é a toa que o presidente do banco será Pedro Guimarães, um “expert” em privatizações.

Os rumores é de que primeiro a empresa seria transformada em Sociedade Anônima, fatiada, para posteriormente ser vendida. Os caminhos para isso estão sendo abertos. Agências foram fechadas, setores estratégicos extintos, política de juros mudada e o quadro de pessoal reduzido.

E não acaba por aí. Outros programas de desligamentos podem acontecer em 2019, elevando ainda mais a sobrecarga de trabalho nas agências e deixando os empregados vulneráveis a doenças. Realmente, um retrocesso.

Fonte: O Bancário

14 dez 2018

Centrais sindicais denunciam o governo à OIT

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A CTB e demais centrais sindicais denunciaram o governo à OIT (Organização Internacional do Trabalho) pelo descumprimento da Convenção 151, que trata das relações de trabalho, da liberdade sindical e da negociação coletiva no setor público.

A Convenção 151 foi ratificada pelo Brasil durante o governo Lula, mas não foi implementada. Até hoje, por exemplo, os servidores públicos não têm direito a negociação coletiva. Diante dos ataques às empresas estatais, é imprescindível fazer uma frente de resistência para defender o trabalhador e a organização sindical.

As centrais, federações e sindicatos elaboraram documento, cujo objetivo é que o Brasil seja notificado pelo não cumprimento de mais uma cláusula internacional.

A denúncia também chama a atenção para os ataques contra o movimento sindical. “O que se verifica na atualidade é uma articulação institucional para restringir a liberdade sindical no setor público, seja pelas restrições ao exercício do direito de greve, seja pela limitação à negociação coletiva que culminou com o veto do PL nº 3.831/2015. Isso é o que se denuncia nesta Queixa”, diz o documento.

Fonte: O Bancário

14 dez 2018

Inscritos no Mais Médicos não se apresentam

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A saída dos médicos cubanos do programa Mais Médicos continua a produzir efeitos que prejudicam milhões de brasileiros, sobretudo os mais carentes. Há um dia do prazo cerca de 45% dos inscritos não se apresentaram para assumir as vagas – a imensa maioria no interior do país.

Na Bahia, 42% dos profissionais não compareceram até quarta-feira (12/12). Em números, das 853 vagas disponíveis, somente 491 foram preenchidas até o momento, o que quer dizer que milhões de pessoas podem ficar sem assistência à saúde básica.

O prazo para apresentar toda documentação termina nesta sexta-feira (14/12). Criado pela ex-presidente Dilma Rousseff, em 2013, o Mais Médicos ampliou a assistência à saúde básica, sobretudo no interior do país, carente de profissionais.

Ao todo, 8.400 médicos cubanos participavam do programa prestando atendimento de qualidade a cerca de 63 milhões de brasileiros. Não é a toa que em centenas de cidades os moradores prestaram muitas homenagens aos profissionais, inclusive com carreata e faixas de agradecimento. Sem eles, 2.824 cidades e 34 distritos indígenas foram afetadas.

Fonte: O Bancário

14 dez 2018

Legislação trabalhista pode ficar bem pior

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

“Não há nada tão ruim que não possa piorar”. O ditado popular cai muito bem para a lei trabalhista que, se depender de Jair Bolsonaro, pode ser ainda mais cruel ao trabalhador brasileiro.

O presidente eleito reafirmou, em reunião com parlamentares do DEM, que quer mais mudanças na legislação trabalhista, a fim de aproximá-la da “informalidade”. Na prática, quer dizer que o cidadão vai perder mesmo todos os direitos. Bolsonaro voltou a dizer que “ser patrão no Brasil é um tormento”.

Não é de hoje que o presidente eleito dá sinais de que pretende aprofundar a política neoliberal iniciada por Temer. Na campanha, sob a tutela de Paulo Guedes, que a partir de 1º de janeiro será ministro da Economia, já tinha discurso ultraliberal. Agora, quer colocá-lo em prática, inclusive com críticas ao 13º salário e promessa de privatização das estatais brasileiras.

Lei trabalhista

Em vigor desde novembro de 2017, a reforma trabalhista alterou mais de 100 pontos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Entre as mudanças, a de que acordos coletivos podem prevalecer sobre a legislação em vários casos, a instituição do trabalho intermitente e a limitação do acesso do trabalhador à Justiça do Trabalho.

Fonte: O Bancário

14 dez 2018

Clonagem de cartão no topo das fraudes

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Estima-se que, em média, 7,8 milhões de brasileiros foram vítimas de vários tipos de golpes financeiros nos últimos 12 meses. As ocorrências mais frequentes estão ligadas à clonagem de cartões de crédito (41%), segundo a CNDL (Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas) e o SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito).

Outros mais comuns envolvem uso indevido do nome para contratação de empréstimos (12%), falsificação de documentos para abertura de crediário (10%) e pagamentos de boletos falsos representam 10% dos casos. Há também as ocorrências de pessoas que tiveram o cartão de débito clonado (7%), falsificação de cheque (7%) e clonagem de placa de veículo (7%).

Os bancos e instituições deveriam ser mais exigentes na verificação de autenticidade das documentações para certos tipos de transações, a fim de coibir as fraudes cada vez mais frequentes.

Os consumidores que sofrem estes tipos de golpes afirmam que, além dos prejuízos financeiros e constrangimento, o tempo que os processos burocráticos levam pra serem resolvidos é muito longo. Ainda reclamam que comprovar que não realizou a compra e resolver uma possível negativação do CPF demoram ainda mais.

Fonte: O Bancário

14 dez 2018

Para CEE/Caixa, resistir é a palavra de ordem

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A Comissão Executiva dos Empregados da Caixa planeja, para 2019, uma frente de resistência aos ataques ao banco 100% público e aos direitos dos trabalhadores.

Um ofício será enviado à direção da Caixa e ao Conselho Deliberativo da Funcef que ratifica a resolução do Conecef contrária à mudança do estatuto da Fundação.

O estatuto em vigor determina a paridade e democratização na gestão da Funcef. A alteração tem sido conduzida sem transparência e com propostas que ameaçam os direitos dos trabalhadores.

Outra mobilização será intensificada. É contra a CGPAR 25, resolução publicada este mês que, entre outros prejuízos, retira o poder dos participantes na gestão dos planos e deixa a responsabilidade nas mãos da patrocinadora.

Sobre o Saúde Caixa, os representantes dos empregados reforçam a necessidade de instalação imediata dos Comitês por base Gipes e Repes do plano de saúde. Também reafirmam a importância da articulação do Conselho de Usuários com o Grupo de Trabalho.

Como não podia ser diferente, a CEE, reunida nesta terça e quarta-feira (11 e 12/12), em Brasília, reafirmou a defesa da Caixa 100% pública. Será realizado um seminário em janeiro, com participação de entidades sindicais e da sociedade civil. Será retomada ainda a campanha em defesa dos bancos públicos.

Fonte: O Bancário

14 dez 2018

Copom atende bancos e favorece desemprego

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A decisão da Copom (Comitê de Política Monetária) não favorece a retomada do crescimento do país. A manutenção da Selic em 6,5% dificulta a retomada de geração de emprego, em benefício apenas dos banqueiros.

Com cerca de 13 milhões de desempregados, o Brasil possui uma das mais altas taxas tributárias do mundo. O estudo realizado pela Infinity Asset Management avaliou 40 economias em diferentes continentes, onde 26 países têm taxas de juros reais negativa. O Reino Unido, por exemplo, tem taxa negativa de -2,24%, enquanto na Alemanha, de -1,92%. Nos Estados Unidos, a taxa é negativa de -1,06%. Já no Brasil, a taxa se mantém acima dos 3%. Índice muito alto e que inibe o interesse de investimentos.

O presidente da CTB, Adilson Araújo, “reitera que para retomar o crescimento com geração de emprego e distribuição de renda de forma efetiva, reduzir os juros reais, ampliar os investimentos públicos e privados, é fundamental fortalecer o papel indutor de fomento do Estado”.

Fonte: O Bancário

14 dez 2018

Emissões globais de gases estufa aumentam

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Após três anos de estabilização, as emissões de gases de efeito estufa voltaram a subir em 2017, segundo o relatório da Organização das Nações Unidas. Os níveis atingidos foram históricos, de 53,5 gigatoneladas de gás carbônico equivalente. Os cientistas fazem o alerta de que, até o fim do século, se a situação continuar, a temperatura global poderá subir pelo menos 3º Celsius (º C).

Diante do panorama, o relatório aponta que os países devem triplicar os esforços para chegar à meta de manter o aquecimento global até 2030 abaixo de 2º C ou quintuplicar as iniciativas para limitar o aumento da temperatura abaixo de 1,5° C, conforme prevê o Acordo de Paris.

A situação é difícil. Somente 57 países estão no caminho para atingir a meta em 2030. No caso do Brasil, a meta ratificada pelo governo determina que até 2025 as emissões de gases de efeito estufa caiam para 37% em relação a 2005, ano em que o país emitiu cerca de 2,1 bilhões de toneladas de gás carbônico (CO2). Para 2030, o objetivo é que a redução seja de 43%.

Fonte: O Bancário

12 dez 2018

Crise eleva número de afastamento do trabalho

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

As doenças psicossociais têm aumentado no país. Como consequência, sobe também o número de afastamentos do mercado de trabalho. Segundo o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), nos primeiros noves meses deste ano, foram concedidas 8.015 licenças para tratamento de transtorno mentais e comportamentais adquiridos no ambiente laboral, alta de 12% em relação a 2017.

O diretor técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Clemente Ganz Lúcio, faz a relação da elevação da ocorrência de doenças mentais como resultado da crise econômica que aflige o país, do desemprego, além dos impactos do uso intensivo de tecnologia no trabalho.

No ambiente laboral, a saúde dos trabalhadores têm sido afetada por conta do medo, do estresse e da ansiedade. Prova disso é que o número de consultas psiquiátricas cobertas pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), subiu de 2,9 milhões para 4,5 milhões anuais entre 2012 e 2017.

Fonte: O Bancário

12 dez 2018

Direitos Humanos são deixados de lado o país

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Os casos de violência e discriminação preocupam, principalmente no atual momento de retrocessos vivido no Brasil, onde muitas vezes os direitos humanos são deixados de lado. O país registra em torno de 153 assassinatos por dia e 71,5% dos crimes são motivados pelo racismo, segundo Atlas da Violência de 2018.

Ao ignorar leis que tornam a liberdade, educação, segurança e igualdade social direitos obrigatórios a todos, diversos aspectos desandam e são alarmantes, como as ocorrências de preconceito e discriminação. Levantamento do Grupo Gay da Bahia aponta que a cada 19 horas, uma pessoa é morta vítima de lgbtfobia. O Brasil ainda possui a 5ª maior taxa de feminicídio no mundo.

Além da violência, outro fator que preocupa é que 55 milhões de brasileiros vivem na pobreza, segundo dados do IBGE em 2018, e 2,5 milhões de crianças e adolescentes não estão matriculadas em escolas. Absurdo.

Os dados confirmam a necessidade de lembrar o Dia Internacional dos Direitos Humanos, comemorado nesta segunda-feira, 10 de dezembro. A data alerta a importância de o governo adotar políticas públicas e leis para punir efetivamente o descumprimento da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completa 70 anos este mês.

Fonte: O Bancário