25 jan 2019

União Europeia decide proibir plástico descartável

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Enquanto o Brasil caminha para suspender importantes medidas que fizeram  o país avançar na área ambiental, a União Europeia, visando ajudar a conter as quantidades astronômicas de lixo plástico que acabam por poluir o meio ambiente e os oceanos, aprovou o plano de regulamentação para proibir produtos descartáveis, como pratos e canudos. Se for aprovado, entra em vigor em dois anos.

Por causa da lenta decomposição, os plásticos representam um problema particular para os oceanos. Traços de plásticos podem ser encontrados em espécies como baleias, tartarugas e aves, além de frutos do mar que acabam na cadeia alimentar humana. Segundo a Comissão Europeia, 80% dos resíduos encontrados nos mares são de plástico, e pouco menos de um terço é coletado e reciclado. O restante acaba nos mares e oceanos.

Fonte: O Bancário

25 jan 2019

Leilão da Lotex aproxima a Caixa da privatização

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

As ameaças em torno da Caixa estão de volta. O leilão da Lotex – loterias instantâneas – marcado para 5 de fevereiro, é o primeiro passo para privatizar o único banco 100% público do país.

Circula nos veículos de comunicação que empresas estrangeiras atuantes no mercado de jogos estão de olho nas ‘raspadinhas’. É o caso da norte-americana Scientific Games International (SGI) e da inglesa International Game Technology.

Todas atrás do lucro que a Lotex dá. Em 2017, por exemplo, as loterias arrecadaram cerca de R$ 14 bilhões. Quase 50% foram transferidos para programas nas áreas de seguridade social, esporte, cultura, segurança pública e saúde. Ou seja, o dinheiro do povo volta para o povo. Mas, com a venda, tudo vai para o capital privado.

Não é só isso. Achando pouco, o governo Bolsonaro anunciou a venda de outras áreas importantes da Caixa. Na lista, seguros, cartões e asset. Se realmente acontecer, o banco público será extremamente reduzido e toda política pública voltada para o desenvolvimento do país e a redução das desigualdades sociais tende a acabar. Toda a nação perde.

Resistência 

O primeiro passo para impedir o desmonte da Caixa é ampliando a resistência contra o leilão da Lotex. Mas, a ação tem de ser feita em conjunto entre empregados e sociedade. Vale lembrar que no ano passado o processo foi adiado. Agora, o esforço deve ser intensificado.

Fonte: O Bancário

25 jan 2019

Cunhado de Carlos Bolsonaro assume cargo no BB

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Parece piada pronta, mas não é. Apenas dois dias após Jair Bolsonaro ter sido empossado com presidente, o cunhado do filho Carlos Bolsonaro, Pedro Bramont foi nomeado como diretor de governança, riscos e controles da BB Seguridade 3.

Este é o governo de quem tanto criticou o nepotismo. Depois do filho do vice-presidente da República, General Hamilton Mourão, ter pulado de três níveis hierárquicos de uma vez no Banco do Brasil, agora é a vez do irmão de Paula Bramont, que namora o vereador Carlos Bolsonaro (PSC/RJ) há oito anos.

Desde 2014 que Pedro Bramont ocupava o cargo de Superintendente Executivo de Finanças e Desenvolvimento Corporativo na BB Seguridade. Por isso, a promoção surpreendeu.

Fonte: O Bancário

25 jan 2019

PLR é conquista da luta sindical garantida na CCT

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Desde 1955, após ser a primeira categoria a conquistar o direito à PLR (Participação de Lucros e Rendimentos), na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), o início de ano é de grande expectativa para os bancários que aproveitam a segunda parcela do benefício para pagar os conhecidos impostos, como IPTU e IPVA.

Pelo acordo, os bancos têm até 2 de março para pagar o valor da segunda parta da PLR referente ao exercício de 2018, fruto da luta sindical. O adiantamento saiu no ano passado. Embora haja data limite, os bancos têm total condições de anteciparem o valor antes do prazo máximo.

Entenda o cálculo

A regra básica da PLR, segundo a Convenção Coletiva de Trabalho, estabelece 90% do salário mais valor fixo de R$ 2.355,76, limitado a R$ 12.637,50. Se o total apurado ficar abaixo de 5% do lucro líquido, será utilizado multiplicador até o limite individual de 2,2 salários, limitado a R$ 27.802,48.

Na segunda parcela, destes valores, será deduzido o que já foi pago como antecipação da regra básica: 54% do salário mais valor fixo de R$ 1.413,46. Já a parcela adicional corresponde à distribuição de 2,2% do lucro de forma linear entre os funcionários. Também será descontado o valor da primeira parcela, com teto de R$ 4.711,52.

Fonte: O Bancário

25 jan 2019

PDV da Caixa pode atingir a 10 mil empregados

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Na Caixa, é um tal de morde e assopra. Um dia depois de circular nos principais veículos de comunicação que o banco iria convocar cerca de 2,5 mil aprovados no concurso de 2014, sai uma nova notícia sobre um possível PDV (Programa de Demissão Voluntária) que poderia abranger cerca de 10 mil empregados.

Se a informação realmente se confirmar, fica fácil perceber que a conta não vai bater e o quadro de pessoal pode cair mais 7,5 mil. O processo compromete a eficiência do banco público responsável por importantes programas de inclusão social.

Quer dizer, ao invés de implementar uma política de fortalecimento, a direção da empresa avança no desmonte, descaracterizando a essência do banco, que deve atuar pela nação brasileira.

Fonte: O Bancário

23 jan 2019

Plenária, em fevereiro, em defesa dos direitos

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Para firmar uma agenda de ação em prol dos trabalhadores, CTB, demais centrais sindicais, Dieese, sindicatos e federações definiram uma pauta em defesa da aposentadoria digna, dos direitos, valorização do salário.

No dia 20 de fevereiro, acontece uma Plenária Unitária das Centrais em defesa da Previdência e contra o fim da aposentadoria. O Fórum das Centrais inicia o ano com unidade e iniciativa para organizar a resistência.

Durante a reunião, os dirigentes reafirmaram posição contrária a qualquer proposta de reforma que fragilize, desmonte ou reduza o papel da Previdência Social Pública. É preciso construir uma mobilização, para decidir as formas de luta e paralisações para enfrentar as propostas de desmonte dos direitos proposto pelo governo.

Fonte: O Bancário

23 jan 2019

Voucher na educação é reprovação na certa

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Disposto a privatizar tudo que encontrar pela frente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, mira agora na educação pública e está inventando a criação de voucher para o setor. Corporações e empresas aumentariam o lucro e ainda definiriam as políticas oficiais para a área educacional. Mais uma armação que só beneficia o poder econômico.

Em todos os países onde essa “brilhante” ideia de Paulo Gudes foi implantada houve aumento na segregação escolar e a qualidade da educação estagnou. Nos EUA, por exemplo, alunos negros que estudaram com voucher em Milwaukee tiveram as piores notas entre 13 regiões norte-americanas na avaliação nacional de aprendizagem (8ª série) em 2013.

Outro fator analisado por estudiosos é que os custos com gestão e com transporte escolar de estudantes podem ser uma das desvantagens do sistema, pois o Estado ainda seria responsável. A política de vouchers pode encarecer o custo em 25% ou mais por aluno.

Vouchers e escolas charters (terceirização da escola pública para a iniciativa privada) contribuem para a privatização da educação pública. Mas, como em todas as outras medidas adotadas em menos de um mês de governo, não são apontadas as consequências negativas. Para piorar, a saúde também está na mira do ministro da Economia.

Fonte: O Bancário

23 jan 2019

Distorções humanitárias disparam no Brasil

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O Brasil volta a afundar em algumas estatísticas preocupantes. Pobreza, fome, violência são alguns dos problemas que cresceram. A 29ª edição do relatório da HRW (Human Rights Watch), que avalia a situação dos direitos humanos em 90 países, aponta uma série de destaques negativos no Brasil no último ano.

O relatório anual aponta que só em São Paulo foram registrados cerca de 64 mil homicídios em 2017. O dado mostra ainda que mais de um milhão de casos de violência contra as mulheres estavam pendentes de julgamento nos tribunais.

A população carcerária aumentou. Em 2017, eram 726 mil. No ano passado, saltou para 842 mil. O Brasil tem a terceira maior população carcerária do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da China.

Fonte: O Bancário

23 jan 2019

Caixa anuncia contratações, mas ainda é pouco

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Parece que, enfim, a Caixa vai convocar uma parte dos aprovados no concurso público de 2014. De forma informal, Pedro Guimarães afirmou que vai contratar 2.500 empregados.

A medida é positiva, mas, se confirmado, o número é insuficiente para atender a demanda nas agências. O banco tem mais de 86 milhões de clientes e cerca de 85 mil bancários, ou seja, um empregado é responsável por 1.012 pessoas. Uma conta realmente complicada e humanamente impossível.

Outro dado que merece atenção é que menos 10% dos 30 mil aprovados foram convocados pelo banco. O desrespeito da empresa fez o Ministério Público no Distrito Federal e em Tocantins ingressar com uma ação civil pública cobrando a convocação.

Tem mais. A Caixa também descumpre o acordo coletivo de 2014, quando assegurou a contratação de 2 mil empregados. Se cumprisse o acordado, o quadro de pessoal sairia de 101 mil para 103 mil. Mas o empresa fez o inverso e depois de diversos planos de desligamento voluntário, reduziu para cerca de 85 mil, agravando o cenário caótico nas agências e departamentos.

Outras medidas

Embora cogite contratar parte dos aprovados, a direção da empresa também estuda novos PDVs a partir deste ano. Não para por aí. Quer entregar ao setor privado áreas como cartões, seguros, assets, loterias e a gestão do FGTS. Prova de que o governo não está preocupado com os interesses da sociedade.

Fonte: O Bancário

23 jan 2019

Posse de armas põe em risco vida da mulher

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Os casos de violência doméstica tendem aumentar com a posse de armas, liberada pelo presidente Jair Bolsonaro. Levantamento feito pelo jornal O Estado de S.Paulo, com base em dados do SIM (Sistema de Informações sobre Mortalidade), do Ministério da Saúde, aponta que o número de mulheres mortas a tiros dentro de casa é quase três vezes maior do que o de homens.

Dos 46.881 homens vitimados por armas de fogo em 2017, último dado disponível no sistema, 10,6% morreram em casa. No caso delas, foram 2.796 mortes e 25% nos domicílios. Outra pesquisa da Universidade do Ceará revela que 3 em cada 10 passaram por, pelo menos, uma situação de violência doméstica na vida.

Mesmo com avanços na lei em que protege as vítimas de violência doméstica, muitas mulheres têm medo de denunciar. De acordo com o Instituto Maria da Penha, o receio já era comum, mas agora será agravado pela possível letalidade da violência, em decorrência da facilidade em ter uma arma de fogo em casa.

Pelo decreto, a pessoa pode ter até quatro armas na residência, e não precisa apresentar justificativas para tê-las. Segundo o Mapa da Violência de 2016, o plano do desarmamento no ano de 2004 anulou a tendência de crescimento anual de 7,2% pré-existente. Diante dos dados, o Mapa também afirma que a lei do desarmamento gerou um impacto de 15,4% a menos no número de mortes por armas de fogo no país.

Fonte: O Bancário