18 jul 2011

saiu no Pimenta: ACORDO SUSPENDE GREVE NO SAMU

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

Prefeitura de Ilhéus, Sindicato dos Servidores Municipais (Sinsepi) e Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimedi) entraram em acordo e a greve do Samu 192 foi suspensa com a promessa dos representantes municipais de rever o edital de seleção pública de profissionais para o Samu 192.

Da forma como elaborado, o edital retirava direitos dos trabalhadores em urgência e emergência, segundo o Sindimedi. A seleção não exigia dos condutores de motolância o curso técnico de enfermagem nem seguiria a regulamentação técnica dos sistemas estaduais de urgência e emergência. Também não previa a participação de socorristas em congressos e seminários de aperfeiçoamento.

Esta é a segunda vez que a prefeitura de Ilhéus enfrenta problemas em certames para contratação de profissionais em 2011. A primeira foi quando da elaboração do edital de concurso público para preencher 548 vagas em diversas áreas. O edital precisou ser refeito por duas vezes, as provas foram adiadas em três oportunidades e houve venda de provas e gabaritos do concurso.

Leia mais: http://www.pimenta.blog.br/

18 jul 2011

Saiu no Pimenta: AZALEIA RETOMA CONTRATAÇÕES

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

A Azaleia manterá a unidade industrial em Itapetinga, no centro-sul baiano. Pelo menos foi isso o que ouviram autoridades municipais e regionais em audiência ocorrida nesta segunda (18) na Câmara de Vereadores de Itapetinga. A Azaleia emprega cerca de 15 mil pessoas na região.

A empresa ganhou um novo fôlego com o empréstimo de R$ 64 milhões do Banco do Nordeste, intermediado pelo governo baiano. Nos seis primeiros meses do ano, 1,8 mil industriários foram demitidos pela fabricante de calçados. Os representantes da Azaleia disseram que a empresa, ao contrário dos últimos meses, voltou a contratar mão-de-obra.

A audiência de hoje teve a participação de deputados, secretários municipais e estaduais. Para o deputado estadual Rosemberg Pinto (PT), a ofensiva agora é para que o Governo Federal adote práticas contra o dumping praticado por indústrias com base na China e que consegue usar países como Malásia e Indonésia para exportar calçados para o Brasil. A prática enfraqueceu as fabricantes brasileiras. Enquanto um empregado na indústria chinesa ganha, na média, oitenta dólares, o daqui situa-se até na faixa de quinhentos dólares.

Leia mais: http://www.pimenta.blog.br/

18 jul 2011

Apneia do sono pode causar impotência

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

 

 

 

 

 

 

 

 

Distúrbio do sono, que afeta 33% dos moradores de São Paulo, reduz nível de testosterona e dificulta a circulação 
Máscara de ar para dormir é o principal tratamento da apneia e, muitas vezes, já resolve a disfunção erétil

Noites mal dormidas podem causar mais do que olheiras e bocejos. A apneia do sono -distúrbio que atinge quase 33% dos moradores da cidade de São Paulo- também provoca impotência sexual. E muitos dos afetados não fazem ideia disso.
“A maioria das pessoas com apneia não sabe que tem a doença. Que ela pode causar disfunção erétil, então, menos ainda”, diz Geraldo Lorenzi Filho, diretor do Laboratório do Sono do Incor (Instituto do Coração) da USP.
Caracterizada por um ronco forte e irregular, apneia é marcada por diversas paradas respiratórias de pelo menos dez segundos durante o sono. Em uma noite, podem ocorrer dezenas delas.
Com a interrupção da respiração, ocorre um microdespertar. A pessoa passa de um estágio mais profundo do sono para um mais leve e também menos revigorante. “É como se a pessoa, em vez de dormir, apenas cochilasse”, explica Lorenzi.
A combinação de paradas respiratórias e sono menos relaxante é catastrófica para o organismo. Além de ficar naturalmente mais cansado e sem disposição, quem tem o distúrbio acaba com mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares e outros males. A impotência é apenas mais um item nesse pacote.
Segundo Monica Andersen, professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e pesquisadora do Instituto do Sono, a relação entre apneia do sono e disfunção erétil é evidente, mas os fatores exatos que contribuem para isso ainda não são bem compreendidos. “Por ser um fenômeno hemodinâmico [ligado à circulação do sangue nos vasos], a ereção depende da integridade dos tecidos, bem como de fatores psicológicos. Qualquer variação nesses componentes, alterados ainda mais pela apneia do sono, podem levar à disfunção erétil”, diz.
Além disso, diz a pesquisadora, há estudos que ligam a impotência sexual à redução dos níveis de hormônio masculino provocada pela apneia do sono. “Essa redução no nível de testosterona pode ser causada pela idade, excesso de peso, além de outros fatores, como a hipoxia [diminuição das taxas de oxigênio no sangue arterial ou nos tecidos] e a fragmentação do sono.”
Lorenzi lembra ainda que as pessoas com apneia normalmente têm outros fatores de risco -como obesidade, hipertensão e diabetes- o que pode tornar a disfunção erétil, na verdade, uma combinação de vários fatores.
“Mas, além de tudo isso, tem a falta de disposição mesmo. O homem com apneia está sempre mais cansado. À noite, antes da mulher apagar a luz, ele já está dormindo. Essa fadiga também é um fator”, disse Lorenzi.

TRATAMENTO
Para recuperar a normalidade respiratória durante o sono, os especialistas indicam o CPAP, uma espécie de máscara que deve usada durante a noite. Ela projeta o ar e facilita a respiração.
O preço, no entanto, costuma ser um impedimento. O aparelho não custa menos de R$ 1.000 em sua versão mais simples. Consegui-lo na rede pública também não costuma ser tarefa fácil.
Segundo Andersen e Lorenzi, o uso do CPAP resolve, em muitos casos, o problema da disfunção erétil associada à apneia. Eles recomendam, no entanto, investigar possíveis problemas relacionados.
“Emagrecimento, atividade física regular e uma boa qualidade de vida e do sono também são extremamente importantes. Observamos no nosso estudo que praticar atividade física pelo menos uma vez por semana já é um fator protetor”, diz Andersen.
(GIULIANA MIRANDA) do site UOL/Folha

Com o objetivo de promover um amplo debate envolvendo a temática de políticas públicas de trabalho, emprego e proteção social, tais como:

I – promover a discussão sobre emprego e trabalho decente;

II – subsidiar a formulação de proposta da Política Nacional de Trabalho Decente a partir das demandas do estado da Bahia;

III – subsidiar a atualização do Plano Nacional de Emprego e Trabalho Decente e sua agenda de trabalho.

Seguindo a orientação a Secretária do Trabalho, Emprego Renda e Esporte, o município de Itabuna realiza nesta quinta-feira, 21 de julho, a partir das 8 horas, no Campus II da UNIME a III Conferência Municipal do Trabalho Decente, apresentando os seguintes eixos temáticos:

I – geração de mais e melhores empregos, com igualdade de oportunidades e tratamento;

II – erradicação do trabalho escravo e do trabalho infantil, em especial em suas piores formas e;

III – fortalecimento dos atores tripartites e o diálogo social como um instrumento de governabilidade democrática.

O evento é uma programação preliminar da III Conferência Estadual, que acontece em Salvador nos dias 22 e 23 de setembro, que por sua vez antecederá à primeira e grande Conferência Nacional do Emprego e Trabalho Decente, no mês de maio de 2012.

JORGE BARBOSA DE JESUS

Coordenador Regional

Deputada defende ampliação da assistência básica para capital baiana

Cidade com quase 3 milhões de habitantes, Salvador enfrenta uma grave crise na gestão da Saúde. A má administração dos recursos, o atraso nos repasses aos hospitais filantrópicos e os baixos salários pagos à grande parte dos servidores foram discutidos na abertura da XI Conferência Municipal de Saúde, realizada nesta segunda-feira (11/7), no Centro de Convenções, em Salvador. A deputada Alice Portugal participou do ato de abertura e deixou uma mensagem aos trabalhadores da saúde.

“Desejo a vocês coragem, coragem porque esta conferência encontra a Saúde em grave situação. Muitos são os esforços declarados, mas sabemos que esse problema se arrasta nesses últimos oito anos com um processo de esgotamento do modelo de gestão. É preciso que esta conferência, de maneira madura e absolutamente comprometida, construa um plano de sobrevivência da saúde e de superação deste modelo”, disse Alice.

A deputada alertou ainda que neste momento, no Congresso Nacional, há uma luta da maior importância em curso pela aprovação da Emenda Constitucional 29, fundamental para o financiamento da saúde. “Precisamos redimensionar os recursos porque sem recursos não vamos conseguir garantir a plenitude do SUS”, afirmou Alice em defesa da universalização e fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

 Apoio e ação

Farmacêutica-bioquímica e servidora licenciada do Hospital das Clínicas, Alice Portugal declarou apoio aos trabalhadores da saúde e anunciou a realização de um seminário para debater o impasse sobre o piso salarial dos agentes comunitários de saúde e de combate a endemias. O evento, fruto de uma ação suprapartidária, está agendado para o dia 18 de agosto no plenarinho da Assembleia Legislativa da Bahia.

As conferências municipais reúnem, em diversas cidades baianas, gestores, trabalhadores e agentes públicos com o objetivo de debater políticas de fortalecimento do setor e assim levar uma resolução à 8ª Conferência Estadual de Saúde da Bahia, que será realizada entre os dias 12 e 15 de setembro de 2011.

Leia mais: http://www.aliceportugal.org

Secretário diz que postura da Sesab é absurda e autoritária

O jornal Agora, de Itabuna, traz neste sábado uma matéria na qual o secretário municipal da Saúde, Geraldo Magela, afirma sem rodeios que a Secretaria da Saúde do Estado opera deliberadamente para sabotar a rede de atendimento do SUS em Itabuna. Magela diz que já solicitou providências ao Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Cosems) e ao ministro Alexandre Padilha, para resolver a questão.

Reclamando de prejuízos decorrentes da perda da gestão plena, o secretário acusou a Sesab de ser responsável pelas filas nas unidades básicas de saúde. “As pessoas estão dormindo nas filas das unidades de saúde, não por culpa do município, mas porque a Sesab está cortando exames que deveriam estar disponíveis”, declarou Magela ao jornal.

A publicação também ouviu uma prestadora de serviços ao SUS, não identificada, que falou de dificuldades para manter os atendimentos. “Quando a demanda ultrapassa a cota estabelecida para determinado procedimento, o que sempre acontece, as pessoas ficam sem realizar exames porque a Sesab retém os recursos”, apontou a prestadora.

Geraldo Magela voltou a repelir a ideia de transferir a gestão do Hospital de Base para o Estado, alegando que os hospitais já administrados pela Sesab também enfrentam problemas. A possibilidade de terceirizar a gestão também não é aceita pelo secretário, que briga pela ampliação dos repasses financeiros para R$ 2 milhões mensais, ficando o município responsável por uma contrapartida de R$ 500 mil.

O secretário também citou na matéria os problemas enfrentados pelo Centro Médico Pediátrico de Itabuna (Cemepi) e pela Maternidade Esther Gomes, ambos sob ameaça de fechar as portas. Apesar de serem instituições privadas, os dois hospitais dependem do SUS para sobreviver, mas as mudanças na forma de apuração dos serviços teria gerado sérias dificuldades tanto para o Cemepi como para a maternidade. Magela disse que a forma como a Sesab trata o assunto é “absurda” e “autoritária”.

Fonte: http://www.pimenta.blog.br

Com base no padrão dos desmatamentos consolidados, o Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) traçou uma estimativa de novas derrubadas para a região e concluiu que a devastação vai aumentar entre julho deste ano e agosto de 2012.

O levantamento, divulgado nessa sexta-feira (15) pela organização não governamental, alerta para a provável derrubada de 7.134 quilômetros quadrados (km²) de floresta no período. A atual taxa de desmatamento, medida entre agosto de 2009 e julho de 2010, é 6.451 km².
Para este ano, os dados ainda não estão fechados, mas os números dos alertas mensais apontam tendência de aumento da taxa. Em maio, por exemplo, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou 268 km² de desmatamento, área 144% maior que no mesmo mês de 2010.
De acordo com a projeção do Imazon, os estados do Pará e de Mato Grosso concentram as florestas com maior risco de desmatamento. As áreas com maior probabilidade de desmatamento estão ao longo da BR-320 (Transamazônica), na região da Terra do Meio, e ao longo da BR-163 (que liga Pará e Mato Grosso), segundo o estudo.
Entre os municípios, o risco de desmatamento é crítico na região onde será construída a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará. Os três municípios com maior probabilidade de desmatamentos futuros estão na área de influência do empreendimento: Pacajá, Altamira e São Félix do Xingu.
O modelo do Imazon usa informações sobre a localização da ocorrência de desmatamento no passado para calcular a possibilidade de novos desmates. A estimativa também considera variáveis como proximidade com estradas, rios, distância de áreas protegidas e alcance econômico.
Na avaliação por situação fundiária da terra sob risco, o Imazon concluiu que a maior parte das áreas vulneráveis está em propriedades privadas ou em conflitos por posse: 65% do total. Os assentamentos de reforma agrária abrigam 24% das florestas sob risco. O restante está em unidades de conservação e terras indígenas, onde, teoricamente, não deveria haver nenhuma derrubada ilegal.

Fonte: Agência Brasil

16 jul 2011

Centrais querem Piso Salarial Regional na Bahia

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) regional Bahia e mais quatro centrais protocolaram juntas, nessa sexta-feira (15), solicitação na governadoria para audiência com o governador Jaques Wagner e a Carta Bahia, que apresenta a reivindicação pelo piso salarial regional de R$650. A CTB convocou as outras centrais para que em unidade, iniciem o processo de diálogo sobre a implantação do piso salarial regional no estado da Bahia.

Segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do ano 2009, a Bahia possui aproximadamente 39,7% de trabalhadores ocupados com renda total de até um Salário Mínimo. “Sendo assim, precisamos criar no estado mecanismos de valorização deste piso, a exemplo do que vem acontecendo nos últimos anos em esfera nacional”, ressalta Adilson Araújo, presidente da CTB-Bahia.

“O Salário Mínimo sofreu uma valorização real de mais de 53% nos últimos dez anos, então, se faz necessária uma política regional de valorização do mesmo no Estado da Bahia”, argumenta Adilson Araújo, explicando que apesar de todos os avanços, ainda temos um estado bastante desigual, que vem apresentando melhoras nos níveis de desemprego, nos últimos quatro anos, mas o rendimento dos trabalhadores não tem acompanhado o mesmo ritmo de recuperação.

Os pisos salariais estaduais (ou pisos regionais) foram instituídos no país através da Lei Complementar Federal nº 103 de julho de 2000, esta por sua vez valendo-se do inciso V do artigo 7º da Constituição Federal. A lei complementar foi uma medida do governo federal em relação aos governos estaduais facultando a estes o envio de projetos de lei às suas respectivas assembleias estaduais instituindo pisos salariais estaduais em patamares superiores ao valor do salário mínimo nacional.

21 de Julho 

As centrais também pretendem, neste mês, organizadas pelo Fórum das Centrais Sindicais – Bahia, composto pela CTB, CGTB, Força Sindical, NCST e UGT, realizar mobilizações em todas as regiões no estado em defesa da redução da jornada de trabalho sem redução de salários, do fim do fator previdenciário, do combate às práticas antis­sindicais, da reforma ágraria e da ratificação das convenções 158 e 151 da OIT (Organiza­ção Internacional do Trabalho), efetivação da Reforma Agrária e o fortalecimento da agricultura Familiar, sobretudo, pela imediata implantação do Piso Salarial no Estado da Bahia de R$ 650,00. O ato, em Salvador, será no dia 21 de julho, no Campo Grande, às 09h. Os trabalhadores, organizados pelas centrais sairão do Campo Grande, num grande ato, para dialogar a defesa da Agenda dos Trabalhadores com a população.

Fonte: CTB

Os trabalhadores do Centro Médico Pediátrico de Itabuna, que estão com os salários atrasados há três meses organizaram uma caminhada pela Avenida do Cinquentenário, exigindo mais verbas para instituição que está atendendo apenas casos de urgência e emergência e na iminência de fechamento.

A manifestação contou com a participação de dirigentes sindicais ligados à Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB/Regional Sul da Bahia, Lyons Club e de políticos da cidade que fizeram coro exigindo providências por parte dos vereadores, deputados, prefeito e secretário de Saúde do estado no sentido de buscar uma solução que garanta a permanência do funcionamento do CEMEPI.

Segundo os administradores da clínica são atendidas cerca de 5 mil crianças, sendo que 98% dos atendimentos são pelo SUS e recebem apenas 55 mil reais por remuneração. À primeira vista, a chave do problema está na baixa remuneração da tabela SUS que é um deficiência estrutural. Contudo, cabe um estudo mais profundo da situação, uma vez que o Centro Médico está em funcionamento há 43 anos.

Segundo o Presidente do Sindicato dos Bancários de Itabuna Jorge Barbosa, urge a necessidade de uma reestruturação profunda na saúde em nosso país, não são novas as denúncias de falta de verbas, corrupção e desmandos na gestão do Sistema Único de Saúde. Em nossa cidade a saúde está em crise há um bom tempo, tanto é que o município perdeu a gestão da média e alta complexidade desde 2007, por falta de pagamento aos fornecedores, até a baixa complexidade
funciona mal e agora correm o risco de fechar o CEMEPI e a Maternidade Ester Gomes. “denuncia Jorge.

Não há como saber se a corrupção aumentou no Brasil nos últimos anos. A avaliação é do cientista político Ricardo Caldas e do antropólogo Marcos Otávio Bezerra, que participaram, nesta segunda-feira (11), de uma mesa redonda sobre o custo da corrupção para o Estado brasileiro, programada para a primeira tarde de discussões da 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que ocorre em Goiânia.
Ricardo Caldas, que é professor da Universidade de Brasília (UnB), ressaltou que a corrupção é um fenômeno global e que instituições multilaterais como o Banco Mundial e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) não registram nenhuma variação da incidência da corrupção no Brasil.
Caldas disse que esse tipo de informação não é precisa, mas, segundo ele, baseada na percepção da população e na cobertura da imprensa.
A cobertura da imprensa pode eventualmente “aumentar a sensação de que estamos diante de uma situação catastrófica”, disse Marcos Bezerra, que é professor da Universidade Federal Fluminense (UFF).
O efeito disso é o tratamento moralista da política, “como se o único problema fosse a corrupção” e aí questões como a execução do programa de governo não entram em discussão pública. “Faz-se um uso social e político da corrupção”, alertou o antropólogo.
Bezerra defende que em vez do apelo moral, a questão seja vista sob o aspecto institucional. O exemplo que usou foi o das relações dos parlamentares do Congresso Nacional.
Segundo ele, o desempenho do político é avaliado pela capacidade de trazer benefícios para a localidade de sua base eleitoral, por meio da apresentação de emendas no Legislativo e, posteriormente, da liberação do Orçamento pelo Executivo.
O antropólogo lembra que as empresas privadas reforçam essas relações ao incluir projetos de seus interesses na formulação das demandas, apresentação de projetos e liberação de recursos.
Ele assinala, no entanto, que o Estado brasileiro tem instituições que atuam para evitar e combater a corrupção como a Controladoria-Geral da União, a Polícia Federal e o Ministério Público.
Para Ricardo Caldas, “as instituições de combate à corrupção ainda não funcionam perfeitamente” e o país sofre com uma herança cultural dos tempos de colonização.
“Temos um Estado patrimonial. Não conseguimos separar o público do privado”, disse referindo-se aos textos clássicos sobre a formação do país como Raízes do Brasil (Sérgio Buarque), Os Donos do Poder (Raymundo Faoro) e Carnavais, Malandros e Heróis (Roberto DaMatta).

Fonte: http://feebbase.com.br