17 dez 2019

BNB é fundamental para a região Nordeste

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[BNB é fundamental para a região Nordeste]

Na mira do governo Bolsonaro, o BNB até o fim de novembro deste ano, destinou R$ 35 bilhões para ações na região Nordeste. Deste valor, R$ 25 bilhões foram contratados com recursos do FNE (Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste).


A instituição financeira chega nas mais diversas áreas. Seja na urbana, por meio do Crediamigo ou na rural, através de programas como o Agroamigo e o Pronaf. Os números ajudam a comprovar a importância do banco para a região.


Em 11 meses, foram realizadas 519,3 mil operações de crédito nos 1.990 municípios onde o BNB atua. Além dos nove estados do Nordeste, tem ainda cidades no norte de Minas Gerais e no Espírito Santo. 


Em infraestrutura foram investidos R$ 8,5 bilhões, no comércio e serviços mais R$ 6,2 bilhões e agricultura, R$ 3,5 bilhões. Em seguida vem pecuária com recursos de R$ 3,4 bilhões, indústria (R$ 2,3 bilhões), turismo (R$ 448,1 milhões) e agroindústria (R$ 368,2 milhões).


O BNB ainda trabalha para alcançar a meta de aplicação R$ 27,7 bilhões orçados para o FNE em 2019. Os números são capazes de traduzir a importância do banco para região, como fomentador de desenvolvimento local. Por tudo isso, é fundamental defender a instituição. 

Fonte: O Bancário

12 dez 2019

Bancários barram MP 905 até dezembro de 2020

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Bancários barram MP 905 até dezembro de 2020]

Mais uma vitória importante para a categoria. Em reunião na terça-feira (10/12), em São Paulo, o Comando Nacional dos Bancários  arrancou da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) a assinatura de um aditivo à Convenção  Coletiva de Trabalho (CCT),  suspendendo os efeitos da Medida  Provisória 905/2019 na categoria até 31 dezembro de 2020.

Com o acordo fica garantido a manutenção da jornada  de seis horas de segunda a sexta-feira,  os pisos salariais estabelecidos na  CCT e que a PLR continuará sendo negociada com os sindicatos. Como é hoje, o trabalho aos sábados somente será permitido se houver negociação com o movimento sindical.

Este foi  o terceiro  encontro entre a Fenaban e o Comando desde  que o governo Bolsonaro editou a MP 905, no dia 11 de novembro,  aumentando a jornada de trabalho da categoria de 30 para 44 hora semanais, liberando a abertura dos bancos aos sábados e retirando a obrigatoriedade  das empresas negociarem com os sindicatos a participação nos lucros e resultados (PLR).

Desde a primeira reunião, no dia 14 de novembro, o Comando Nacional deixou claro que não aceitaria as  mudanças e conseguiu suspender a implementação da MP até o fim das negociações sobre o assunto.  No  segundo encontro, em 26 de novembro, a representação da categoria conseguiu arrancar dos bancos a manutenção da jornada, com folga aos sábados, além de assegurar a negociação da PLR com o movimento sindical, faltando apenas os ajustes na redução, a definição da validade e assinatura da aditiva, pontos acertados nesta terça- feira.

“A assinatura desta aditiva representa o grau de  organização  e  compromisso  com  a categoria nessas quase três décadas de CCT. Entretanto, é preciso derrotar a MP 905. A luta continua e neste esforço, é importante a participação da categoria. Esta não deve ser uma luta apenas do movimento sindical, mas um compromisso de todos os bancários e bancárias”, ressaltou o  presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, Hermelino Neto,  que integra o Comando Nacional e participou de todas as negociações com a Fenaban.

Estabilidade pré-aposentadoria

Outra questão tratada na reunião desta terça-feira,  foi a cláusula da estabilidade pré-aposentadoria  da Convenção Coletiva de Trabalho 2018/2020,  que foi atingidas pela reforma da previdência.  O Comando solicitou a prorrogação dos prazos  e os bancos ficaram de dar uma resposta sobre o assunto, entretanto houve sinalização positiva.

FonteFeebbase via O Bancário

12 dez 2019

Contra a privatização do saneamento básico

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Contra a privatização do saneamento básico]

A luta em defesa das empresas e serviços públicos ganhou reforço na terça-feira (10/12), na Câmara Federal. A Comissão de Legislativa Participativa integrou a mobilização que tem o intuito de impedir a votação do projeto de lei que altera o marco legal do saneamento básico no país. A medida permite a privatização das estatais do setor.


Como o texto é o único projeto da pauta da Câmara para esta semana, a intenção é barrar que seja votado ainda este ano. Na prática, a alteração do marco legal do saneamento básico visa abrir a possibilidade de privatização da água e dos serviços de saneamento. 
 

Caso o PL seja aprovado, pode ocasionar aumento de tarifas, perda do controle estatal sobre reservas e setores estratégicos, enfraquecimento da soberania, além de dificultar o acesso a bens e serviços públicos pela população. O momento é de mobilização total.

Fonte: O Bancário
 

12 dez 2019

Tem deputado querendo acabar com o 13º

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Tem deputado querendo acabar com o 13º]

Todo trabalhador aguarda o 13º. Seja para pagar as dívidas ou para poupar. Mas é bom se ligar, pois o salário extra que tanto desafoga o brasileiro corre risco. Um projeto de lei de autoria do deputado Lucas Gonzalez (Novo-MG), ligado à Bolsonaro, prevê o parcelamento do 13º em 12 vezes. 


Na prática, acaba com o benefício que perderia a finalidade. A justificativa do parlamentar é a mesma utilizada pelo governo para acabar com direitos dos trabalhadores. Para ele, o 13º “onera em demasia o empregador”. 


O salário extra é cláusula pétrea da Constituição. Ou seja, não pode ser extinto. Por isso, o deputado sugere o parcelamento. Importante destacar que o 13º não caiu do céu. Embora o benefício estivesse previsto na CLT desde 1943, poucas categorias recebiam até o início da década de 60. Somente em 1962, foi reconhecido em lei. 


Números 
A previsão é de que o 13º injete R$ 214 bilhões na economia neste ano. O valor representa 3% do PIB (Produto Interno Bruto). Mas, segundo o Dieese, a injeção no mercado interno poderia ser bem maior se o Brasil não tivesse batido recorde de informalidade – 38 milhões.

Fonte: O Bancário

12 dez 2019

Bancos são investigados por irregularidades

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Bancos são investigados por irregularidades ]

Bradesco, Caixa e Santander estão sendo investigados por conta de um suposto desconto indevido aos clientes. A suspeita é de que a prática esteja sendo realizada em conjunto com quatro seguradoras e cinco associações de aposentados. 


A hipótese é de que os bancos estejam usando o débito automático para cobrar seguros não contratados pelos clientes. Absurdo. O DPDC (Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor) informou que vai apurar o caso e que, se o consumidor não tiver contratado o serviço e mesmo assim foi cobrado, será caracterizado prática abusiva, prevista no Código de Defesa do Consumidor.


Caso sejam comprovadas as práticas indevidas, os bancos e as empresas envolvidas devem pagar uma multa de até R$ 9,9 milhões. O prazo para apresentar defesa é de 10 dias.

Fonte: O Bancário
 

12 dez 2019

Brasileiro não acredita na redução da inflação

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Brasileiro não acredita na redução da inflação]

Os brasileiros já sabem que com o ritmo capenga que a economia segue, o cenário só deve piorar. Em pesquisa realizada pelo Datafolha, 52% dos entrevistados consideram improvável haver uma redução da inflação nos próximos meses. Isso porque o IPCA (Índice de Preços de Consumidores) voltou a subir por conta de itens como carnes e combustíveis.


Na pesquisa anterior, realizada no fim de agosto, 46% afirmaram que a inflação iria subir. O número é bem maior se comparado aos 27% que esperavam pelo aumento nos preços em dezembro de 2018. O percentual de pessoas que acreditam na queda da inflação passou de 20%, em agosto, para 17%, em dezembro. Apenas 27% acreditam que ficará estável. Em agosto eram 30%.

Fonte: O Bancário

12 dez 2019

Mais de 1,2 milhão foram vítimas de violência

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Mais de 1,2 milhão foram vítimas de violência]

A violência contra a mulher no Brasil assusta.  Mais de 1,2 milhão sofreram com algum tipo de abuso no país entre 2010 e 2017. Milhares de casos terminaram com a morte da vítima. Embora o cenário seja preocupante, o governo federal negligencia. Pior. Estimula a violência. 


Os dados da Plataforma Evidências sobre Violências e Alternativas para Mulheres e Meninas traz dados ainda do México e da Colômbia. No vizinho da América do Sul um dado devastador: no ano passado, 71% das vítimas de violência sexual tinham menos de 14 anos. 


Sobre o México, o levantamento destaca que, em 2017, os companheiros foram responsáveis por 80% de todas as violências praticadas contra a mulher. Os dados são detalhados por idade, raça e tipo de instrumento utilizado.


A plataforma mostra também a evolução dos direitos humanos das mulheres e da igualdade de gênero, e explora a implementação de iniciativas de combate à violência contra mulheres. As informações foram divulgadas como parte da campanha de 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher.

Fonte: O Bancário

De autoria do deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), a Proposta de Emenda à Constituição número 196/2019 tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC), onde foi aprovado na quarta-feira (11) um requerimento de inclusão extra pauta da PEC, apresentada pelo deputado Paulinho da Força.

A PEC altera o Artigo 8º da Constituição e extingue a Unicidade Sindical. Embora seja apoiada pela cúpula de três centrais (CUT, Força Sindical e UGT), a proposta do parlamentar amazonense é rejeitada energicamente pela CTB, Nova Central, CSB e CGTB, assim como pelo Fórum Sindical dos Trabalhadores (FSM).

Conforme define resolução política aprovada na 21ª Reunião da Direção Executiva da CTB o pluralismo que Jair Bolsonaro pretende impor tem “o óbvio propósito de dividir, pulverizar e debilitar ainda mais o movimento sindical e o povo trabalhador, de modo a facilitar sua obra de destruição das conquistas e direitos da nossa classe. O momento exige um esforço redobrado para a sobrevivência e o fortalecimento das organizações sindicais, que caminham lado a lado com as conquistas e os direitos trabalhistas.”

Fonte: CTB

Ouça a cobertura da greve geral na França. Deflagrada por várias categorias, a paralisação por tempo indeterminado chega nesta quarta-feira ao 7º dia com manifestações em dezenas de cidades. Os grevistas exigem a retirada da proposta de reforma da Previdência do governo Macron, que sacrifica trabalhadores e trabalhadoras com regimes especiais de aposentadoria e introduz o sistema de capitalização.

O movimento atual lembra a greve geral de longa duração deflagrada pela classe trabalhadora em dezembro de 1995, que acabou derrubando o gabinete do primeiro ministro Alain Juppé e derrotando seu projeto de reforma da Previdência, que entretanto ainda continua frequentando os sonhos da burguesia e dos governos a ela alinhados, como é o caso do neoliberal Macron, que preside a França 24 anos depois do fracassado Juppé e parece não ter compreendido bem a lição.

É alarmante o contraste entre a reação enérgica do proletariado francês à iniciativa reacionária do governo neoliberal de Macron e a relativa passividade com que a classe trabalhadora brasileira engoliu a mudança nas regras da aposentadoria proposta pela dupla Bolsonaro/Guedes e aprovada no Congresso.

Conforme observou, em nota, o presidente da CTB, Adilson Araujo, “a greve geral atesta o imenso poder da classe trabalhadora, pois nada funciona sem o esforço produtivo da força de trabalho e a produção simplesmente é interrompida pela vontade unificada da classe, o que de resto também evidencia o caráter parasitário da burguesia, que nada produz mas se apropria dos lucros gerados pelo trabalho e se constitui em classe dominante no capitalismo. Diante da paralisação ela fica impotente e é obrigada a recuar”.

“Deste modo”, prossegue, “a batalha de classes eleva e ilumina a consciência de classe e revigora a fé no poder da luta operária. A unidade e energia do proletariado francês há de dobrar o governo Macron, derrotando a sua reacionária iniciativa, e deve servir de exemplo à classe trabalhadora brasileira, merecendo, além da nossa admiração, a ativa solidariedade da CTB e demais centrais brasileiras”.

TAGS: greve gerakMacronrejeição popular

Fonte: CTB

12 dez 2019

Lula: Globo criou um monstro no país, a Lava Jato

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Em entrevista à Fórum na quarta-feira, o ex-presidente Lula afirmou que “a Rede Globo criou um monstro neste país”, a Lava Jato. Ele mostrou-se disposto a confrontar a operação de Curitiba, dizendo que não se intimidará com a perseguição à sua família.

O ex-presidente Lula afirmou nesta quarta-feira (11) que  “a Rede Globo criou um monstro neste país”, a Lava Jato. Ele disse que não se intimidará com a perseguição àa sua família que entrou em nova etapa com a operação contra seu filho mais velho, Fábio Luís, que ele já havia qualificado de “canalhice”.

Na entrevista, Lula atacou de maneira firme tanto a Globo como a Lava Jato. “A Globo usou 200 horas para fala mal de mim e 200 horas para falar bem de Moro” e que com sua persguição a ele e ao PT “destruiu o país”. Além do monstro da Lava Jato, disse Lula, a Globo e a imprensa conservadora tem outra responsabilidade: “Bolsonaro é o que a mídia brasileira pariu”.

Para Lula, Deltan Dallangnol já deveria “ter sido expulso [do Ministério Público] a bem do serviço público” e os demais procuradores da força tarefa deveria estar enfrentando “inquéritos para apurar tudo o que aconteceu”.

Via Brasil 247 via CTB