Os lucros dos três maiores bancos privados do país (Bradesco, Itaú e Santander) somaram R$ 44 bilhões nos nove primeiros meses de 2018, crescimento médio de 10,1% em doze meses e rentabilidade variando entre 18,7% e 21,7%.

Os bancos seguem ganhando com a prestação de serviços e a cobrança de tarifas e, até setembro de 2018, já arrecadaram um total de R$ 59,5 bilhões nesse item. Essa receita secundária cobre com folga as despesas de pessoal dessas instituições, incluindo-se, ainda, o pagamento da PLR. A cobertura das despesas de pessoal pela receita de prestação de serviços e tarifas variou entre 131% e 181%, nos três bancos.

Emprego e agências

Com relação aos postos de trabalho, em função de incorporações (das operações do Citibank no país, pelo Itaú e de empregados de empresas de TI, antes terceirizados, pelo Santander) o saldo nesses bancos foi positivo: 4.669 no Itaú e 1.102 no Santander. Ainda no Itaú, o saldo deve-se, também, à contratação de pessoal para a área de TI e de Seguros. No Bradesco, em função, ainda do PDVE implementado em 2017, o saldo segue negativo em 2.529 postos de trabalho, contudo, em comparação ao trimestre anterior, foram abertos 476 novos postos no terceiro trimestre.

Quanto à rede de agências, Santander e Itaú apresentaram saldo positivo, ainda que baixo: 8 agências físicas abertas no Itaú (e mais 17 agências digitais) e 21, no Santander. No Bradesco, o saldo foi negativo em 193 agências, no período.

Fonte: Contraf via Feebbase

A Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe está completando 50 anos em 2018. Fundada em 16 de novembro de 1968, na cidade de ilhéus, a entidade vai celebrar as cinco décadas de existência no dia 23 de novembro.

Pela manhã, acontece um Ato de Comemoração, a partir das 9h, no auditório da Assembleia Legislativa da Bahia, no Centro Administrativo, em Salvador. Realizado em parceria com o deputado estadual Marcelino Galo (PT), o ato vai reunir autoridades, parlamentares, lideranças sindicais e trabalhadores bancários dos dois estados.

À noite, dirigentes, sindicatos filiados e convidados participam de uma solenidade, a partir das 20h, no Cerimonial Vila São José, também na capital baiana.

A Federação nasceu para unificar a luta dos bancários da Bahia e Sergipe. A assembleia de fundação foi realizada no auditório do Sindicato dos Conferentes e Condutores de Cargas e Descargas do Porto de Ilhéus, no sul da Bahia, com a participação de representantes dos sindicatos da Bahia, Sergipe, Ilhéus, Itabuna, Feira de Santana e Vitória da Conquista.

Ao longo destes 50 anos cresceu em representatividade e importância, tornando-se referência de luta para o movimento sindical de todo o país.

Fonte: Feebbase

8 nov 2018

Sindicato enfrenta autoritarismo do Banco do Brasil

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Funcionários do Banco do Brasil que exercem cargo de Gerentes de Relacionamentos e outros cargos comissionados, foram surpreendidos com a perda do cargo em uma decisão unilateral do banco. Sem nenhuma alegação formal, a direção do BB simplesmente comunicou a autoritária  medida. Os colegas são substituídos processuais em ações coletivas ajuizadas pelo Sindicato.

As ações reivindicam o cumprimento de sentença judicial  que condenou o banco a reduzir a jornada de trabalho e pagar a sétima e oitava hora como extraordinárias.

A arbitrariedade do banco provocou prejuízos financeiros e psicológicos para os trabalhadores e pune o direito de recorrer à Justica do Trabalho contra as irregularidades praticadas pela instituição financeira. É também um desrespeito a quem exercia as devidas funções de maneira profissional, ética e no cumprimento das metas estabelecidas. A medida também descumpre cláusula do Acordo Coletivo que reza acerca da Avaliação de Desempenho, no que tange que só haverá descomissionamento de função após três avaliações negativas.

“O Sindicato dos Bancários repudia tal retaliação com quem cumpre  suas obrigações e já acionou a Justiça do Trabalho e a Comissão de Empresa dos Empregados do Banco do Brasil”, assegura Paulinho Silva, vice presidente do Sindicato.

6 nov 2018

BNDES é o primeiro ameaçado por Bolsonaro

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A equipe econômica de Jair Bolsonaro pretende encolher o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), responsável hoje por financiar investimentos em todos os segmentos da economia, do âmbito social, regional e ambienta.

O banco é vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, cujo maior objetivo é apoiar grandes empreendimentos que contribuam para o desenvolvimento do país.

Ainda não se sabe a que velocidade se dará o encolhimento nos próximos anos, mas já está certo que a instituição terá dimensão e alcance reduzidos. Os economistas da equipe de Paulo Guedes defendem em artigos o enxugamento acelerado. Só no futuro será possível saber quais serão os efeitos da diminuição, tanto para o desenvolvimento econômico quanto para o social.

Fonte: O Bancário

6 nov 2018

Bancos privados lucram R$ 43,8 bilhões em nove meses

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A recessão econômica arrasa o mercado interno brasileiro. Centenas de empresas fecharam as portas e milhões de pessoas estão desempregadas. Mas, para um setor não há crise. Pelo contrário. Os bancos lucram como nunca no Brasil, sobretudo os privados.

O balanço de janeiro a setembro deste ano de Bradesco, Itaú e Santander é surpreendente. As três empresas colocaram nos cofres R$ 43,84 bilhões no período. É dinheiro a perder de vista.

Enquanto engordam os cofres, bancários sofrem com a política perversa de metas e ainda as ameaças constantes de demissão. Os bancos não brincam e os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) confirmam.

Nos nove primeiros meses de 2018, o setor desligou 24.025 trabalhadores. Além de Bradesco, Itaú e Santander, o relatório inclui BB e Caixa. Os números mostram uma realidade cruel: a política de austeridade imposta pelo projeto neoliberal arrocha o brasileiro, mas os bancos seguem em maré mansa, sem fiscalização, explorando funcionários e clientes.

Fonte: O Bancário

6 nov 2018

Limite do cartão de crédito pode ser reduzido

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O cidadão deve ficar atento. Os bancos agora estão autorizados a reduzir o limite do cartão de crédito sem aviso prévio. Antes, era obrigado a informar ao cliente com ao menos 30 dias. A decisão é do Copom (Conselho Monetário Nacional).

Segundo o Banco Central, embora não haja mais o intervalo de tempo, o banco é obrigado a avisar sobre a mudança do limite.  Segundo a decisão, se o titular do cartão de crédito for enquadrado em um perfil de possível inadimplência, a empresa avisa e automaticamente diminui o limite.

Fonte: O Bancário

6 nov 2018

Movimentos sociais vão resistir a ataques

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Vitória para quem defende o direito a livre manifestação e a democracia. Foi adiada a votação, no Senado, do projeto de lei que possibilitaria o enquadramento de ações feitas por movimentos sociais como atos de terrorismo. A pauta seria votada nesta quarta-feira (31/10), na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

Com a votação, o senador Magno Malta (PR-ES) pretendia alterar a Lei Antiterrorismo, sancionada em 2016. Para evitar a criminalização dos manifestantes, a ex-presidente Dilma Rousseff vetou partes dos trechos incluídos.

O aliado do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) também quer adicionar na definição deste tipo de crime atos para coagir governo a fazer ou deixar de fazer alguma coisa, por motivação política, ideológica ou social. Absurdo.

Malta é relator da proposta apresentada pelo senador Lasier Martins (PSD-RS). O projeto prevê ainda a inclusão como atos condenados como terrorismo incendiar, depredar, saquear, destruir ou explodir meios de transporte ou qualquer bem público ou privado e interferir, sabotar ou danificar sistemas de informática ou bancos de dados.

Fonte: O Bancário

6 nov 2018

Santander: muito lucro e festa para poucos

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O assédio moral no Santander está cada dia mais violento. A direção do banco não considera nada, nem ninguém. Em comunicado sobre a festa de fim de ano, o presidente da empresa, Sérgio Rial, ressalta que “como o resultado fala mais alto”, apenas os funcionários que batem as metas receberão o convite.

A nota desconsidera todo o esforço realizado pelos mais de 47 mil bancários no dia a dia de trabalho e a confraternização, marcada para 1º de dezembro, que aconteceria em um estádio de futebol para todo o quadro de pessoal, foi consideravelmente reduzida. No máximo, 5 mil funcionários poderão participar.

Não é só isso. O gestor é quem vai ter de escolher para quem vai o convite. Uma tremenda saia justa. Para completar a série de absurdos, o Santander vai destinar R$ 100,00 para que os demais funcionários façam pequenas celebrações.

A atitude do banco causa indignação e descontentamento entre os trabalhadores, afinal a festa deveria ser para que todos pudessem interagir. Mas a empresa utiliza a confraternização como mais um instrumento de assédio moral.

Fonte: O Bancário

6 nov 2018

Desemprego segue em alta no Brasil. Atenção

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Dados da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina), órgão das Nações Unidas, afirma que o Brasil tem a segunda maior taxa de desemprego da América Latina, atrás somente do Haiti. No Brasil, o índice de desemprego entre os jovens alcança 30%.

A Comissão alerta para o modelo de carteira de trabalho “verde e amarela”, proposta por Paulo Guedes, que deve precarizar ainda mais as relações de trabalho e fazer com que jovens entre 20 e 25 anos se submetam a empregos com ainda menos direitos do que os que restaram após a reforma trabalhista.

Além das questões econômicas, tem a reforma da Previdenciária, que pode tirar a aposentadoria de milhões de brasileiros. O FGTS (Fundo de Garantia por tempo de Serviço) também está em xeque. Isso sem contar os direitos dos LGBTs, índios, mulheres e negros.

Fonte: O Bancário

6 nov 2018

Continua o pente fino nos benefícios no INSS

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Desde 2016, o Ministério do Desenvolvimento Social promove rigoroso pente-fino e cortou o auxílio doença de oito em cada 10 trabalhadores que passaram por perícia de revisão. Ou seja, 77% do contingente voltaram ao trabalho.

Foram realizadas 1.134.789 perícias no país. Dos 464,4 mil trabalhadores que eram beneficiados com o auxílio, INSS cortou 359,5 mil deles.  No caso das aposentadorias por invalidez, os cortes foram menores. No total, 679,5 mil aposentados foram avaliados, sendo que 192,6 mil ficaram sem a renda. Um total de 28%.

Além disso, dos segurados que não compareceram (73,7 mil) tiveram os benefícios cancelados e outros 60 mil casos de auxílios e aposentadorias que foram cortados por outros motivos. Dentre eles morte do beneficiário e decisões judiciais que encerravam o pagamento.

É preciso ficar atento às intenções do governo por trás da falácia do equilíbrio de contas. Os cortes não param. Não acontecem apenas nas aposentadorias e auxílios doenças como também em programas sociais, a exemplo do Bolsa Família. Só em 2018, 469 mil benefícios foram cancelados e outros 667 mil bloqueados, por supostas irregularidades.

Os principais motivos para o cancelamento do programa são renda acima da declarada, cadastro desatualizado e informações incorretas. Tudo para complicar a vida do mais pobre. Só de imaginar a burocracia muito desistem de renovar o cadastro. Esse é o Brasil de todos.

Fonte: O Bancário