15 mai 2011

Glass Walls – Paredes de Vidro

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

No vídeo “Glass Walls” (Paredes de Vidro), produzido pela PETA, Paul McCartney expõe de forma detalhada e contundente a indústria de carnes, ovos e leite. Legendado por Aline Caliman e Guilherme…

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=FgavacZ_47Q]

15 mai 2011

Umuntu ngumuntu nagabantu

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado
"Uma pessoa é uma pessoa por causa das outras pessoas" (Ditado sul africano da tribo Ubuntu)


A jornalista e filósofa Lia Diskin no Festival Mundial da Paz em Floripa (2006) nos presenteou com um caso de uma tribo na África chamada Ubuntu. Ela
contou que um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo e,quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria
até o aeroporto de volta pra casa. Sobrava muito tempo, mas ele não queria catequizar os membros da tribo então, propôs uma brincadeira pras crianças
que achou ser inofensiva.
Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, botou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e tudo e colocou debaixo de uma árvore. Aí ele
chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse “já!”, elas deveriam sair correndo até o cesto e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces
que estavam lá dentro.
As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse “Já!”
instantaneamente todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto. Chegando lá, começaram a distribuir os doces
entre si e a comerem felizes.
O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim,
ganhar muito mais doces. Elas simplesmente responderam: “Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?”
Ele ficou de cara.Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo e ainda não havia compreendido, de verdade, a essência daquele povo. Ou jamais
teria proposto uma competição, certo?
Ubuntu significa: Sou quem sou, por quem somos todos nós!

Fonte: http://br.groups.yahoo.com/group/3setor/messages

Em tempos em que Cuba estuda facilitar, ainda mais, a saída de seus cidadãos para o exterior, é interessante discutirmos uma das maiores mentiras subliminares construídas contra a Revolução: aquela que faz pressupor que todo cubano que sai ou saiu de Cuba e estabeleceu residência em outro país é um opositor do governo revolucionário.

Nada mais mentiroso do que isto. E a prova está no fato da existência das dezenas de Associações de Cubanos e descendentes existentes pelo mundo.

Hoje mesmo, lemos a declaração final do IV Encontro de Cubanos Residentes na França e do I Encontro de Jovens Descendentes, que confirmam as insígnias revolucionárias: “Viva Fidel, Raúl e o nosso heróico povo Cubano! Viva Cuba independente e socialista”.

E o exemplo se alastra pelo globo: no México, na Venezuela, na Colômbia, na Argentina, na Alemanha, na Espanha, no Reino Unido, em Portugal, toda Europa, Japão, etc.

Também, nos Estados Unidos, para onde foram a maioria dos cubanos saídos de Cuba, é completo engano pensar que todos estão contra a Revolução. Desconsiderando a Máfia de Miami e seus lacaios, muitos cubanos residentes naquele país continuam vinculados e defendendo sua Revolução.

A campanha feita pela Aliança Martiniana a favor dos Cinco Heróis; o TheCuban5.org, de Oakland, Califórnia; são apenas um pequeno exemplo não só de apoio, mas de ação efetiva em favor da Revolução Cubana em terras ianques.

No Brasil não poderia ser diferente: a Associação Nacional de Cubanos Residentes no Brasil (ANCREB-José Martí) representa estes cubanos revolucionários residentes pelo mundo, atuando em favor de Cuba, de sua Soberania e Independência, da força indomável de seu povo e da fortaleza das ideias de justiça, que a fizeram a Revolução possível, como expressou a Nota do Governo Cubano da última segunda-feira (9).

Torna-se evidente que a saída de Cuba, em busca de outras condições de vida econômica, não alterou inteiramente a condição ideológica desses cubanos. Eles sabem que as alternativas que não encontraram em seu país, devem-se a conseqüência do criminoso bloqueio econômico perpetrado pela burguesia estadunidense contra a Revolução Socialista. Os cubanos que residem conosco são explícitos quando defendem “A eliminação do criminal bloqueio imposto a nosso país”.

Assim, na batalha das ideias proposta pelo Comandante em Chefe, Fidel Castro Ruz, podemos e devemos desmascarar aqueles que atacam a Revolução com mais esta mentira.

Fonte: Solidários

O Movimento dos Docentes, Servidores Técnicos e Estudantes da Universidade Estadual de santa Cruz (UESC),com apoio do Diretório Central dos Estudantes Carlos Marighela (DCE/UESC) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB/Regional Sul da Bahia), realizou manifestação hoje, em frente à Prefeitura de Ilhéus.

O Presidente do DCE, Thiago Fernandes considerou que a manifestação e da mobilização dos professores, funcionários e estudantes tende a crescer devido ao silêncio da secretaria estadual de Educação e do governador Jacques Wagner em não atender as reivindicações dos grevistas. “O DCE vem apoiando e participando da luta da comunidade universitária por autonomia, melhores salários e condições de trabalho para professores e funcionários além de melhorias para os estudantes. Nossa entidade foi a primeira a se manifestar publicamente quanto ao decreto 12.583/11 do governo estadual que feriu a autonomia de nossas universidades”, pontuou Thiago.

O coordenador da CTB/Regional Sul da Bahia, Francisco André, defendeu o movimento grevista e apelou para o governo do Estado no sentido de romper o silêncio e iniciar as negociações com os representantes da comunidade universitária. “A CTB não poderia ficar de fora desta luta por mais investimentos estaduais na UESC como melhoria nos salários, contratação de mais professores e melhorias na assistência estudantil”, defendeu André.

Durante os protestos, os manifestantes cantaram músicas irreverentes através do coral de professores, além houve um corte de barbas coletivo em alusão à venda da barba de Jacques Wagner para a multinacional Gillette, fato ocorrido nesta semana. Após a manifestação, professores, estudantes, funcionários e sindicalistas realizaram uma passeata no centro de Ilhéus com distribuição de panfletos.

As centrais sindicais estiveram audiência, nesta terça-feira (10), com o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), João Oreste Dalazen, quando pediram a revogação da Súmula 369, que restringe a liberdade sindical e limita em sete o número de dirigentes sindicais que gozam de estabilidade provisória.

Eles acusam empresários de terem demitido diretores dos sindicatos que não pertencem as diretorias executivas. Essas demissões têm sido referendadas na Justiça do Trabalho, com base nesta súmula, o que representa um grande ataque aos trabalhadores.

Periodicamente, o TST abre a possibilidade de rever algumas decisões suas que se transformaram em jurisprudência, desde que haja reivindicação de setores interessados. O ministro se comprometeu em levar esta demanda aos demais juízes para avaliação e possível revisão, lembrando que na próxima semana, o tribunal vai parar as atividades ordinárias para discutir as normas internas e externas relativas à prestação jurisdicional, e está recebendo sugestões neste sentido de instituições e entidades interessadas.

De acordo com os sindicalistas, o número é muito limitado e “impede a livre organização sindical, estimulando a demissão de dirigentes e ampliando a incidência de atos antissindicais”. Eles defendem que seja observado o tamanho da representação de cada órgão de classe para a definição proporcional da quantidade de diretores com estabilidade.

Estiveram presentes na visita ao presidente do TST os representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Sindical e Popular (Conlutas) e União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Leia mais: www.vermelho.org.br


O vereador de Itabuna (BA) Wenceslau Júnior (ao centro entregandodocumento a Haddad), o deputado Daniel Almeida (à esq., em pé, de terno cinza) e a deputada Alice Portugal (à dir.), ambos baianos e do PCdoB, participaram da entrega do pleito.

O sonho do acesso à universidade pública federal para os jovens do Sul e Extremo Sul da Bahia está perto de se tornar realidade. A avaliação é do deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA). O parlamentar, acompanhado de mais seis deputados baianos foi recebido pelo ministro Fernando Hadad, da Educação, na manhã desta quinta-feira (12), em Brasília, para tratar do assunto.

Durante a reunião, os integrantes da Bancada Baiana, apresentaram o pleito da criação de duas novas universidades federais no interior do estado. Uma para ser instalada em Itabuna que atenderia a região Sul, Baixo Sul, Médio Rio de Contas, Extremo Sul, e Itapetinga; e outra para ser implantada em Barreiras, beneficiando toda região Oeste e Sudoeste da Bahia.

Segundo Daniel, o ministro mostrou-se bastante sensível à reivindicação, e assumiu o compromisso de levar a solicitação à presidente Dilma Roussef nos próximos dias. Para o parlamentar, existe um vazio no interior do estado quando se fala em ensino público superior federal. “Os antigos políticos que estiveram no poder durante tanto tempo não se preocuparam em promover a expansão das universidades. Hoje esta demanda é crescente e temos a obrigação de atendê-la”, destacou.

A Bahia possui atualmente uma população aproximada de 14 milhões de habitantes, dentre eles 2 milhões são jovens de 18 a 24 anos, em condições de frequentar uma universidade. Por 59 anos o estado manteve apenas uma universidade federal, a UFBA.

O desenvolvimento econômico e os novos investimentos que tem chegado ao Sul da Bahia, como a Ferrovia Oeste Leste e o Porto Sul, exigem a implantação de uma universidade federal na região. Esta demanda se tornou uma das principais bandeiras de luta da população.

O vereador Wenceslau Júnior, de Itabuna, coordenador do Comitê em Defesa da Universidade do Sul da Bahia, aponta a carência de novas vagas. “A única universidade pública que temos é a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), mas a demanda é bem maior do que ela pode oferecer”, avalia Wenceslau, que também participou da reunião no ministério.

Para o vereador “é inconcebível se pensar em desenvolvimento regional – e isso é uma realidade nas cidades do Sul e Extremo Sul, sem se pensar em investimento na qualificação de pessoal e na produção do conhecimento”, ressalta.

Animado com o resultado da audiência, Wenceslau Junior afirmou que o próximo passo do grupo é buscar um encontro com o governador Jacques Wagner. Segundo ele, isto deve acontecer ainda este mês, vai depender apenas da disponibilidade de agenda do governador.

Participaram da audiência no ministério da Educação, os deputados Nelson Pelegrino (PT), coordenador da bancada da Bahia, Daniel Almeida e Alice Portugal, ambos do PCdoB, Valmir Assunção, Geraldo Simões e Amauri Teixeira, todos do PT e Oziel Oliveira, do PDT.

Colaborou, de Brasília, Karlos Dias


12 mai 2011

No We Can't – Como Obama se tornou Bush

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

Emerson Damasceno
De Fortaleza (CE)

Em artigo publicado esta semana e que restou como um dos mais visualizados da internet, o filósofo Noam Chomsky, criticou duramente a operação que levou à morte de Osama Bin Laden. O artigo cujo título é My Reaction to Osama Bin Laden’s Death (algo como Minha reação à morte de Osama Bin Laden), o intelectual norte-americano critica o que chamou de assassinato planejado, sem que houvesse uma tentativa de capturar vivo um alvo aparentemente desprotegido.

Embora a opinião de Chomsky, que resta sem meio-termos em sua avaliação, possa vir a ser questionada em seu próprio país ante sua inegável posição de esquerda, ela soma-se a outras em todo o mundo, questionando o Governo democrata de Barack Obama que, dentre outras coisas, admitiu que houve a realização de práticas não ortodoxas de interrogatório para se chegar ao paradeiro de Bin Laden. Para quem não se recorda, o discurso de Obama, ao buscar a diferenciação da administração Bush, era outro, um deles, de forma bem clara, inclusive, prometia o fechamento de Guantánamo, um dos cartões-postais da administração anterior e uma prisão que mais simboliza para grupos de militância pelos direitos civis, uma pedra no histórico democrático dos EUA.

Algumas regras comezinhas de direito internacional, aliás, foram esquecidas pelos EUA quando resolveram enviar comandos armados para outro País, a fim de capturar o então terrorista mais procurado da história. Antes mesmo da operação, como admitiu o atual chefe do FBI, as práticas de interrogatório que simulam afogamentos, privação do sono e outras barbaridades que não se coadunam com um discurso que buscava ser diferente do que os republicanos comandados por George Bush e Dick Cheney pensavam e praticavam, foram colocadas em prática a fim de conseguir extrair o endereço de Bin Laden. Se internamente a morte de Bin Laden serviu para reerguer a popularidade de Obama, aos olhos internacionais os EUA continuam sendo o mesmo País de antes, em que pese o carisma de Obama distinguir do carrancudo Bush.

Em seu texto, Chomsky levanta a tese de que até hoje não houve um julgamento a fim de que Bin Laden respondesse pelos acontecimentos de 11 de Setembro. Em solo americano, aliás, o due process of law e o fair trial são dois pilares do direito dos EUA e emblemáticos na construção de sua democracia e que parecem completamente alienígenas quando se tratam de estrangeiros em situação suspeita para os EUA. Nisso, Chomsky provoca com razão quando ressalta que o tratamento dado aos perseguidos na tal “Guerra ao Terror” iniciada por George Bush, não dispõem. Isto tudo sem mencionar as prisões secretas, o tratamento dado aos presos de guerra e as recentes denúncias dadas pelo Wikileaks, de que muitos dos presos detidos em Guantánamo foram posteriormente descartados como inocentes, por absoluta falha da inteligência dos EUA.

A discussão nas mídias sociais e na internet apenas começou. O que temos de diferente neste novo século, é um jornalismo igualmente novo, anabolizado por leitores que utilizam o caráter colaborativo e participativo da internet em prol da discussão. Não foi por acaso que o assunto Bin Laden se tornou um dos mais comentados de toda a história online. É de se esperar que essa facilidade de incentivo ao debate, faça também com que as discussões se aprofundem, coisa que há alguns anos, era privilégio apenas das academias, através de seminários e debates presdenciais. Nisso as novas mídias sociais vêm contribuindo sobremaneira quando se percebe a velocidade com que assuntos atuais sejam tratados e compartilhados por todo o planeta.

No caso da morte de Bin Laden, e muitas outras por vir, muitos irão dizer que os fins justificam os meios, é claro. Mas aí deve morar o maior temor, seja para os próprios norte-americanos ou para o resto do planeta. Eu mesmo, quando estive em Nova York no dia 11 de setembro de 2001 e vivenciei o terror que aquela Manhattan apavorada viveu na manhã daquela terça-feira, a qual nunca mais esquecerei (texto que ficará para uma outra coluna), senti na pele o que o terrorismo nos arrebata de liberdade e injeta de medo. Mesmo assim continuo um defensor das regras básicas de direitos humanos, até porque ao olvidarmos às normas internacionais, o máximo que iremos conquistar é nos assemelhar à barbárie.

O retorno a práticas que ferem nitidamente regras de direito internacionais e invocam táticas medievais de tortura, prejudicam não apenas a imagem dos EUA, mas também de toda a humanidade. Vale lembrar de quando Obama se elegeu bradando uma mudança ao estilo de governo republicano desempenhado por Bush, o mundo todo viu desnudada uma divisão indelével no País. Direitos civis de um lado e desejos imperialistas de outro marcaram bem o embate político que se viu na última eleição presidencial. A palavra “Mudança” (Change) foi utilizada de forma contundente e reiterada pela campanha de Barack Obama, deixando claro que sim, era possível mudar.

Ao buscar se distanciar de Bush, Obama garantiu sua eleição para o primeiro mandato. Para garantir o segundo mandato, entretanto, e sua consequente reeleição, Obama tenta cada vez mais se parecer com Bush. E a mudança, tão propalada quando se elegeu, parece ter ficado só no slogan batido de campanha. Nisso, Obama difere totalmente de Noam Chomsky, que se mantém fiel ao seu discurso.

Emerson Damasceno é jornalista e poeta. Especialista e apaixonado por direito eletrônico, além do direito desportivo que o fez correr o mundo durante uma década. Blogueiro desde 2002, divide o tempo entre o trabalho, as mídias sociais e a 4social, sua última criação.

12 mai 2011

Bahia tem 10 mil mortes sem elucidação

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado
Na Bahia, 10.145 inquéritos policiais estão sem elucidação, segundo levantamento realizado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que considera os anos entre 1990 e 2007. Com o índice, o estado ocupa a 5ª posição no ranking do país.
O estado perdeu apenas para o Rio de Janeiro (1º), Minas Gerais (2º), Espírito Santo (3º) e Pernambuco (4º). A estatística foi divulgada uma semana após a Confederação Nacional dos Municípios anunciar que a Bahia lidera também o ranking de mortes por arma de fogo no país.
De acordo com a polícia, a falta de testemunhas, a ausência de tecnologia adequada para colher provas técnicas, a burocracia e o insuficiente número de agentes são alguns dos fatores que contribuem para a demora na conclusão dos inquéritos criminais no Estado.
Leia mais: http://www.bancariosbahia.org.br
12 mai 2011

Número de negros nos bancos deve crescer

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado
Mais uma novidade no setor bancário. Sob a justificativa da valorização da diversidade, os bancos resolveram fazer recrutamento de pessoas negras para preenchimento das vagas.
A iniciativa faz parte de um protocolo de intenções, assinado pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos) e Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, cujo intuito é aumentar a inserção da população negra no mercado de trabalho.
As inscrições para a seleção serão feitas por meio de um site ainda sem desenvolvimento. A eficácia da ação pode ser comprovada e controlada através de um sistema de monitoramento. A plataforma será proposta pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.
Não restam dúvidas de que a iniciativa de promover a igualdade racial é excelente. Mas, em virtude do histórico pouco honesto das organizações financeiras, a população deve ficar atenta para que o resultado da proposta não seja apenas um conglomerado de cadastros.
Leia mais: http://www.bancariosbahia.org.br
12 mai 2011

Forró dos Bancários: Vai começar as festanças!

Autor: riccardus | Categoria: Não categorizado

Banda Zabumbahia vai animar o Forró dos Bancários em Itabuna no dia 03 de junho na AABB

O Forró de Cabo a Rabo!

As festas juninas promovidas pelo Sindicato dos Bancários de Itabuna, conhecida como Forró dos Bancários ou Forró de Cabo a Rabo, começam a agitar as cidades de Ibicaraí, Itororó, Itapé,Floresta Azul, Buerarema,Camacan, Pau Brasil, Itajuípe, Itapitanga e Coaraci a partir  do dia 27 deste mês. Veja a programação abaixo:

Dia  27 de maio – Ibicarai  –

Local: Clube dos 40

Atrações: Xaumraxabu, Carlota Joaquina e Pescoço de Mola

Dia 03 de junho – Itabuna

Local: AABB

Atrações: Carlota Joaquina, Zabumbahia e Pescoço de Mola

Dia 10 de junho – Camacan

Local: Clube da Maçonaria

Atração: Pescoço de Mola

Dia 17 de junho – Coaraci

Local: AABB

Atração: Pescoço de Mola