14 dez 2010

Las cartas de los diplomáticos del imperio

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

Por Manuel Zelaya – ex-presidente deposto de Honduras por forças dos EUA

Se ha revelado un nuevo bochorno de la política exterior norteamericana. Esta vez sobre mi persona como Presidente Constitucional de Honduras, en las que no reflejan mi personalidad, sino más bien se dedican a hacer acusaciones criminales y temerarias que constituyen delito de difamación y calumnia, y constituyen uma afrenta a la dignidad del pueblo de Honduras.
Há pasado más de un año;  largos 18 meses desde el golpe de estado en que los grupos de extrema derecha en Honduras, supuestos amigos y socios de “USA”,  tomaron  el poder en el país. Es curioso que hasta ahora no hayan sido capaces de demostrar ni un solo vínculo con el crimen organizado, ni de la conexión de este con  Cuba, Nicaragua y Venezuela, en los supuestos
actos de corrupción que cometí durante mi mandato.
El autor de la aberración es Charles Ford, supuesto diplomático, que aquí se rebela como embustero  e instigador, y pone al descubierto la naturaleza oculta  de la diplomacia norteamericana para los países del mundo, ya que fungía como embajador norteamericano en Honduras cuando asumí la primera magistratura del país.
Este es el mismo embajador que me exigía  uma visa de asilo diplomático para el terrorista Luis Posada Carriles; el mismo  que decía en los médios públicamente que el presidente Chávez tenia negocios sucios y corruptos com este servidor; el mismo que, cuando gané la Presidencia, me entregó una lista con las personas que debía nombrar en mi gabinete, y que, desde luego, se
enfurecía con mis negativas.
Es el mismo que me acompañó a la Casa Blanca para atender una cita con el Presidente Bush, con parte de mi  gabinete, donde Bush despotricaba contra el presidente de Venezuela Hugo
Chávez y atacaba  mi   amistad con este. El mismo que durante toda mi gestión, se dedicó a defender los fraudes de las trasnacionales norteamericanas del petróleo en Honduras, algo que extrañamente omite en este cable, así como se abstiene de mencionar  las cosas por lãs que teníamos altercados y problemas.
Em estas acusaciones graves y sin fundamento del embajador FORD,  llenas de escarnio contra mi personalidad  como jefe de estado,  se dejan al trasluz los métodos antojadizos que usan los diplomáticos, de la auto proclamada democracia más antigua del mundo,  como la mentira, la manipulación, que se usan en  forma malintencionada, para justificar  los crímenes y asaltos
al poder  que impulsan a lo largo y ancho del mundo. El cable del señor Ford, hecho público por Wikileaks, y comentado por todos los medios del mundo, además de ofensivo, muestra la forma en que los Estados Unidos, en su condición  imperial,  fabrica sus enemigos.
Mediante la descalificación personal, buscan estigmatizar a quienes luchamos con dignidad e independencia, contra  lãs prácticas de sometimiento a que está acostumbrada la diplomacia de Estados Unidos de Norte América.
Esta desfachatez en sus acciones,  que los pone en evidencia, a ellos más que a quienes ofenden y acusan, no les faculta, como presuntos  “salvadores” del mundo acusando a los presidente de los países,  de locos, megalómanos, mitómanos, erráticos, corruptos,  y siniestros, especialmente a los que no les obedecen   En esto podemos identificar un patrón, y no debería extrañarnos que sigan saliendo este tipo de perfiles.
Debe llamarnos poderosamente la atención, que las palabras de Ford, hayan sido las mismas que  publicaron por tres años y medio, quienes me atacaron permanentemente desde Washington, desde la FUNDACION Arcadia,  dirigida por   Otto Reich y Robert  Carmona y que
siguen usando  quienes conspiraron y ejecutaron el Golpe de Estado en Honduras.
Este documento hace gala de cinismo cuando, sin empacho alguno, afirma que ellos
intervienen sobre las personas designadas en los  gabinetes de gobierno, hablan con cardenales,
y encuentran cosas sospechosas hasta en actos públicos, como cuando  manifiesta este señor embajador,  que en mi discurso sobre la plataforma del Navío USS o algo así,  “a pesar”  de que resalté las buenas relaciones comerciales con el imperio, no escatime esfuerzo para enaltecer la gesta contra el invasor Norte Americano   William Walker” ; filibustero que invadió tierra nicaragüenses y hondureños, y que fue fusilado y enterrado en el puerto de Trujillo, en Honduras.;  entonces el que para ellos es un héroe, para nosotros es un bandolero que refleja la injerencia y la intromisión de grupos de Estados Unidos  en nuestras naciones desde el siglo XIX.
En su nota, Ford tiene un lapsus mental y omite mencionar mi intención de aprovechar comercialmente el aeropuerto de Palmerola, base militar norteamericana desde la que se han fraguado miles de conspiraciones, muchas de ellas fatales, que se halla clavada en el corazón mismo de nuestro territorio, y cuya última obra siniestra fue el Golpe de estado del 28 de Junio de 2009. Su perfidia lo lleva a omitir su participación de boicot contra mi iniciativa, y
su apoyo a las fuerzas más reaccionarias del país que argumentaban a favor de Tocotín,
uno de los diez aeropuertos más peligrosos del mundo; y es que a Charles Ford,
al imperio, no les interesa la seguridad ni el progreso de nadie, solo sus bases militares para salvaguardar sus dominios.
Me conoce y respalda todo el pueblo hondureño; no me arrepiento de ninguna de mis
acciones,  de lo que impulse e hice  como presidente. Pienso que ellos estaban  muy preocupados por mis niveles de aceptación, y porque alcanzaba los mejores resultados de la historia de Honduras, en materia de crecimiento económico, entre 6 y 7 % anual sostenido, ambiental y social; por primera vez se reducía la pobreza,  en mucho gracias a Petrocaribe y la ALBA
datos que se  pueden verificar  en las estadísticas de la CEPAL y el Banco Mundial.
Les preocupaba que en un año de trabajo con Chávez y Lula obteníamos apoyo para proyectos, que nos costaría unos diez años conseguir con los Estados Unidos. Les afectaba que fuera el único presidente que aprobaba una ley de trasparencia, para eliminar los documentos confidenciales en el gobierno, lo que afectaba directamente la estructura de sometimiento lacayo que el imperio mantiene en el país,  y el único en la historia reciente que dejó  todos el respaldo para justificar el gasto hasta el último centavo, en manos públicas y de los organismos contralores.
No sabíamos que el cardenal le susurraba al oído mis asuntos ancestrales;  se le olvidó decirle a Ford que mi família prevaleció por más de 400 años (como lo deja claro el mismo embajador) gracias a sus extraordinarias relaciones con el pueblo, y que al llegar a la presidencia de la república yo disponía de un legado de muchas generaciones y un patrimonio rural producido por el trabajo de centurias del que conocen todos los hondureños, así como un enorme acervo intelectual y político heredado de los más ilustres hijos de la patria.
Manifiesta el pro cónsul su desprecio a nuestra cultura y nuestras costumbres, diciendo
que nos comportábamos como animales para  “mezclarnos” con la clase árabe. Algunas cosas no las puede entender un bárbaro, sin ninguna cultura,  este es el caso; somos generaciones que se remontan a la colonia española, hoy convertidos  en una orgullosa identidad latino americana,
mixta, indígena y negra.   ¿Por qué degradar la relación afectiva de mis hijos a simples componendas? Así se comporta el imperio; nosotros somos humanos y respondemos a valores y princípios que ellos no entenderían ni en dos siglos más.
Dice Ford que hay que “salvar” lo que se pueda del sistema hondureño; dice que yo estoy dispuesto a hacerme el mártir, pretendiendo dejar un legado inconcluso, bajo el argumento de que me lo impidieron fuerzas poderosas, que no se pueden nombrar. El pueblo conoce que hemos desenmascarado una y otra vez dichas fuerzas, en mis propios discursos en la Naciones Unidas, y en todos los foros, a través de nuestra lucha continua. No es el martirologio al que ellos me han sometido, al derrocarme y ahora  por medio del destierro; es la lucha del pueblo en resistencia,  es un legado, es la fuerza moral y libertaria de nuestros hombres y mujeres por construir una nueva historia;  que estrechez de mente la que denota este embajador para justificarse ante sus superiores después de su fracaso en Honduras, al no podernos someter. Por su papel desestabilizador fue enviado al comando sur donde aún permanece y desde donde fraguó y ejecutó el GOLPE DE ESTADO.
Es imposible dejar de lado que textualmente me considera enemigo de los intereses
de Estados Unidos y  reprocha mis actos soberanos y dignos. Actos que ratifico totalmente al tiempo que expreso mi amistad y admiración por el pueblo americano ni de su país,  al tiempo que me proclamo anti imperialista, lucha en la que preferiría morir que doblegarme.  Reprocha mis nombramientos en la ONU y expresa enfado porque no renunciamos a tomar las decisiones de estado, a pesar de  sus maquiavélicas manipulaciones, asociado con  toda una oligarquía, banda de mercenarios que no dejaron nunca de conspirar para evitar que me acercara al
pueblo y aportara un sentido de patria y de lucha que ha de dar al traste con sus acciones entreguistas.
Cuando el subsecretario de estado John Dimitri Negroponte, junto al embajador Ford, en Washington, me reprochaban que estaba nombrando a un comunista ante las Naciones Unidas, el ex rector de la Universidad Nacional Autónoma de Honduras, y señalaban que él no tenía visa
americana por terrorista, les reclamé enérgicamente la violación al estatuto de ese organismo internacional,  y  me vi obligado a elevar una firme protesta  ante la Casa Blanca para
conseguir que estos señores estancados en la guerra fría, sectarios, fundamentalistas, entendieran que el mundo ha cambiado y que Estados Unidos también tiene que cambiar .
Cable de falsedades, igual a muchos que antes sirvieron para justificar guerras y  la masacre de niños, mujeres y ancianos en varias partes del planeta; calumnias, degradación y grosería
utilizados para allanar el camino hacia la barbarie y la explotación de un sistema que no tiene  límites, más que los que dictan  desde siempre  las trasnacionales, antes  bananeras y hoy financieras y petroleras, contra mi pueblo.  Esta notas del embajador solo sirven para dejar el destino de mi patria en las manos de quienes han perdido el honor y la dignidad, para humillarse ante los intereses subalternos,  No cabe duda, el problema es el mismo, el método el mismo, el motivo el mismo, las prácticas  pérfidas  y cobardes que sacrifican generaciones por
sus pingues negocios.
Podría seguir abordando una por una las opiniones del señor Ford, y resaltando mi
imagen al desmentir sus embustes, pero pienso que el problema de fondo es otro; este documento pone de relieve a los gestores del golpe de Estado; nos indica que estaba pensando el imperio en mayo de 2008; nos deja claro que el Golpe de Estado no es casual, que fue preparado, y que ellos también conspiraron, y desde cuando se aprestaban a derrocarme y
destruir la democracia en Honduras.
Em este cable de Ford, está la historia del Golpe de Estado; para ellos es imperdonable que en la década de los ochenta, levantara mi voz contra los ejércitos irregulares de contra revolucionarios  centro americanos, siendo diputado   ante la asamblea nacional,   exigiendo explicaciones porque  agredían  desde nuestro territorio a países hermanos, como Nicaragua y el
Salvador, donde cometían un brutal genocidio,  mientras nuestra querida patria Honduras era utilizada como un portaaviones por los norteamericanos.   Al imperio no le interesa mi vida personal, pero la destruye con tal de evitar que mi accionar político coadyuve a la liberación de mi pueblo.
Al final que lo diga Charles  Ford; que lo diga el imperio, norte americano solo me engrandece como ser humano, como político y como actor del siglo XXI, y hace más grande e invencible la lucha del pueblo hondureño, que sigue resistiendo el retorno de las castas militares a la vida cívica de nuestra Nación, así como el fuego asesino e intenso de criminales de aquí y de allá,
movidos por el mismo titiritero de siempre, ese que un día debe detenerse a pensar que es mejor convivir con nosotros, que intentar robarnos lo que nos pertenece.
Uma vez más, vemos las acciones de Estados Unidos como policía del mundo; tribunales
de la santa inquisición del siglo XXI,  más descarada y sanguinaria  que ninguna otra en la historia de la humanidad; hoy vemos que ni el imperio ni los golpistas, que violan  todos los derechos humanos, no tienen doble moral, ni moral alguna, solo funcionan en base a
estándares, a parámetros, a números, a intereses.
Seguiré luchando  contra esta brutal y siniestra fuerza que niega la revolución del pensamiento y la solidaridad para imponernos la barbarie, y la infamia   que no ceja ni un instante en su empeño por sojuzgarnos y esclavizarnos.

José Manuel Zelaya Rosales
Presidente Constitucional   2006 – 2010

 

14 dez 2010

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

O comediante Marcelo Adnet, em seu programa Comédia MTV, ironiza parcela do eleitorado de José Serra nas Eleições 2010 que se destacou por suas opiniões preconceituosas.[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=jrUVle5wdPY]

14 dez 2010

WIKILEAKS & ELEIÇÕES BRASILEIRAS

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

Folha – 13/12/2010
Serra prometeu às petroleiras americanas mudar as regras do pré-sal, caso
vencesse as eleições. É o que mostra telegrama do Wikileaks

“Deixa esses caras [do PT] fazerem o que eles quiserem. As rodadas de licitações
não vão acontecer, e aí nós vamos mostrar a todos que o modelo antigo
funcionava… E nós mudaremos de volta”, disse Serra a Patricia Pradal, diretora
de Desenvolvimento de Negócios e Relações com o Governo da petroleira
norte-americana Chevron, segundo relato do telegrama
As petroleiras americanas não queriam a mudança no marco de exploração de
petróleo no pré-sal que o governo aprovou no Congresso, e uma delas ouviu do
então pré-candidato favorito à Presidência, José Serra (PSDB), a promessa de que
a regra seria alterada caso ele vencesse.

É isso que mostra telegrama diplomático dos EUA de dezembro de 2009 obtido pelo
site WikiLeaks (www.wikileaks.ch). A organização teve acesso a milhares de
despachos.

A Folha e outras seis publicações têm acesso antecipado à divulgação no site do
WikiLeaks.
Leia mais
http://www1.folha.uol.com.br/poder/844645-petroleiras-americanas-eram-contra-novas-regras-para-pre-sal.shtml

Outro lado:

Folha
Serra não é achado para comentar caso
A Folha tentou fazer contato ontem com José Serra e não conseguiu uma resposta
até o fechamento desta edição.
Segundo ex-assessores do tucano, ele não conta atualmente com uma assessoria de
imprensa.
Uma ex-assessora informou um endereço eletrônico para contatá-lo. A Folha enviou
mensagem para o ex-governador, mas não obteve resposta.Outro ex-assessor disse
que uma secretária pessoal de Serra informou que, ontem à tarde, ele estava
viajando dos Estados Unidos para o Brasil

Fonte: Clovis Libanio 3º Setor

A eleição do Conselho de Usuários do Saúde Caixa acontecerá de 13 a 17 de dezembro. Dentre as oito chapas que concorrem, a Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe e seus sindicatos filiados apóiam a Chapa 2 – Movimento pela Saúde, que conta com a participação do companheiro Alex Livramento, representante da CTB.

A eleição será pelo sistema de comunicação da Caixa, no endereçowww.gesad.mz.caixa/eleicao. Os aposentados deverão dirigir-se a uma agência do banco para votar, no horário normal de funcionamento da respectiva unidade, ou utilizar-se do serviço 0800-726-8068. A votação será nominal, não sendo permitido representante legal. Cada eleitor poderá votar uma única vez, em uma única chapa.

Conselho de Usuários - O Conselho de Usuários é composto de cinco participantes titulares e seus respectivos suplentes, todos indicados pela Caixa, e cinco participantes titulares e seus suplentes eleitos, com mandatos de 36 meses. O Conselho de Usuários é autônomo e tem como objetivo acompanhar a qualidade do programa Saúde Caixa e oferecer à Caixa subsídios ao aperfeiçoamento da gestão e dos benefícios, de acordo com as normas e legislação em vigor, sem contudo alterar a estrutura do programa e formato de custeio. As reuniões ordinárias ocorrem a cada três meses.

Leia mais: www.feebbase.com.br

 

A consulta sobre o acordo para a utilização do superávit do Plano 1 da Previ começa nesta quinta-feira, dia 9, e vai até o dia 15. O acordo foi negociado com o Banco do Brasil pelos diretores eleitos da Caixa de Previdência e pelas entidades do funcionalismo do BB. Os associados da ativa votam pelo Sisbb e os aposentados e pensionistas pelo 0800-729-0808. A Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe e os seus sindicatos filiados indicam o voto Sim pela aprovação do acordo.

O acordo do superávit beneficia 33.732 funcionários da ativa e 67.722 aposentados/pensionistas pertencentes ao plano 1 da Previ. Conforme o instrumento, está prevista destinação de aproximadamente R$ 7,5 bilhões da reserva especial aos associados, sendo que cada um deverá receber de imediato 2,4 benefícios. No caso dos benefícios temporários, o pagamento deverá ser feito enquanto durar a reserva, prevista para durar até seis anos.

Veja abaixo as conquistas do acordo:

1. Criação de um benefício temporário correspondente ao percentual de 20% sobre o complemento de aposentadoria ou pensão ou de 20% sobre o benefício projetado, para os funcionários da ativa.

2. Criação de um benefício mínimo temporário no valor correspondente à diferença entre 70% e 40% da Parcela Previ (PP).

3. Contabilização de dois fundos previdenciários de igual valor – um a favor dos associados e outro a favor do Banco do Brasil – constituídos pela reserva especial do Plano 1 apurada em dezembro de 2009, para posterior utilização.

4. Incorporação dos benefícios especiais criados em 2007, na destinação anterior da reserva especial – benefício especial de remuneração (aumento do teto de contribuição e benefício de 75% para 90%) e benefício especial de proporcionalidade.

5. Continuidade da suspensão de contribuições por mais três anos.

A partir de janeiro de 2011 será iniciado processo de negociação com o BB para debater a revisão do Plano 1, quando também estará em pauta o fim do voto de Minerva no Conselho Deliberativo.

Somente depois da consulta os benefícios temporários serão aprovados pelos órgãos competentes (Previ, BB, Ministérios do Planejamento e Fazenda e Superintendência Nacional da Previdência Complementar, a Previc) e implantados.

Acesse aqui O Espelho Nacional em pdf com todas as informações sobre o acordo e veja por que ele é vantajoso para 100% dos associados do Plano 1 – da ativa, aposentados e pensionistas.

Leia mais: www.feebbase.com.br

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, assegurou neste domingo (12) que o modelo socialista de desenvolvimento é a única solução para os problemas sociais e ambientais existentes no planeta. Para o presidente, o drama humano vivido em seu país nas últimas semanas, devido aos estragos das fortes chuvas em 14 estados, demonstra a necessidade da implantação desse sistema.

“Agora mais do que nunca estamos obrigados à redistribuição da questão humana no econômico e no social, o que implica no aprofundamento da revolução democrática: a aceleração da marcha para o socialismo, que é a solução para estes dramas”, advertiu, nas Líneas de Chávez.

Em sua publicação dominical, o estadista considerou que os danos sofridos por milhares de venezuelanos é o resultado da desigualdade ainda presente. ”Reitero: o que sofremos não é conseqüência de uma má jogada por parte da natureza. É conseqüência direta da injustiça que reina sobre a Terra, e que afeta, em especial, aqueles que menos têm a ver ou menos têm provocado esta corrente de calamidades: aos mais pobres, aos nossos povos”, apontou.

As chuvas deixaram dezenas de milhares de prejudicados e estragos severos na infra-estrutura viária e habitacional de estados como Falcón, Zulia, Miranda e o Distrito Capital. Chávez qualificou como uma tragédia o impacto causado pelas inclemências do tempo e reiterou as medidas tomadas para superá-lo.

Ao falar sobre a situação do país, pediu que se atue com rapidez e eficácia, superando o burocratismo. “Tenho empunhado o chicote e a espada para travar uma batalha contra velhos vícios e as nefastas práticas burocráticas”, disse o dirigente, que convocou a população a se somar a esses esforços.

Fonte: Prensa Latina

 

Nunca antes na história deste país um metalúrgico havia ocupado a presidência da República. Quantos temores e terrores a cada vez que você se apresentava como candidato! Diziam que o PT, a ferro e fogo, implantaria o socialismo no Brasil.

Por Frei Betto*, em Adital

Quanta esperança refletida na euforia que contaminou a Esplanada dos Ministérios no dia de sua posse! Decorridos oito anos, eis que a aprovação de seu governo alcança o admirável índice de 84% que o consideram ótimo e bom. Apenas 3% o reprovam.

O Brasil mudou para melhor. Cerca de 20 milhões de pessoas, graças ao Bolsa Família e outros programas sociais, saíram da miséria, e 30 milhões ingressaram na classe média. Ainda temos outros 30 milhões sobrevivendo sob o espectro da fome e quem sabe o Fome Zero, com seu caráter emancipatório, a tivesse erradicado se o seu governo não o trocasse pelo Bolsa Família, de caráter compensatório, e que até hoje não encontrou a porta de saída para as famílias beneficiárias.

Você resgatou o papel do Estado como indutor do desenvolvimento e, através dos programas sociais e da Previdência, promoveu a distribuição de renda que aqueceu o mercado interno de consumo. O BNDES tornou as grandes empresas brasileiras competitivas no mercado internacional. Tomara que no governo Dilma seja possível destinar recursos também a empreendimentos de pequeno e médio porte e favorecer nossas pesquisas em ciência e tecnologia.

Enquanto os países metropolitanos, afetados pela crise financeira, enxugam a liquidez do mercado e travam o aumento de salários, você ampliou o acesso ao crédito (R$ 1 trilhão disponíveis), aumentou o salário mínimo acima da inflação, manteve sob controle os preços da cesta básica e desonerou eletrodomésticos e carros. Hoje, 72% dos domicílios brasileiros possuem geladeira, televisor, fogão, máquina de lavar, embora 52% ainda careçam de saneamento básico.

Seu governo multiplicou o emprego formal, sobretudo no Nordeste, cuja perfil social sofre substancial mudança para melhor. Hoje, numa população de 190 milhões, 105 milhões são trabalhadores, dos quais 59,6% possuem carteira assinada. É verdade que, a muitos, falta melhor qualificação profissional. Contudo, avançou-se: 43,1% completaram o ensino médio e 11,1% o ensino superior.

Na política externa o Brasil afirmou-se como soberano e independente, livrando-se da órbita usamericana, rechaçando a ALCA proposta pela Casa Branca, apoiando a UNASUL e empenhando-se na unidade latino-americana e caribenha. Graças à sua vontade política, nosso país mira com simpatia a ascensão de novos governantes democrático-populares na América Latina; condena o bloqueio dos EUA a Cuba e defende a autodeterminação deste país; investe em países da África; estreita relações com o mundo árabe; e denuncia a hipocrisia de se querer impedir o acesso do Irã ao urânio enriquecido, enquanto países vizinhos a ele, como Israel, dispõem de artefatos nucleares.

Seu governo, Lula, incutiu autoestima no povo brasileiro e, hoje, é admirado em todo o mundo. Poderia ter sido melhor se houvesse realizado reformas estruturais, como a agrária, a política e a tributária; determinado a abertura dos arquivos da ditadura em poder das Forças Armadas; duplicado o investimento em educação, saúde e cultura.

Nunca antes na história deste país um governo respaldou sua Polícia Federal para levar à cadeia dois governadores; prender políticos e empresários corruptos; combater com rigor o narcotráfico. Pena que o Plano Nacional dos Direitos Humanos 3 -quase um plágio dos 1 e 2 do governo FHC- tenha sido escanteado por preconceitos e covardia de ministros que o aprovaram previamente e não tiveram a honradez de defendê-lo quando escutaram protestos de vozes conservadoras.

Espero que o governo Dilma complemente o que faltou ao seu: a federalização dos crimes contra os direitos humanos; uma agenda mais agressiva em defesa da preservação ambiental, em especial da Amazônia; a melhoria do nosso sistema de saúde, tão deficiente que obriga 40 milhões de brasileiros a dependerem de planos de empresas privadas; a reforma das redes de ensino público municipais e estaduais.

Seu governo ousou criar, no ensino superior, o sistema de cotas; o ProUni e o ENEM; a ampliação do número de escolas técnicas; maior atenção às universidades federais. Mas é preciso que o governo Dilma cumpra o preceito constitucional de investir 8% do PIB em educação.

Obrigado, Lula, por jamais criminalizar movimentos sociais; preservar áreas indígenas como Raposa Serra do Sol; trazer Luz para Todos. Sim, sei que você não fez mais do que a obrigação. Para isso foi eleito. Mas considerando os demais governantes de nossa história republicana, tão reféns da elite e com nojo do “cheiro de povo”, como um deles confessou, há que reconhecer os avanços e méritos de sua administração.

Deus permita que, o quanto antes, você consiga desencarnar-se da presidência e voltar a ser um cidadão militante em prol do Brasil e de um mundo melhor.

* Escritor e assessor de movimentos sociais

 

O presidente Lula e o primeiro-ministro Putin tiveram o mesmo discurso, (ante)ontem (9/12), em defesa de Julian Assange, embora com argumentos diferentes. Lula foi ao ponto: Assange está apenas usando do velho direito da liberdade de imprensa, de informação. Não cabe acusá-lo de causar danos à maior potência da História, uma vez que divulga documentos cuja autenticidade não está sendo contestada.

Por Mauro Santayana, no JB

Todos sabem que as acusações de má conduta em relacionamento consentido com duas mulheres de origem cubana, na Suécia, são apenas um pretexto para imobilizá-lo, a fim de que outras acusações venham a ser montadas, e ele possa ser extraditado para os Estados Unidos.

O que cabe analisar são as consequências políticas da divulgação dos segredos da diplomacia ianque, alguns deles risíveis, outros extremamente graves. (Ante)ontem [9/12], em Bruxelas, o chanceler russo Sergei Lavrov comentava revelações do WikiLeaks sobre as atitudes da Otan com relação a seu país: enquanto a organização, sob o domínio de Washington, convidava a Rússia a participar da aliança, atualizava seus planos de ação militar contra o Kremlin, na presumida defesa da Polônia e dos países bálticos. Lavrov indagou da Otan qual é a sua posição real, já que o que ela publicamente assume é o contrário do que dizem seus documentos secretos. Moscou foi além, ao propor o nome de Assange como candidato ao próximo Prêmio Nobel da Paz.

O exame da história mostra que todas as vezes que os suportes da palavra escrita mudaram, houve correspondente revolução social e política. Sem Guttenberg não teria havido o Renascimento; sem a multiplicação dos prelos, na França dos Luíses, seria impensável o Iluminismo e sua consequência política imediata, a Revolução Francesa.

A constatação do imenso poder dos papéis impressos levou a Assembleia Constituinte aprovar o artigo XI da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, logo no início da Revolução, em agosto de 1789. O dispositivo do núcleo pétreo da Constituição determina que todo cidadão tem o direito de falar, escrever e imprimir com toda liberdade. As leis punem os que, mentindo, atingem a honra alheia. A liberdade de imprensa, sendo dos cidadãos, é da sociedade. Das sociedades nacionais e, em nossa época de comunicações eletrônicas e livres, da sociedade planetária dos homens.

É surpreendente que, diante dessa realidade irrefutável, jornalistas de ofício queiram reivindicar a liberdade de imprensa (vocábulo que abarca, do ponto de vista político, todos os meios de comunicação) como monopólio corporativo. A internet confirma a intenção dos legisladores franceses de há 221 anos: a liberdade de expressão é de todos, e todos nós somos jornalistas. Basta ter um endereço eletrônico. As pesadas e, relativamente caras, máquinas gráficas do passado são hoje leves e baratíssimos notebooks, e de alcance universal.

É sempre citável a observação de Isidoro de Sevilha, sábio que marcou o sétimo século, a de que “Roma não era tão forte assim”. Bradley Manning e Julian Assange estão mostrando que Washington – cujo medo é transparente em seus papéis diplomáticos – não é tão poderosa assim. É interessante registrar que o nome de Santo Isidoro de Sevilha está sendo sugerido, por blogueiros católicos, como o padroeiro da internet.

Os jornalistas devem acostumar-se à ideia de renunciar a seus presumidos privilégios. Todos os que sabem escrever e manipular um computador são cidadãos, e ser cidadão é muito mais do que ser jornalista. São esses cidadãos que, na mesma linha de Putin e Lula, se mobilizam, na ágora virtual, para defender Assange, da mesma forma que se mobilizaram em defesa da mulher condenada à morte por adultério. O mundo mudou, mas nem todos perceberam essa mudança.

 

11 dez 2010

Marcos Coimbra: A torcida brasileira por Dilma

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

Para a maioria das pessoas, as eleições vêm e vão. Durante certo período, normalmente nos dois ou três meses que as antecedem, elas se interessam, se motivam, acompanham o noticiário. Discutem com os amigos, põem adesivos nos carros, assistem aos programas eleitorais (na maior parte das vezes, para se divertir um pouco). Por Marcos Coimbra À medida que o tempo passa e a data se aproxima, consolidam tendências a votar em determinado candidato, se decidem e, quando chega a hora, votam. Ficam curiosas enquanto a apuração avança e contentes ou tristes quando sai o resultado. No dia seguinte, tudo começa a voltar ao normal. As conversas escasseiam, os plásticos são retirados dos automóveis. A política reocupa seu lugar na vida cotidiana, raramente grande, salvo para a pequena parcela muito politizada. Essa é diferente, e os eleitores que a integram nunca descansam. Estão sempre preocupados com a política e conhecem os detalhes do seu dia a dia. Para eles, é como se a eleição não terminasse. Meses depois, continuam a defender seu candidato e a atacar os adversários, quando o resto do País nem se lembra mais dela. A eleição presidencial aconteceu há apenas 40 dias, mas ela já é passado para a maior parte da opinião pública. Salvo para os petistas mais entusiasmados ou os tucanos mais aguerridos, o confronto entre Dilma Rousseff e José Serra acabou. A grande maioria dos que votaram na vencedora e dos que acreditaram no perdedor não está mais em campos opostos. É isso que se vê nos dados de uma recente pesquisa nacional da Vox Populi, feita nos últimos dias de novembro. De seus resultados, alguns dos mais relevantes dizem respeito à imagem de Dilma, avaliada em cinco dimensões: Sinceridade, Preocupação com os mais pobres, Ter boas propostas para o País, Liderança e Preparo. O pior resultado da presidente eleita foi obtido no item Sinceridade, com 59% dos entrevistados dizendo que achavam que ela era sincera, e 22% que não. Nos demais atributos, seus números positivos sempre foram iguais ou superiores a 65%: os que acham que ela é Preocupada com os pobres e os que a consideram Preparada para administrar o País estão nesse patamar e os que a avaliam como tendo Melhores propostas e Com liderança chegam a 67%. As avaliações negativas vão de 20% (no item Preocupação com os mais pobres) a 25% (no quesito Preparo para administrar). Ou seja, nunca passa de um quarto a proporção de pessoas que desconfiam da presidente, seja em atributos individuais ou administrativos. Pelo visto, a campanha das oposições não conseguiu convencer mais que uma em cada quatro pessoas de que Dilma não estava habilitada para exercer a Presidência. Na verdade, em todos os atributos, as respostas negativas são inferiores à proporção de votos obtidos por Serra. Lembrando que ele alcançou perto de 41% do voto total, seria possível dizer que cerca de metade das pessoas que votaram no tucano não avalia Dilma de maneira desfavorável um mês e pouco depois da eleição. Inversamente, a proporção dos que a avaliam positivamente, em qualquer um dos cinco itens pesquisados, ultrapassa a votação que obteve. Não é surpresa, portanto, que os próximos anos e o governo Dilma sejam aguardados com otimismo por uma larga maioria dos brasileiros. Quanto à economia, por exemplo, apenas 6% dos entrevistados acham que ficará pior até o final de sua administração, enquanto 65% dizem que melhor (entre eleitores de Serra, 45% têm essa opinião, contra 13% de pessimistas). Comparando o governo que termina com o que começa em janeiro, as expectativas são muito favoráveis, considerando a quase unanimidade que Lula alcançou: 22% acreditam que o governo Dilma será melhor que o de Lula, ou seja, que vai superar algo bom. Os que acham que ela será pior que o atual presidente são 10%, ficando 62% com a impressão de que será igual (6% não sabem). Pensando na posição internacional do Brasil, os sentimentos em relação ao futuro imediato também são de confiança. Quase dois terços dos entrevistados (61%) imaginam que o País continuará a aumentar sua importância no cenário mundial, mesmo sem o carisma pessoal de Lula, e apenas 28% de que isso não vai acontecer. O que números como esses mostram é quão equivocada é a tese de algumas lideranças da oposição, a respeito do tamanho que ela teria alcançado nas eleições que fizemos em outubro. No calor da hora, turbinada por uma campanha fortemente negativa movida contra Dilma pela quase totalidade da “grande imprensa”, a oposição chegou aos 41% que Serra obteve. Mas nem se passaram seis semanas e as coisas voltaram a ficar diferentes. Hoje, por qualquer lado que se olhe (má avaliação da presidente eleita, baixas expectativas em relação ao País e a seu governo), o sentimento oposicionista está mais perto de 20% que de 40%.

* Marcos Coimbra é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi. É colunista de CartaCapital e do do Correio Braziliense.

Em um cemitério da zona leste de São Paulo, o maior da América Latina, está enterrada viva a memória de um período morto da história recente do Brasil. Instaurada no País em 1964 com um golpe de Estado, a ditadura militar sepultou clandestinamente no cemitério de Vila Formosa corpos de opositores políticos que a ela resistiram com armas.

Por Antonio Carlos Prado e Juliana Dal Piva, em IstoÉ

A ditadura morreu em 1985 quando José Sarney foi empossado na Presidência da República após a morte do candidato eleito pelo colégio eleitoral, Tancredo Neves. A memória, que os militares tentaram varrer para debaixo da terra mas sobrevive nos dias atuais de plena democracia, é justamente a desses militantes que foram torturados e assassinados pelo então regime de exceção.

A eles foi dada a esdrúxula situação jurídica de “desaparecidos políticos”, ou seja, não estão nem vivos nem mortos – mas suas “vozes” insistem em não se calar para denunciar a circunstância em que foram enterrados.

Na semana passada, o Ministério Público Federal (MPF) promoveu por cinco dias escavações no local (120 horas de procura contra cerca de 185 mil horas que durou a ditadura), mas já as suspendeu para que o caso seja mais bem analisado. A suspensão dos trabalhos é precoce.

Pelo menos nove corpos de militantes estão ali enterrados, e documentos obtidos por IstoÉ comprovam isso. São laudos necroscópicos do IML (documentos oficiais, portanto) nos quais se lê que, com nomes verdadeiros ou trocados, militantes mortos foram enterrados em Vila Formosa.

O cemitério serviu, na linguagem dos porões do regime, de local de “desova” de corpos a partir de 1969 e 1970 – primeiro período de repressão desenfreada após a promulgação do AI-5, que suspendeu as garantias individuais no País.

IstoÉ descobriu que o primeiro opositor que chegou morto a Vila Formosa foi Carlos Roberto Zanirato. A causa de sua morte, assim como a de dezenas de militantes ao longo de 21 anos de obscurantismo, foi dada pelo IML como “suicídio”. A requisição de exame de Zanirato é a de número 2.777/69. No campo para preenchimento de seu nome, o IML cravou: “desconhecido”.

O Departamento Estadual de Ordem Política e Social chegou ao paroxismo de escrever que ele se suicidara, embora seu corpo tenha chegado à mesa de necropsia com as mãos algemadas. Zanirato desertara do Exército com o capitão Carlos Lamarca e com ele integrou a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), responsável pela guerrilha do Araguaia.

Os restos mortais de pelo menos outros seis militantes da VPR também estão em Vila Formosa: Alceri Maria Gomes da Silva, Edson Neves Quaresma, Joelson Crispim, José Maria Ferreira Araújo, Yoshitane Fujimori e Antonio Raimundo Lucena. “Eu nem sequer fui informada pelas autoridades de que estavam procurando o corpo de meu marido”, diz Damaris Lucena, viúva de Raimundo Lucena.

Aos 85 anos e vitoriosa na luta contra um câncer de estômago, Damaris foi, na época, torturada por 23 dias. Entre seus algozes, segundo ela, estava o tenente-coronel Maurício Lopes Lima – o mesmo que a presidente eleita Dilma Rousseff reconhece como sendo um de seus torturadores. Damaris só não morreu porque foi banida do Brasil em troca da libertação do ex-cônsul japonês em São Paulo Nobuo Okuchi.

O documento do IML obtido por IstoÉ, que comprova que os restos mortais de Lucena estão em Vila Formosa, é o de número 865/70. A requisição de seu exame foi encaminhada com a palavra “Terrorista” escrita ao alto, em letras grandes, grifada, circulada e cercada por quatro traços. Quem caprichou foi o delegado Jair Ferreira da Silva. Ele escreveu que Lucena morreu em tiroteio. O IML atestou que a causa mortis foi “anemia aguda”. No campo sepultamento está anotado “cemitério de Vila Formosa”.

O laudo 4.480/70, encabeçado com um “T” de terrorista, indica que também nesse cemitério está o corpo de José Maria Ferreira de Araújo, enterrado como Edson Cabral Sardinha. Segundo a polícia, morreu de “mal súbito assim que adentrou o distrito”. O IML dá a causa da morte: “indeterminada”. No item sepultamento consta, igualmente, “Vila Formosa”.

Também estão nesse cemitério corpos de militantes de outra organização, a Ação Libertadora Nacional (ALN), uma dissidência do Partido Comunista Brasileiro, que optou pela luta armada e era comandada por Carlos Marighella. Em setembro de 1969, Sérgio Roberto Corrêa e Virgílio Gomes da Silva foram enterrados como indigentes em Vila Formosa.

Sob o codinome de Jonas, Virgílio foi um dos chefes do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick em setembro de 1969 – foi libertado em troca de 15 presos políticos, então banidos do País. Jonas foi preso e faleceu após 12 horas de tortura na Operação Bandeirante (Oban) – gene do que viria a ser o DOI-Codi, um dos maiores aparatos de tortura do Estado já montado na América Latina.

Tendo o Brasil a partir de 1º de janeiro Dilma Rousseff na Presidência da República, um novo alento vem aos familiares que já esperam uma eternidade para dar sepultura digna a seus parentes. “Qualquer coisa que faça nesse sentido será bem-vinda”, diz Maria Amélia Teles, ex-presa e integrante da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos. “Se nos ajudar, a presidente Dilma fará justiça com a sua própria história.”

Leia mais no www.vermelho.org.br