25 ago 2011

Banana ajuda a combater a insônia

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

Substância presente na fruta acalma e regula a atividade cerebral noturna

Pesquisadores da Universidade das Filipinas comprovaram que comer banana ajuda a combater insônia. Foram testadas 20 pessoas que sofriam de  insônia. Todos os voluntários ingeriram duas ou três bananas por dia, durante seis meses, e não mudaram em nada seus hábitos diários. Após esse período de teste, constatou-se que 15 dos 20 pacientes conseguiram dormir sem grandes dificuldades e mantiveram sono tranquilo e normal após a pesquisa.
A explicação para essa alteração positiva do sono destes pacientes ocorre por que a fruta é rica em triptofano, um antidepressivo natural, que regula os níveis de serotonina no cérebro e melhora o humor das pessoas. Quando ingerido à noite, a substância o acalma e diminui a atividade cerebral intensa, fazendo com que a pessoa consiga se “desligar” com mais facilidade. Os pesquisadores filipinos observaram ainda outras virtudes da banana para a saúde, como os altos níveis de vitamina A, C, K e B6.

Leia mais: http://www.minhavida.com.br


As tarifas praticadas pelas instituições bancárias foram padronizadas em 2008, por meio da Resolução nº 3.518 do Conselho Monetário Nacional (CMN). Desde então, os bancos são obrigados a deixar claro aos consumidores todos os serviços cobrados, além de oferecer pacotes que contenham os chamados serviços essenciais.
No entanto, o consumidor ainda deve estar atento sobre seus direitos no momento de mudar de pacote de serviços no banco, ou na hora de negociar sobre quais serviços são realmente necessários ao seu perfil de utilização.
“Atualmente, existem 30 tarifas que podem ser praticadas pelas instituições financeiras”, explica a economista do Idec, Ione Amorim. No entanto, poucos consumidores têm conhecimento sobre o que significa cada tarifa cobrada, a exemplo do chamado adiantamento de depósito ao contribuinte.
“Essa tarifa é cobrada quando o consumidor faz a emissão de um cheque e eventualmente está sem saldo na conta – ou até mesmo excede o limite do cheque especial. Nesse caso, a instituição bancária cobra o valor do cheque, sem consultar o consumidor, mas cobra uma tarifa que pode chegar a R$ 30”, diz o economista.
O cobrança alta pelas movimentações e serviços deve ser observada com atenção pelo consumidor, que pode cancelar ou mudar a qualquer momento o pacote de serviços adquirido no momento de abertura da conta.
Vale lembrar que, de acordo com a regulamentação do Banco Central (BC), no caso de aumento das tarifas, os bancos devem comunicar ao consumidor com, no mínimo, 30 dias de antecedência.
O consumidor deve possuir fácil acesso às informações relativas aos serviços cobrados, na página do banco na internet e em tabelas na própria agência informando quais são os serviços prioritários e quais os essenciais, ou seja, aqueles que não podem ser cobrados.
Entre as operações que não podem ser cobradas pelos bancos, estão desde o fornecimento de cartão com a função débito, até o fornecimento de dois extratos por mês, contendo a movimentação da conta nos últimos 30 dias, por meio do guichê da agência ou do caixa eletrônico.
Além disso, o consumidor também tem direito gratuitamente a até quatro saques mensais, realização de até duas transferências entre contas da mesma instituição e fornecimento de dez folhas de cheque por mês.
A regulamentação também estabelece que os saques em terminais de autoatendimento em um intervalo de até 30 minutos deve ser considerado como uma só operação.
Já os serviços prioritários podem ser cobrados pelas instituições financeiras. Se encaixam nessa modalidade o fornecimento da segunda via do cartão, em casos de perda, furto ou roubo, além da emissão de cheque administrativo.

Pacotes

O consumidor paga um valor médio de R$ 20 por mês, pelos quais pode usufruir de serviços básicos, como determinado número de saques e um número razoável de folhas de cheque por mês.
“No entanto, frequentemente os bancos não deixam claro ao consumidor se ele está ultrapassando esse limite, tampouco há a preocupação de indicar ao consumidor um pacote de tarifas com a maior compatibilidade possível com as suas movimentações”, alerta a economista.

Fonte: Diário de Suzano

A taxa de juros cobrada pelo uso do cheque especial chegou a 188% ao ano, em julho, informou nesta quarta-feira (24) o Banco Central (BC). Em relação a junho, o aumento foi de 3,3 ponto percentual. A taxa registrada em julho é a maior desde abril de 1999, quando ficou em 193,65% ao ano.

Enquanto a taxa do cheque especial subiu, os juros cobrados pelo crédito pessoal, incluídas operações consignadas em folha de pagamento, caíram 0,3 ponto percentual, para 48,7% ao ano. A taxa cobrada para a compra de veículos caiu nessa mesma proporção (0,3 ponto percentual), para 29,5% ao ano.

Fonte: Agência Brasil

Um homem de 38 anos, que foi baleado durante uma “saidinha de banco” na tarde de terça-feira (23), morreu no Hospital de Urgência de Goiânia (Hugo), segundo informações do Posto Policial do hospital. A vítima foi baleada após reagir a um assalto na Avenida Absay Teixeira, no Jardim Guanabara III, em Goiânia.

Clique aqui para ver o vídeo da reportagem na Globo.

Ele havia sacado cerca de R$ 50 mil de uma agência bancária localizada na Avenida Castelo Branco, no Setor Coimbra, e de outra agência no Setor Fama. A vítima era proprietária de uma confecção.

Ele foi levado em estado gravíssimo para o Hugo, passou por uma cirurgia, mas não resistiu.

Fonte: G1

Estresse, pressão constante, baixa tolerância ao erro, sensação de tensão permanente e medo de assalto. Foi assim que os bancários se referiram ao trabalho dentro dos bancos quando consultados pela pesquisa “Visão da organização do trabalho e do ambiente de trabalho bancário na saúde física e mental da categoria”, realizada pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo entre novembro de 2010 e janeiro de 2011.
O estudo, inédito, foi apresentado pelo secretário de Saúde do Sindicato, Walcir Previtale, na manhã desta quarta-feira 24, no Seminário Saúde dos Bancários, e reforçou com dados que a categoria é uma das que mais adoece mental e fisicamente. “Os números mostram o que a gente já percebe no atendimento à categoria no Sindicato, situações de assédio moral e pressão por metas são uma das queixas mais frequentes dos bancários que nos procuram”, disse Walcir.
Apesar de a maioria ser jovem – 65% têm até 35 anos -, 84% relataram já ter sentido algum problema de saúde com uma frequência acima do normal. E no ranking desses problemas o estresse ocupa o primeiro lugar, apontado por 65% dos entrevistados.
Mais da metade (52%) disse ter dificuldade para relaxar e estar sempre preocupado com o trabalho. Cansaço e fadiga constantes foram apontados por 47% deles, e 40% afirmaram sentir dor ou formigamento nos ombros, braços e mãos.
Para 65% dos funcionários de agências e 52% dos de concentrações, a pressão excessiva por cumprimento de metas é um grande problema; 72% dos caixas e 63% dos gerentes declararam sofrer pressões abusivas para superar as metas, e 42% dos bancários afirmaram ter sobrecarga de trabalho.
Chega a 42% os que disseram já ter sofrido algum tipo de assédio moral; 49% não sentem seus esforços reconhecidos; 44% já tiveram dificuldades expostas para todo mundo ouvir; 31% já foram chamados de incompetentes mesmo batendo metas; e 34% sofreram ameaças de demissão.

Afastados

Os bancários afastados por doenças ocupacionais também fizeram parte da pesquisa. Foi constatado que em geral eram profissionais exemplares que acreditavam que o banco era a melhor empresa para trabalhar, que normalmente assumiam tarefas acima de suas responsabilidades e estavam sempre disponíveis para horas extras e trabalho aos finais de semana.

Leia matéria completa clicando no link abaixo:

http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=27736

Os bancos no Brasil ganham R$ 3,5 milhões por dia concedendo cheque especial a clientes, segundo dados fornecidos pelo Banco Central e compilados pelo Radar Econômico e pela jornalista Yolanda Fordelone, do blog “No Azul”.
Esse valor corresponde aos juros a que as instituições financeiras cobram dos clientes com as concessões desse tipo de empréstimo a cada dia. Não desconta o que o banco perde, por exemplo, com inadimplência ou o que precisa deixar depositado compulsoriamente no BC.
As instituições financeiras cobraram, em média, uma taxa de 188% ao ano por empréstimos no cheque especial, segundo o BC, um percentual que não era visto desde 1999. Por dia, isso dá 0,29%, considerando juros compostos. Os bancos concedem diariamente R$ 1,179 bilhão em empréstimos de cheque especial.

Fonte: http://www.contrafcut.org.br

BRASÍLIA – Os juros do cheque especial bateram recorde em julho e são os mais altos nos últimos 12 anos. A média paga por quem ficou no vermelho chegou a uma taxa de 188% ao ano. Só no mês passado, a alta dessa taxa foi de 3 pontos percentuais, segundo divulgou nesta quarta-feira o Banco Central (BC).
– O juro do cheque especial reflete o perfil do tomador porque tem taxa diferenciada dentro da mesma instituição – diz o chefe do departamento econômico do Banco Central, Túlio Maciel, ao explicar o motivo de uma alta tão grande sendo que a taxa básica de juros subiu apenas 0,25 pontos percentuais no último mês.

Média de alta dos juros foi de 0,2 pontos

A taxa média de juros das operações referenciais de crédito dos bancos brasileiros subiu de 39,5% em junho para 39,7% em julho, segundo dados do Banco Central divulgados nesta quarta-feira. No mês passado, o volume de crédito concedido a clientes inadimplentes também teve um leve aumento.
A elevação foi puxada pelos negócios com empresas, para quem o custo cresceu 0,6 ponto percentual e situou-se em 31,4% ao ano. Para as famílias, a média recuou 0,4 ponto percentual, a 45,7% ao ano.

Taxa média de inadimplência sobe a 5,2% em julho e engloba quase metade do total emprestado por bancos

O volume financeiro dos contratos com pagamentos em atraso há mais de 90 dias, critério usado pelo BC para medir inadimplência, saiu de 5,1% em junho para 5,2% do total de operações referenciais.

Leia matéria completa clicando no link abaixo:

http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=27754

Luiz Trabuco (Foto: Agência Estado)

O presidente do Bradesco, Luiz Trabuco, recebeu do banco em 2010 em salários e bônus a impressionante quantia de R$ 10,4 milhões, segundo matéria da Folha de S. Paulo desta sexta-feira, 15. Os ganhos astronômicos do executivo contrastam com a remuneração dos funcionários da empresa.

Um bancário do Bradesco que recebe o piso da categoria acumularou no ano aproximadamente R$ 26,4 mil – incluídos regra cheia da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), ticket refeição e vale alimentação. Dessa forma, o presidente da empresa recebe 394 vezes mais que os funcionários com os menores salários do banco.

O Banco do Brasil também divulgou o salário de seu presidente, Aldemir Bendine: R$ 800 mil no ano, um valor 26,6 vezes maior que o ganho aproximado de um funcionário do BB que recebe o piso (também incluídos PLR e tickets).

Os valores foram declarados pelos bancos à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), seguindo determinação da própria entidade que obriga companhias abertas a divulgarem os salários dos principais executivos.

“É uma distância absurda, que denota a falta de justiça dentro das empresas e na própria sociedade brasileira. O Brasil vem crescendo economicamente, já é a oitava maior economia do mundo, mas está entre os dez países mais desiguais. Isso precisa mudar”, afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT. “O Brasil precisa distribuir renda, e isso acontece por meio das lutas dos trabalhadores por melhores salários. Com um rendimento desse nível, como Trabuco terá moral para negar reajuste aos trabalhadores?”, questiona.

Leia matéria completa clicando no link abaixo:

http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=27262

Um homem de 27 anos morreu após ser baleado na cabeça e no peito durante um assalto na avenida Brasil, em Bonsucesso, na zona norte do Rio de Janeiro, na tarde desta quarta-feira (24).
A vítima, que morava da favela Nova Holanda, foi rendido por bandidos ao sair de uma agência bancária. Quando chegou ao local, a PM já encontrou o jovem ferido.
A vítima chegou a ser levada para o Hospital Federal de Bonsucesso mas não resistiu aos ferimentos. Os criminosos fugiram com o dinheiro do rapaz.
Foi o segundo caso de morte provocada por este tipo de crime, popularmente conhecido como “saidinha de banco”, em menos de uma semana no Rio.
Na última sexta-feira (19), um idoso de 61 anos foi assassinado em circunstâncias semelhantes no bairro da Tijuca, na zona norte.

Leia mais: http://www.contrafcut.org.br

25 ago 2011

Classificados do Língua de Fogo

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

CARROS

VENDE-­SE: Carro Prisma ­ 07/07, completo. Contato: 8168­ 9948 ­Marcel Heiderich.

VENDE-­SE: Astra Advance ­ 2006/2007, cor prata, IPVA 2011, km 55.000, R$ 29.800,00. Contato: Lucas Leal ­ 8812­2221

Atenção usuários desse Classificados:

Pedimos encarecidamente ao bancário que faz uso do nosso quadro de Classificados, que ao vender seu produto anunciado, favor informar à imprensa do Sindicato pelo e­mail: bancariositabuna@bancariositabuna.com, para não repetirmos o anúncio de um bem não mais disponível. Grato.