O deputado federal e ex-jogador Romário (PSB-RJ) se pronunciou pelo Twitter após ter a carteira de habilitação apreendida em uma blitz da Operação Lei Seca na madrugada do (10), na Avenida Armando Lombardi, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. “Não é novidade q vcs sabem q eu não bebo né, e tb não é novidade q já fui parado outras vezes. Como qualquer cidadão tenho direito de recusar”, postou Romário, na tarde deste domingo (10). “E foi o que fiz e farei sempre: usar meu direito. Todos nós temos q usar nossos direitos independente de qualquer situação”.

Segundo a assessoria do governo, Romário se recusou a fazer o teste do bafômetro e, por isso, teve a carteira suspensa por cinco dias e levou uma multa de R$ 957,70. Essa é segunda vez em que Romário se recusa a passar pelo bafômetro em uma blitz da Lei Seca. A primeira ocorreu em março de 2010.

Pelo Twitter, Romário afirmou ainda ser favorável à Lei Seca. “Sou 100% a favor da Lei Seca, os números, pesquisas e estatísticas já comprovaram q diminuiu e muito o numero de acidentes”, escreveu, acrescentando que esses acidentes são “provocados por motoristas alcoolizados” e que seus seguidores no Twitter “devem continuar respeitando esta frase: Se beber, não dirija!”.

No Twitter, Romário bate boca com internautas (Foto: Reprodução da internet)

O governo do estado informou ainda que Romário também vai responder a um processo administrativo do Detran.

Ainda segundo o governo, o carro do ex-jogador, da marca Land Rover, não foi rebocado porque foi apresentada documentação regular e um amigo que estava no banco do carona assumiu a direção.

O deputado federal foi parado por volta das 0h, no sentido Recreio dos Bandeirantes, por agentes da Secretaria de Estado de Governo, que conduzia a operação.

Fonte: http://www.meionorte.com

O deputado federal Romário (PSB-RJ) recusou-se a passar pelo bafômetro. (Foto Agência Câmara)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Recusa de famosos ao teste do bafômetro estimula o desrespeito à lei

O número de motoristas flagrados dirigindo alcoolizados nas rodovias estaduais paulistas disparou no primeiro semestre deste ano. O Comando de Policiamento Rodoviário (CPRv) aplicou 2. 179 multas por desrespeito à lei seca entre janeiro e junho deste ano, três vezes mais do que o registrado no mesmo período de 2009 – quando foram 714.

Veja também:
link 
Na Grande SP, total de pegos no bafômetro aumentou 170%

Os dados são da Coordenadoria Operacional da Polícia Militar. A diferença na quantidade de multas neste semestre será ainda maior que períodos anteriores, pois o levantamento atual considerou dados até 4 de junho – nos outros anos, as informações compreendem o período de 1.º de janeiro a 30 de junho.

O número de motoristas multados por dirigir embriagado vem aumentando ano a ano desde junho de 2008, quando entrou em vigor a lei seca – que reduziu o índice permitido para álcool no sangue. Atualmente, uma em cada quatro infrações cometidas nas rodovias é por dirigir embriagado. A grande quantidade de autuações, segundo o CPRv, é consequência de um aperto na fiscalização, principalmente a partir do início deste ano.

“Os últimos dados mostraram que as mortes no trânsito ultrapassaram os homicídios dolosos em todo o Estado. Por isso houve uma ordem do comando (da PM) para que a fiscalização fosse reforçada”, disse a tenente Fabiana Pane, porta-voz do CPRv. Em relação ao ano passado, o aumento nas multas foi de 60% – apesar de os dados serem fechados com 26 dias a menos.

Mas só o aperto na fiscalização não explica totalmente a maior quantidade de motoristas bêbados flagrados. Para efeitos de comparação, o número de motoristas sujeitos ao teste do bafômetro duplicou entre o primeiro semestre do ano passado e o deste ano em todo o Estado – considerando as ações nas cidades e nas rodovias. No mesmo período, triplicou a quantidade de motoristas multados por dirigir embriagados.

Indefinição. Especialistas em segurança de tráfego afirmam que a indefinição a respeito da legalidade da lei seca pode incentivar o desrespeito à legislação. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) ainda vai decidir em última instância quais provas são aceitas para caracterizar a embriaguez. Decisões anteriores foram contraditórias e também há uma ação que questiona a legalidade de uma pessoa produzir provas contra si mesma.

“Essas pendências jurídicas têm influência sobre o desrespeito, pois a ideia que fica é que a regra ainda não foi totalmente estabelecida. Mas, por outro lado, as blitze têm efeito de incentivar o cumprimento”, diz o vice-presidente da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), José Montal.

Megablitz. No último fim de semana, 39.332 pessoas foram abordadas em todo o Estado durante a Operação Direção Segura. Segundo a PM, 20.371 passaram pelo teste do bafômetro, 1.012 se recusaram a passar pela avaliação e 234 foram flagradas com concentração de álcool igual ou acima da permitida. Foram vistoriados mais de 15 mil veículos e 5 mil motos.

Famosos dão mau exemplo

O senador tucano Aécio Neves (PSDB/MG) não quis fazer o teste do bafômetro no mês de abril deste ano. Ele voltava com a namorada para sua residência no Jardim de Alah (zona sul), depois de um encontro com amigos num restaurante do Leblon.

Quando um famoso se recusa a passar pelo teste do bafômetro, como no caso do deputado federal e ex-jogador Romário (PSB), no último fim de semana, cai também a aceitação à abordagem policial por parte da população como um todo.

A avaliação é do chefe do setor de Planejamento e Operações da Polícia Militar, capitão Cássio Araújo de Freitas. ‘Nas duas semanas seguintes, cai um pouco a receptividade. Mas depois a situação volta ao normal. De forma geral, a situação tem melhorado nos últimos tempos.’

Segundo Freitas, as operações da PM têm muito mais uma função preventiva do que de punição aos motoristas. ‘Quando as pessoas percebem que há uma operação, elas preferem não beber a se expor à fiscalização. Dessa forma, é possível prevenir e evitar as tragédias. É o papel educativo dessas ações.’

Em 2010, houve uma redução de 78% no número de motoristas alcoolizados envolvidos em acidentes nas rodovias paulistas na comparação com 2009. Mas, de forma geral, o número de acidentes com mortes cresceu 5%. Segundo a Secretaria de Estado de Logística e Transportes, 2.395 pessoas perderam a vida no período.

PARA LEMBRAR

Lei seca está há 3 anos em vigor

A lei seca entrou em vigor em junho de 2008 e estabeleceu padrões mais rígidos para o consumo de álcool por motoristas.

Todos os que forem flagrados dirigindo bêbados e cujo teste de bafômetro apontar mais de 2 decigramas de álcool por litro de sangue (um chope) será multado em R$ 957, ganhará sete pontos na carteira e perderá o direito de dirigir por um ano. Quando o teste apontar mais de 6 decigramas (duas latas de cerveja), o motorista sofrerá as punições anteriores e ainda será preso em flagrante.

O Estado de São Paulo foi o pioneiro na proibição da venda de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes localizados em rodovias sob jurisdição estadual, em 1999.

Fonte: http://www.estadao.com.br

Fonte: http://www.terrordonordeste.blogspot.com

Os bancários de todo o país se preparam para a 13ª Conferência Nacional, que acontece entre os dias 29 e 31 de julho, em São Paulo. O evento é o mais importante fórum de discussões da categoria, sendo a grande largada para a Campanha Salarial.
Como ocorre todos os anos, os trabalhadores debatem assuntos fundamentais, como emprego e remuneração, saúde e condições de trabalho, segurança bancária e sistema financeiro nacional. A expectativa é de grande mobilização e participação dos bancários.
É na Conferência Nacional que a categoria define a pauta de reivindicações, a ser levada para a mesa de negociação com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) nos próximos meses. É fundamental que os funcionários do sistema financeiro se engajem e lutem para por fim a farra dos bancos no Brasil.
Leia mais:http://www.bancariosbahia.org.br

Trabalhadores, reunidos no 22º Congresso Nacional, querem também melhorias nos planos de cargo e combate ao assédio moral

Os bancos têm condições de pagar um salário justo, afinal o setor é o que mais lucra no país. O assunto foi pauta de um debate amplo durante o Congresso dos Funcionários do Banco do Brasil. O piso defendido pela categoria deve ser o calculado pelo Dieese, cujo valor em maio foi de R$ 2.293,31. Hoje, o piso inicial do bancário do BB é de R$ 1.600,00.

O item é considerado um dos mais importantes, pois recupera cerca de 80% das perdas salariais do governo Fernando Henrique Cardoso. Tem mais. Para o Sindicato da Bahia é inadmissível que os bancos faturem bilhões e não valorizem os empregados. O BB, por exemplo, teve lucro de R$ 2,9 bilhões no primeiro trimestre.
Outro ponto fundamental é a valorização do dirigente sindical. “O dirigente não tem a atenção devida e ainda sofre discriminação”, explica o diretor Olivan Faustino, presente nas discussões. 
O fim dos descomissionamentos também é uma das reivindicações. A perda da comissão significa uma diminuição salarial muito grande para os funcionários e o Banco do Brasil usa a ameaça de descomissionamento para pressionar os bancários. O Congresso foi considerado positivo pelos representantes da Bahia.
Leia mais: http://www.bancariosbahia.org.br
11 jul 2011

Milhares de mulheres sem acesso à Justiça

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado
Apesar de alguns avanços, a situação das mulheres frente ao trabalho e na política ainda é de grande desigualdade. Um estudo divulgado pela ONU Mulheres, entidade criada este ano, afirma que milhares de mulheres no mundo não têm acesso à Justiça e, continuam vítimas da violência.
O relatório relaciona uma série de situações de opressão ao gênero feminino. De acordo com a pesquisa, apesar de em 125 países existirem leis que proíbem a agressão, 603 milhões de mulheres ainda vivem em países onde essa forma de violência não é considerada crime. O documento também chama a atenção para leis baseadas no costume ou religião e que, muitas vezes, restringem os direitos das mulheres em relação ao casamento, divórcio ou ao direito de herdar propriedade.
A pesquisa aponta que em alguns países as mulheres chegam a ganhar até 30% menos que os homens, e que são elas, que realizam mais trabalho doméstico e não remunerado, em todas as regiões do planeta. Em relação à política, a presença feminina nos parlamentos ainda é inferior a 30% na maioria dos países.
Soluções
Entre as soluções apresentadas pela ONU Mulheres de garantir que a Justiça chegue de fato às mulheres, está a participação ativa dos governos, para que revoguem leis que discriminam o gênero feminino.
O órgão ainda sugere investimentos em serviços inovadores, como centros de atendimento integral e assistência jurídica. Além de promover a atuação de mais mulheres em cargos de administração da Justiça, como policiais, juízas e legisladoras. Entre os exemplos a serem seguidos, o relatório aponta a Lei Maria da Penha, no Brasil.
Leia mais: http://www.bancariosbahia.org.br
11 jul 2011

Ataques a bancos chegam a 838 em 2011

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado
Os dados são assustadores e revelam a fragilidade do sistema de segurança bancário. No primeiro semestre, foram registrados 838 ataques as agências bancárias de todo o país. Média de 4,63 por dia. Do total, 301 são referentes a assaltos e 537 arrombamentos.
A Bahia ocupa o segundo lugar no ranking dos mais perigosos, com 61 ocorrências. São Paulo aparece na primeira colocação, com 283 casos. O estado com menor número é Roraima, com 2 registros em seis meses.
O índice faz parte de pesquisa elaborada pela Confederação Nacional dos Vigilantes e divulgada nesta segunda-feira (11/07). O Sindicato da Bahia ajudou na tabulação dos registros do Estado.
Os números mostram o quão assustador é trabalhar em uma agência bancária no Brasil. É comum encontrar agências sem uma câmera de segurança. Sem falar na falta de policiamento nos municípios.
Um levantamento divulgado recentemente revelou ainda que, no primeiro semestre, 20 pessoas foram mortas em assaltos envolvendo bancos, crescimento de 81% em relação ao mesmo período de 2010, quando foram registrados 11 óbitos.
Leia mais: http://www.bancariosbahia.org.br

Acidentes do trabalho continuam acontecendo diariamente nos canteiros das construções.

No primeiro semestre de 2011 já aconteceram 58 acidentes do trabalho nas obras da Bahia, com a morte de seis operários, o mesmo número de óbitos que aconteceu durante todo o ano de 2010.

Sem contar com os acidentes que não são registrados ou denunciados à Imprensa e ao sindicato, e aqueles que os patrões se negam a fornecer a Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT), prometendo assistência e tratam como doença por um tempo e depois abandonam o trabalhador.

A Federação dos Trabalhadores na Construção (Fetracom-BA) e o Sindicato dos Trabalhadores na Construção da Bahia (Sintracom-BA) se unem a entidades nacionais e internacionais, e lançam a campanha “Um Passo Pela Vida – Xô Acidentes do Trabalho na Construção”.

O objetivo é denunciar e conclamar a sociedade a apoiar a luta dos trabalhadores para acabar de uma vez por todas com a situação de insegurança e riscos que está instalada nos canteiros de obras.

A partir desta terça-feira (12), serão realizadas mobilizações em canteiros de obras e distribuição de Carta Aberta à população. A programação acontecerá nos seguintes canteiros, a partir das 6 horas: Vila Privilege, das empresas Syene e GMO, localizado atrás do extra, na Rotula do Abacaxi, onde dois operários morreram no dia 2 de maio; Manhattan (obra da OAS), na Avenida Paralela; Elegance Garibaldi (da Costa Andrade), na avenida Garibaldi; e na obra da Odebrecht, ao lado do Shopping Sumaré.

Os trabalhadores querem: valorização do trabalho; direito à recusa ao trabalho perigoso; 100 horas de treinamento em segurança do trabalho no ato da contratação; proteção e sinalização total nos canteiros de obras; equipamento de proteção individual e coletiva adequados; integração e fortalecimento das Cipas nos canteiros; autonomia para os profissionais de segurança no trabalho.

Entendemos que esse quadro de degradação do ambiente do trabalho foi aprofundado com a globalização neoliberal, quando deveria existir preocupação com a saúde e segurança dos trabalhadores, para que possam produzir, mas também desfrutar a vida com qualidade, sem riscos de tragédias que comprometam o seu futuro e de suas famílias. Ao contrário, a sede que os empregadores têm pelo aumento dos lucros, faz com deixem de adotar medidas necessárias de proteção, segurança e saúde nos locais de trabalho.

Os trabalhadores da construção querem trabalhar, mas não com perigo de morte!

Conforme dados da Organização Mundial do Trabalho (OIT), anualmente em todo o mundo, mais de dois milhões de trabalhadores perdem suas vidas em acidentes do trabalho. E esses números tendem a crescer.

Junto com a Fetracom-BA e o Sintracom-BA, estão promovendo esta campanha a Confederação Nacional da Indústria da Construção e do Mobiliário (Contricom), a Federação Latino-Americana da Construção (Flemacon), União Internacional dos Trabalhadores da Cosntrução, Madeira e Materiais de Construção (UITBB), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e Fórum de Proteção ao Meio Ambiente do Trabalho (Forumat).

A campanha continuará durante o mês de julho, até agosto. Já está programado para acontecer, em 12/08, um seminário para debater a questão da segurança, saúde e prevenção de acidentes do trabalho, sob a visão dos trabalhadores da construção. A programação será divulgada com antecedência.

Confira Carta Aberta da campanha

Fonte: Sintracom-BA

Carlos Pompe *

A pergunta foi feita e respondida por Mariana Ushli Poloni, no seu blog Le Pitanga, o texto abaixo, que reproduzo pela exposição simples, coerente e, a meu ver, correta na sua conclusão.

Eis uma grande questão a ser levantada. Muito mais do que uma questão de cor, de classe social, raça, a religião (ou falta dela) mexe com nossa fé. Você não pode impor fé ou crença à alguém. Ninguém pode obrigar outra pessoa a Acreditar, pode-se obrigá-la a dizer que acredita, agir como se acreditasse, mas o seu fundo espiritual nesse aspecto continuaria vazio.
Agnósticos e ateus têm o direito de acreditar, desacreditar ou duvidar da existência de Deus?
Eu honestamente nunca pensei sobre isso e não me recordo de conhecer algum Ateu ou Agnóstico.
Olhando por uma visão não preconceituosa e de respeito a qualquer ser humano, a resposta é simples: sim. Porém, na história do mundo a Igreja perseguiu e matou milhares de pessoas em nome de um Deus que muitos não compartilhavam a mesma fé.
Ateus e agnósticos passaram suas vidas escondidos e calados. Os poucos que tiveram coragem de expressar seus pensamentos e ideias não estão mais vivos.
A influência da Igreja Católica atualmente está longe de ser desprezível, pois um sexto da população mundial é católica.
Há quem diga que os tempos mudaram e que atualmente “não crer” não é mais uma questão levada a ferro e fogo (vida ou morte) pela Igreja. De fato, a Igreja perdeu muito do seu poder. Na antiguidade a Igreja já foi o poder maior dentro da política de uma sociedade e era ela quem ditava regras e julgava o certo e errado. Atualmente a Igreja em (quase) nada interfere na forma de governar um país.
Recentemente ateus e agnósticos decidiram não se calar mais perante as descriminações. Através da ATEA, a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos, retomaram seu poder de fala e suas reinvidicações por respeito.
Em setembro de 2010 a ATEA protocolou uma ação contra o José Luiz Datena. Em um de seus programas na Bandeirantes, no mês de agosto, Datena relata a ação de bandidos que entram num sítio, roubam e ainda estupram uma mulher. Em seu relato ele afirma que esses bandidos “não possuem Deus no coração”. Logicamente que membros da ATEA se enquadram nessa frase e nem por isso são criminosos sem escrúpulos. Datena ainda comenta no ar, afirmando “que se lasque quem não acredita em Deus… quem não acredita em Deus geralmente não tem limites…”
A ATEA esta veiculando uma campanha patrocinada por ateus em ônibus de Porto Alegre e Salvador, com cartazes que nos fazem pelo menos pensar.
A ideia da campanha é clara e não tem como objetivo ganhar seguidores e sim encontrar o seu espaço dentro de uma sociedade majoritariamente católica e nesse aspecto preconceituosa. “Ter um lugar à sociedade significa também que nossos pontos de vista têm o mesmo direito de exposição que todos os demais, atentando sempre para críticas em tom civilizado dirigidas às idéias, e não a pessoas.”
Nesse post falo da Igreja Católica, pois essa é minha religião. Eu sou Católica e fui educada a vida inteira em um colégio religioso. Acredito em Deus e em Jesus Cristo, assim como questiono alguns pontos e condeno alguns comportamentos da Igreja. E isso não me faz melhor ou pior que ninguém.
Porém a minha crítica aqui vale para todas as religiões, lembrando que um dos maiores massacres na moral dos EUA, a queda do WTC, foi assinado por muçulmanos.
Admiro a iniciativa da ATEA e como eles compartilho a ideia de que CARÁTER esta desvinculado de religião. Não precisamos de um Deus pra nos dizer o que é moral, o que é certo. É necessário respeitar a opinião, cultura e religião de cada um.
Num planeta globalizado, mas com tantas diferenças de raças, povos, culturas, formas de governar e viver, é imprescindível o conceito de moralidade para mantermos o equilíbrio da sociedade, respeitando o espaço e a individualidade de cada um. Se cada povo precisa de um Deus pra encontrar a moralidade, que assim seja. E se existe pessoas que a encontram de forma totalmente desvinculada a Deuses e religiões, que assim seja também.
O que é inconcebível é não só ser dependente de um Deus ou doutrina para alcançar a civilidade, como usá-los para transgredir os direitos do outro, matando, aprisionando e discriminando.
Em minha opinião um dos cartazes mais emblemáticos da campanha da ATEA carrega a seguinte frase: “Somos todos ateus com os deuses dos outros”.
Então porque condenar aqueles que não acreditam em Deus algum, ou que duvidem da existência e de uma força maior?

*Carlos Pompe –  Jornalista e curioso do mundo.

Foi publicada nesta quarta-feira (06), na página oficial do Ministério da Saúde, uma das notícias mais aguardadas pelos Médicos Veterinários de todo o país. O Ministério da Saúde definiu que serão ampliadas as especialidades de profissionais que irão atuar nos Núcleos de Apoio a Saúde da Família (NASFs). Uma conquista que teve a participação importante do Sindicato dos Médicos Veterinários da Bahia e da FENAMEV. O Sindicato fez uma forte pressão sobre os parlamentares baianos, apresentando a importância do assunto e buscando apoio. Vencida esta etapa, o sindicato irá lutar pela contratação dos Médicos Veterinários pelas prefeituras do Estado.

O tema foi motivo de inúmeras discussões em encontros sindicais e eventos científicos de Saúde Pública e da Medicina Veterinária, a exemplo do Conbravet, além de mobilizações e reuniões com as autoridades do Ministério da Saúde, parlamentares e Organizações de Prefeitos. O sonho virou realidade e os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASFs) serão aprimorados na Nova Política Nacional de Atenção Básica, do Governo Dilma, com a inclusão do Médico Veterinário, essencial para melhoria da saúde pública e mais garantia de mercado de trabalho.

Dentre as mudanças, está definida a ampliação das especialidades profissionais que poderão passar a atuar nos NASFs. Atualmente, os núcleos podem ser compostos – por decisão das secretarias municipais de saúde – por psicólogo, assistente social, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, profissional da educação física, nutricionista, terapeuta ocupacional, ginecologista, homeopata, acupunturista, pediatra e psiquiatra.

Os NASFs são constituídos por equipes multiprofissionais que trabalham no apoio às equipes da Estratégia Saúde da Família. Nos Núcleos, os profissionais desenvolvem atividades como consultas e diagnósticos conjuntos e ações de educação em saúde.

Para a definição dos profissionais que compõem os NASFs, as secretarias municipais de saúde utilizam critérios como as especificidades e prioridades em saúde das comunidades como também a disponibilidade dos profissionais na região. Nas palavras do Secretário de Assistência à Saúde, do Ministério da Saúde, Dr. Helvécio Miranda, a inserção do médico veterinário representa mais de que o reconhecimento da necessidade, mas também o valor deste profissional na Saúde Pública.

Atualmente, o país conta com 1.371 NASFs, sendo 1.234 tipo I e 137 tipo II, presentes em 998 cidades. Os municípios que contam com o NASF I recebem, do Ministério da Saúde, R$ 20 mil para a instalação e mais R$ 20 mil mensais para o custeio dos Núcleos. A modalidade tipo II conta com R$ 6 mil para implantação e mais R$ 6 mil mensais para custeio. Os recursos são repassados do Fundo Nacional de Saúde para os fundos municipais de saúde.

Agradecemos ao Ministro da Saúde Alexandre Padilha e a Presidente Dilma Roussef por mais esta importante conquista para os médicos veterinários e para a saúde pública do Brasil.

Fonte: http://www.sindimev.org.br/

 

9 jul 2011

Rafinha Bastos é alvo do Ministério Público

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

Por Altamiro Borges

Numa decisão que irritará os donos da mídia, que se consideram acima das leis e do Estado de Direito, o Ministério Público de São Paulo pediu hoje (7) a abertura de inquérito policial contra o humorista Rafinha Bastos, do programa “CQC” da TV Bandeirantes, para apurar suas recentes declarações machistas sobre o estupro, que caracterizariam incitação e apologia ao crime.

As declarações foram feitas em seu show de comédia stand-up e foram reproduzidas na revista “Rolling Stone”. O “humorista” afirmou na ocasião que toda mulher que reclama que foi estuprada é feia, e que o homem que cometeu o ato merecia um abraço, e não cadeia.

“O estupro é um crime”

O pedido de abertura do inquérito foi feito pela promotora de Justiça Valéria Diez Scarance Fernandes, coordenadora do Núcleo de Combate à Violência Doméstica e Familiar. No ofício, ela argumenta que Rafinha Bastos compara o estupro a “uma oportunidade” para determinadas mulheres e o estuprador a um benfeitor, digno de “um abraço”. “O estupro é um crime. O estuprador é um criminoso que deve ser punido e não publicamente incentivado”, conclui Valéria Fernandes.
A ação é resultado de representação feita à Promotoria pela coordenadora do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher, da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, Thais Helena Costa Nader. Quando da “piadinha” de péssimo gosto, o Conselho Estadual da Condição Feminina de São Paulo, órgão composto por representantes da sociedade e do poder público, divulgou dura nota de repúdio:

Reflexo da pressão popular

“A liberdade de expressão, direito previsto constitucionalmente, encontra limite quando em choque com outro direito, que é o da dignidade da pessoa humana, que está acima de qualquer outro”, diz a nota. O conselho viu na piada de Bastos conteúdo machista e preconceituoso, “encorajando homens, bem como fazendo parecer que o crime de estupro, hediondo por sua natureza, não seja punível”.
O “humorista” também foi alvo de várias manifestações de protesto. Em São Paulo, as participantes da Marcha das Vadias realizaram um ato de repúdio em frente ao Comedians, o clube de comédia de Rafinha Bastos. No Rio, ele também foi vaiado por suas declarações machistas. Agora, com a decisão do MP paulista, o “humorista” terá que prestar esclarecimentos. A coisa esquentou!

Leia mais: http://altamiroborges.blogspot.com