5 nov 2019

Desempenho da indústria brasileira é muito pífio

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Desempenho da indústria brasileira é muito pífio]

O cenário de produção da indústria brasileira não tem gerado expectativas para o desenvolvimento econômico do país. Só neste ano, o setor já acumulou uma queda de 1,4%.


Os impactos negativos foram observados em diversos setores, como na impressão e reprodução de gravações (-28,6%), indústrias extrativas (-1,2%), máquinas e equipamentos (-2,8%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-4,6%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-0,8%) e produtos do fumo (-7,7%). Sem falar nos bens de capital, isto é, nas máquinas e equipamentos, que tiveram uma queda de 0,5%.


O quadro negativo não é nada menos do que o reflexo dos problemas estruturais enfrentados pelo governo Bolsonaro, que insiste em apostar nos setores de países externos, e minimizar o interesse competitivo para os da casa. 


Além disso, os resultados também se relacionam com o baixo consumo entre os brasileiros, que tem caído devido à falta de oportunidade no mercado de trabalho. Prova disso é que já são mais de 12 milhões de pessoas na fila de espera por uma vaga de trabalho.

Fonte: O Bancário

[Liberação de veneno é a maior da história do país]

Nunca, na história do país, se liberou tanto veneno para o plantio dos alimentos que chegam à mesa do brasileiro. Até outubro, o governo Bolsonaro autorizou a utilização de 382 novos agrotóxicos nas lavouras. Um risco à saúde.


Não são só os pesticidas que contaminam e prejudicam a qualidade do que se está consumindo. Os transgênicos – feitos em laboratórios por meio de técnicas artificiais – também estão sendo produzidos em larga escala. 


Cerca de 22 novas plantas geneticamente modificadas foram liberadas até setembro. O dobro da média anual desde o golpe jurídico-midiático-parlamentar de 2016. Os dados deixam claro a negligência do governo Bolsonaro com a saúde do brasileiro. 


Os agrotóxicos e os alimentos transgênicos prejudicam cada vez mais a saúde dos brasileiros, provocando doenças e danos ambientais incalculáveis. Segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), os pesticidas estimulam diversos tipos de doenças, inclusive a incidência de câncer, malformações congênitas, e uma série de outras que vão desde distúrbios do sistema nervoso central e até o digestivo. Uma lástima.

Fonte: O Bancário


Contraf-CUT pediu reunião com o banco para esclarecimentos sobre fechamento de agências e situação dos bancários

Poucas horas depois de divulgar um lucro de mais de 19 bi nos primeiros meses de 2019, o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, anunciou que irá fechar 450 agências até o ano que vem.

De acordo com matérias publicadas na grande imprensa, o banco precisa melhorar suas despesas operacionais, que estão acima da meta estabelecida para 2019, e que está tomando medidas para isso – além do programa de demissão voluntária (PDV), com adesão de mais de 3 mil funcionários. A Confederação Nacional do Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) já enviou um ofício ao banco solicitando informações sobre o fechamento de agências e a situação dos bancários e uma reunião para tratar do assunto.

Depois de fechar 50 agências até setembro, o Bradesco espera encerrar mais 100 unidades ainda este ano. Mais de 300 devem ser descontinuadas em 2020, conforme Lazari. Os fechamentos de agências ocorrerão em todo o Brasil e não há, segundo ele, uma região específica. Ao fim de setembro, o Bradesco contava com 4.567 agências.

“É lamentável que, mesmo com lucro crescente, a decisão do banco seja a retirada de emprego. Este é um dos pontos prioritários da nossa minuta de reivindicações, a garantia de emprego”, afirmou Magaly Fagundes, coordenador da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco.

Fonte: Contraf


Banco terá que pagar indenização de R$ 30 mil por danos morais; banco é reincidente no desrespeito aos trabalhadores

A 2ª Vara do Trabalho de Porto Velho/RO (TRT 14) condenou o Santander a reintegrar, imediatamente, um bancário com doença ocupacional, ocasionada pelas atividades exercidas no banco. O bancário tinha sido demitido no dia 5 de agosto de 2019. A decisão também impôs ao banco o pagamento de indenização no valor de R$ 30 mil a título de danos morais. Em caso de descumprimento da decisão, o banco está sujeito à multa diária de R$ 1 mil.

A sentença confirma a antecipação de tutela que já havia determinado a reintegração. O bancário trabalha há mais de 30 anos no banco, exercendo inúmeras funções bancárias, tempo que o tornou portador de síndrome do manguito rotador, síndrome do túnel do carpo, epicondilite lateral e medial bilateralmente, informa o Sindicato dos Bancários de Rondônia em nota publicada em seu site.

“Portanto, reputo configurado o nexo entre as enfermidades da parte obreira e as condições de trabalho, atribuindo à reclamada a culpa por elas, razão pela qual torno definitiva a decisão em antecipação de tutela que determinou a reintegração do trabalhador aos serviços, declarando, por conseguinte, nula a sua dispensa em 05/08/2019, nos termos do artigo 9º da CLT. A reclamada deverá pagar salários vencidos e vincendos e todas as demais parcelas legais e provenientes de normas autônomas (ACT/CCT) relacionadas ao vínculo de emprego ora restabelecido. Além disso, em decorrência, determino que a parte obreira seja lotada na empresa bancária em setor que permita sua readaptação e recuperação da saúde, devendo a reclamada se abster de atribuir ao trabalhador atividade que implique em “atividades com sobrecarga de movimentos repetitivos em membros superiores”, menciona o magistrado em sua sentença.

Reincidência

“O banco é reincidente nestes casos. Isso demonstra que a instituição não reconhece devidamente os esforços que seus funcionários realizam no desempenho de suas funções”, observou o secretário de Assuntos Socioeconômicos e representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) nas negociações com o Santander, Mario Raia. “Isso é lamentável. Faz com que, muitos funcionários, com medo de serem demitidos, continuem trabalhando mesmo não tendo condições de trabalho”, criticou o dirigente.

No dia 22 de outubro, agências do Santander de Campos de Goytacazes, no Rio de Janeiro, tiveram suas atividades parcialmente paralisadas pelo sindicato dos bancários local, em protesto pela demissão de funcionário que está com a mãe internada, em coma, faz três meses. O banco alegou baixa produtividade.

Dias antes (16/10), na Paraíba, o banco havia sido obrigado a reintegrar bancária demitida no dia do retorno ao trabalho, após afastamento para tratamento de lúpus.

“São muitas ocorrências em diversas partes do país. O banco já foi até condenado a pagar indenização de R$ 274 milhões por dano moral coletivo, por exigir o cumprimento de metas abusivas, que elevaram o índice de adoecimento mental em função do trabalho”, lembrou Mario Raia. “Mas, mesmo sendo multado, o banco não se corrige. A prática continua sendo comum. As leis e os trabalhadores brasileiros parecem não valer nada para o banco espanhol. Pensam que podem fazer o que quiserem aqui”, completou o dirigente da Contraf-CUT.

Fonte: Contraf-CUT

Itaú (Foto: REUTERS/Sergio Moraes)

ITAÚ (FOTO: REUTERS/SERGIO MORAES)

No contínuo processo dedigitalização dos bancos, o Itaú Unibanco vai fechar 400 agências até o finaldeste ano. Além disso, 3,5 funcionários da instituição aderiram ao programa de demissão voluntária anunciado em setembro. O presidente do Itaú, CandidoBracher, disse durante teleconferência de resultados do terceiro trimestre queas agências fechadas estão a menos de 500 metros de outras agências e nãoimpactam o atendimento aos clientes. Em relação ao programa de demissões, 50%dos funcionários que estavam elegíveis para o desligamento aderiram, gerando umefeito de R$ 2,4 bilhões nos números do banco neste trimestre, antes deimpostos.

O banco anunciou lucro líquido de R$ 7,1bilhões no terceiro trimestre deste ano, um crescimento de quase 11% em relaçãoao mesmo período do ano passado.

— O fechamento de agências não impacta oatendimento ao público, tanto que temos crescimento do índice de satisfação dosclientes. É claro que as agências próximas umas das outras vão se esgotando e adecisão de fechar daqui para a frente vai requerer uma análise mais profunda.Mas não digo que não vai acontecer — afirmou Bracher. 

O Bradesco também anunciou duranteapresentação de resultados do terceiro trimestre que planeja fechar 450agências até o final do ano que vem como forma de reduzir despesas.

Entre os fatores que contribuíram para oaumento do lucro está o crescimento da carteira de crédito, que apresentouexpansão de 8,3% no período, refletindo o cenário de gradual retomada daeconomia. O crédito a micro, pequenas e médias empresas teve expansão de 24,5%,enquanto a tomada de crédito por pessoas físicas teve aumento de quase 15%.

Bracher disse que a aprovação da reformada Previdência já trouxe uma mudança de humor entre os investidores e omercado. Ele afirmou que depois da aprovação, a equipe econômica do bancorevisou o cenário de crescimento da economia para 2020 de cerca de 1,8% para2,2%.

— Acreditamos que esse crescimento serámais vigoroso nos próximos anos, e não um voo de galinha. Há elementos paraeste crescimento ser mais prolongado — afirmou.

Em relação às operações do banco noChile, Milton Maluhy Filho, vice-presidente executivo, e que até o ano passadoestava à frente do Itaú Chile, disse que os protestos naquele país nãoimpactaram os números do banco. Segundo ele, a estratégia de digitalização dasoperações permitiu que os clientes operassem pelos canais digitais, apesar defechamento e de impacto em algumas agências.

Em relação às operações na Argentina,onde o candidato da esquerda Alberto Férnandez foi eleito, Bracher disse que oItaú, apesar de estar há muitos anos no país vizinho, sempre teve uma operaçãopequena naquele devido aos altos e baixos da economia.

— Nunca nos encorajamos a crescer naArgentina por conta da alternância dos períodos de crescimento e depressão daeconomia. Vamos esperar e ver como as coisas vão evoluir para ver queritmo vamos impor à nossa operação lá. Por ora, estamos olhando — disseBracher.


(Foto: Alan Santos/PR | Reprodução)

Por Fernando Brito, do Tijolaço – Embora a lista de presença da Câmara dos Deputados no dia 14 de março, data em que teria se dado a “visita” de Élcio de Queiroz ao condomínio onde mora Jair Bolsonaro para buscar o ex-PM Ronnie Lessa para assassinar a vereadora Marielle Franco, aquela sessão foi encerrada, sem votações que comprovassem a presença de deputados no plenário.

Naquele dia 14 de março do ano passado, Jair Bolsonaro havia comprado dois bilhetes aéreos com destino ao Rio, ambos pela Gol: um o de código WQ2GUH, com destino ao Santos Dumont. Outro, de código YG3JQI, dirigindo-se ao Galeão. O do Santos Dumont, no dia seguinte, foi estornado, possivelmente por nãoter sido usado.

Portanto, o nosso “capitão-presidente” pode, facilmente, provar que não viajou para o Rio em horário compatível com o de ter sido identificado pelo porteiro como o “seu Jair” que deu ordem de entrada ao motorista do assassinato. Basta pegar um extrato do seu cartão de fidelidade com o número do vôo em que pontuou.

Simples assim.

Melhor que culpar seu ex-aliado Wilson Witzel, a que atacou lá da Arábia:

— Esse processo está em segredo de justiça. Como chega na Globo? Quem vazou para a Globo? Segundo a (revista) Veja, quem vazou foi o seu governador Witzel. Ele que explique. O que cheira isso aqui? O que parece? Que ou o porteiro mentiu ou induziram o porteiro a produzir falso testemunho. Ou escreveram algo no inquérito que ele não leu e assinou embaixo em confiança ao delegado ou a aquele que foi ouvi-lo na portaria.

Essa briga do Bolsonaro com a Globo me parece o que o velho Brizola falava da luta entre “o Demônio e o Coisa-Ruim”, onde o Inferno sempre vencia.

Mas parece que, desta vez, um dos dois vai terminar cheirando a enxofre.

Fonte: Brasil 247

30 out 2019

Porteiro pode ter ligado para celular de Bolsonaro

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

247 – A Polícia Civil do Rio de Janeiro quer saber para que número o porteiro do condomínio Vivendas da Barra telefonou em 14 de março do ano passado, data em que foi cometido o assassinado da então vereadora do Rio Marielle Franco. No condomínio mora Jair Bolsonaro. Porteiros ligarem diretamente para moradores em condomínios da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, tem sido uma prática normal por conta da diminuição do uso do telefone fixo.

De acordo com reportagem veiculada pelo Jornal Nacional, porteiro do condomínio contou à polícia que, horas antes do assassinato, o outro suspeito do crime, Élcio de Queiroz, entrou no local e disse que iria para a casa de Bolsonaro, na época deputado federal. Os registros de presença da Câmara dos Deputados mostram que o então parlamentar estava em Brasília no dia.

O ocupante do Planalto acionou Moro para que o porteiro seja ouvido pela Polícia Federal (leia mais aqui).

Fonte: Brasil 247

247 – Jair Bolsonaro afirmou que está conversando com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ségio Moro, para que o porteiro de condomínio onde o ocupante do Planalto mora no Rio de Janeiro seja ouvido pela Polícia Federal na investigação que apura a morte da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL). Bolsonaro também ameaça da Globo com retaliações depois da revelação do testemunho do porteiro e cobra do Jornal Nacional “direito de resposta”. A ação de Bolsonaro é ilegal. Um presidente não tem o direito de interferir numa investigação da PF – o objetivo é claramente acuar o porteiro, cujo nome não foi revelado. 

“O porteiro ou se equivocou, ou não leu o que assinou. Pode o delegado [da Polícia Civil] ter escrito o que bem entendeu e o porteiro, uma pessoa humilde, né, acabou assinando embaixo. Isso pode ter acontecido. Estou conversando com o ministro da Justiça, o que pode ser feito para a gente tomar, para a polícia pegar o depoimento novamente. O depoimento agora desse porteiro pela PF”, declarou.

O condomínio Vivendas da Barra, onde Bolsonaro mora, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, é o mesmo onde vivia o policial militar reformado Ronnie Lessa. Ele é apontado pelo Ministério Público e pela Polícia Civil como o autor dos disparos que mataram Marielle e Anderson.

De acordo com revelações feita pelo Jornal Nacional, porteiro do condomínio contou à polícia que, horas antes do assassinato, em 14 de março de 2018, o outro suspeito do crime, Élcio de Queiroz, entrou no local e disse que iria para a casa do então deputado Jair Bolsonaro. Os registros de presença da Câmara dos Deputados mostram que o então parlamentar estava em Brasília no dia.

Élcio Vieira de Queiroz é o mesmo havia postado no Facebook uma foto ao lado de Bolsonaro, que aparece com o rosto cortado na foto.

Bolsonaro disse que está “aguardando a TV Globo ter a dignidade” de convidá-lo para uma entrevista ao vivo no Jornal Nacional, para esclarecer menção a seu nome na investigação que apura a morte de Marielle em março de 2018.

“Aguardo a TV Globo me convidar para o horário nobre do Jornal Nacional falar sobre o caso Marielle no conjunto onde eu moro”, declarou, ao sair do hotel em Riad, capital da Arábia Saudita, onde está hospedado.

Segundo as investigações, o assassinato de Marielle Franco tem ligação com o crime organizado. Ativista de direitos humanos, a ex-vereadora denunciava a truculência cometida por policiais nas favelas e atuação de milícias. 

Os criminosos cometeram o crime em um lugar sem câmeras. Antes, havia perseguido o carro de Marielle por cerca e quatro quilômetros. 

Fonte: Brasil247

247 – Após um porteiro do Condomínio Vivendas da Barra citar Jair Bolsonaro nas investigações sobre o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL), o jurista e professor de Direito Constitucional da PUC-SP, Pedro Serrano, considera que, se o ocupante do Planalto insistir em pedir ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, acione a Polícia Federal para ouvir o porteiro que o envolveu no caso ele estará sujeito a impeachment. Em entrevista à Forum, Serrano afirmou que Bolsonaro estaria incorrendo em “crime de responsabilidade, além dos crimes comuns da conduta, o que significa que ele vai estar sujeito a impeachment, isso porque a conduta é grave e dolosa”. Políticos, juristas e jornalistas advertem: ação é ilegal e representa coação de testemunha e obstrução de justiça.

“O que me preocupou”, disse Serrano, “foi o fato de Bolsonaro ter declarado hoje (30) que pediria ao Moro que acionasse a Polícia Federal para ouvir o porteiro, porque ele, obviamente, estaria enganado”. Para o jurista, o fato demonstra, “primeiro a tentativa de usar a Polícia Federal para fins privados de defesa e, segundo, para obstaculizar a investigação da Polícia Civil do Rio de Janeiro”.

“Se ele realmente fizer isso, sair da cogitação e passar a realizar isso, acho que pela primeira vez, desde do começo do mandato, nós vamos ter, plenamente caracterizado, um crime de responsabilidade, além dos crimes comuns da conduta, o que significa que ele vai estar sujeito a impeachment, isso porque a conduta é grave e dolosa”, afirmou, para quem a revelação da denúncia do porteiro “não é caso para prisão preventiva. Este é um tipo de instituto que deve ser usado para situações muito radicais”.

De acordo com revelações feitas pelo Jornal Nacional, na terça (29), o porteiro contou à polícia que horas antes do crime, em 14 de março, o ex-militar Elcio Queiroz chegou de carro ao condomínio e disse que iria para a casa do então deputado Jair Bolsonaro. Depois Queiroz e o policial militar reformado Ronnie Lessa saíram juntos do local. Os dois, que estão presos, foram apontados pelo Ministério Público (MP-RJ) e pela Polícia Civil como os assassinos de Marielle.

Confira as reações à iniciativa de Bolsonaro de acionar Sérgio Moro:

Juliano Medeiros@julianopsol50

Como assim? O presidente vai acionar Ministro da Justiça para tomar um depoimento do porteiro? Mas desde quando o MJ tem poderes para isso? Aparelhamento descarado, tentativa de intimidação. Apoiamos a continuidade das investigações por parte do MP/RJ sem interferências externas.3.26308:09 – 30 de out de 2019Informações e privacidade no Twitter Ads773 pessoas estão falando sobre isso

Paulo Teixeira@pauloteixeira13

OBSTRUÇÃO DE JUSTIÇA @jairbolsonaro comete novo crime ao tentar intervir em investigação e chamar o super ministro para limpar sua barra no caso da morte de Marielle Franco. E @SF_Moro hein? Que papel ridículo: de juiz justiceiro, a advogado de presidentehttps://www.bbc.com/portuguese/brasil-50232712?ocid=socialflow_facebook …Bolsonaro aciona Moro para ouvir porteiro que o associou a suspeito de morte de Marielle”Estou conversando com o ministro da Justiça para a gente tomar, via Polícia Federal, um novo depoimento desse porteiro pela PF para esclarecer de vez esse fato, de modo que esse fantasma que querem…bbc.com2.63308:12 – 30 de out de 2019 · Brasília, BrazilInformações e privacidade no Twitter Ads1.022 pessoas estão falando sobre isso

Marcelo D2@Marcelodedois

Bolsonaro e Moro vão sentar com o porteiro pra resolver esse “mal entendido”! Muito mafioso isso pqp

Bolsonaro aciona Moro para ouvir porteiro que o associou a suspeito de morte de Marielle – BBC News Brasil https://www.bbc.com/portuguese/brasil-50232712 …Bolsonaro aciona Moro para ouvir porteiro que o associou a suspeito de morte de Marielle”Estou conversando com o ministro da Justiça para a gente tomar, via Polícia Federal, um novo depoimento desse porteiro pela PF para esclarecer de vez esse fato, de modo que esse fantasma que querem…bbc.com11,2 mil07:25 – 30 de out de 2019Informações e privacidade no Twitter Ads2.995 pessoas estão falando sobre isso

Chico Alencar@50ChicoAlencar

Bolsonaro pede a Moro que PF ouça porteiro do condomínio onde ele e suposto assassino de Marielle e Anderson moram. Pressão? Só em ditaduras há esse tipo de ordem, atropelando a Justiça. O homem tá tresloucado!2.43007:14 – 30 de out de 2019Informações e privacidade no Twitter Ads502 pessoas estão falando sobre isso

Talíria Petrone@taliriapetrone

Bolsonaro disse que acionará Moro para a Polícia Federal tomar novo depoimento do porteiro.

O presidente quer influenciar as investigações e intimidar uma testemunha? Naquela ocasião ele não era presidente e precisa dar respostas objetivas à justiça.

#QuemEstavaNaCasa583.15508:23 – 30 de out de 2019Informações e privacidade no Twitter Ads802 pessoas estão falando sobre isso

Kennedy Alencar@KennedyAlencar

Bolsonaro e Moro não podem acionar a PF como se ela fosse uma polícia política. É assim que o presidente quer usar a Polícia Federal quando diz estar conversando com o ministro da Justiça sobre tomar um depoimento do porteiro.4.77508:19 – 30 de out de 2019Informações e privacidade no Twitter Ads1.247 pessoas estão falando sobre isso

Marcelo Semer@marcelo_semer

O suspeito determinando passos da investigação. Por muito menos, autoridades foram afastadas de seus cargos: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/10/30/bolsonaro-quer-ir-ao-jn-e-volta-a-criticar-witzel-por-suposto-vazamento.htm …Bolsonaro aciona Moro para porteiro prestar depoimento à Polícia FederalO presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou hoje estar conversando com o ministro da Justiça…noticias.uol.com.br2.11808:23 – 30 de out de 2019Informações e privacidade no Twitter Ads820 pessoas estão falando sobre isso

Paulo Pimenta@DeputadoFederal

Bolsonaro aciona Moro para porteiro prestar depoimento à Polícia Federal – 30/10/2019 – UOL Notícias – Escárnio https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/10/30/bolsonaro-quer-ir-ao-jn-e-volta-a-criticar-witzel-por-suposto-vazamento.htm …Bolsonaro aciona Moro para porteiro prestar depoimento à Polícia FederalO presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou hoje estar conversando com o ministro da Justiça…noticias.uol.com.br

Fonte: Brasil 247

[BB na mira da privatização, admite Rubem Novaes]

Se o brasileiro sonha em ver o país retomar o crescimento um dia, deve lutar diariamente em defesa das estatais. Essas empresas são responsáveis por políticas públicas que garantem investimentos nas mais diversas áreas, desde educação e saúde até agricultura e infraestrutura. Mas, o governo não está interessado em proteger o patrimônio nacional e deixa claro isso.


O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, afirmou, em palestra para empresários, que a privatização da instituição será inevitável em algum momento. Um sinal do que pode vir por aí muito em breve.


Segundo ele, o posicionamento não reflete o governo. Mentira. Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse, em visita a investidores nos Estados Unidos, que quer entregar tudo o que for possível. Pouco tempo depois anunciou uma lista de privatizações com 17 estatais.       


Rubem Novaes destacou que o controle do BB pelo Estado impõe amarras que dificultam a competição do BB no mercado. Não para por aí. Ainda afirmou que os bancos privados podem substituir a instituição na agricultura. Uma visão estritamente mercadológica, que beneficia o grande capital privado, em detrimento da função social do banco público. 


Venda pelas beiradas
Na verdade, se analisada a gestão de Rubem Novaes, fica claro que a privatização do BB já começou. Só que pelas beiradas, para não chamar atenção. Recentemente, fechou parceria com a empresa suíça UBS, que ficará com mais de 50% do capital de investimento e corretora. O acordo deve ser assinado até o dia 7 de novembro.


Também está em tratativas com uma “grande empresa de administração de ativos internacional” para realizar parceria semelhante na área de gestão de ativos.

Fonte: O Bancário