30 set 2014

Bancários de Itabuna e Região deflagram greve por tempo indeterminado

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Sindicato realizou manifestação convocando bancários para a greve e denunciando a proposta de Banco Central independente e atualização da CLT previstas por candidatos a presidente nesta campanha eleitoral em vigor

Os bancários das redes pública e privada de Itabuna e Região estiveram reunidos ontem, segunda-feira, no auditório da entidade e aprovaram a greve por tempo indeterminado a partir de hoje, terça-feira, 30 de setembro.

“Os banqueiros trataram com descaso a categoria quando convocou de última hora o Comando Nacional dos Bancários para negociação no último sábado e ofereceram a proposta de 7,35% de reajuste salarial. Este índice não representa nem um por cento de aumento real. Uma vergonha. Enquanto não arrancarmos uma proposta decente estaremos em greve”, assinala Jorge Barbosa, presidente do Sindicato.

Somente os seis maiores bancos (Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Santander e HSBC), que somados detêm mais de 85% dos ativos do sistema financeiro e empregam mais de 90% dos bancários, tiveram lucro líquido de R$ 56,7 bilhões em 2013 e mais R$ 28,5 bilhões no primeiro semestre deste ano.

Após o resultado das assembleias dos sindicatos, que representam a grande maioria dos bancários de todo o país, foi enviado ofício para a Fenaban comunicando a rejeição da nova proposta dos bancos e a ratificação da decisão das assembleias do dia 25 de greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira.

AS PRINCIPAIS REIVINDICAÇÕES DOS BANCÁRIOS

Reajuste salarial de 12,5%.

Piso Salarial de R$ 2.979,25

PLR: três salários mais parcela adicional de R$ 6.247.

14º salário.

Vales alimentação, refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional).

Gratificação de caixa: R$ 1.042,74.

Gratificação de função: 70% do salário do cargo efetivo.

Vale-cultura: R$ 112,50 para todos.

Fim das metas abusivas.

Combate ao assédio moral.

Isonomia de direitos para afastados por motivo de saúde.

Manutenção dos planos de saúde na aposentadoria.

Emprego: fim das demissões e da rotatividade, mais contratações, proibição às dispensas imotivadas como determina a Convenção 158 da OIT, aumento da inclusão bancária e combate às terceirizações.

Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.

Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.

Prevenção contra assaltos e sequestros: cumprimento da Lei 7.102/83 que exige plano de segurança em agências e PABs, garantindo pelo menos dois vigilantes durante todo o horário de funcionamento dos bancos; instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento das agências; biombos em frente aos caixas e fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.

Igualdade de oportunidades para todos, pondo fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

A PROPOSTA DOS BANCOS REJEITADA PELOS BANCÁRIOS

Reajuste de 7,35% (0,94% de aumento real).

Piso portaria após 90 dias – 1.240,89 (8% ou 1,55% de aumento real).

Piso escritório após 90 dias – R$ 1.779,97 (1,55% acima da inflação).

Piso caixa/tesouraria após 90 dias – R$ 2.403,60 (salário mais gratificação mais outras verbas de caixa), significando 1,39% de aumento real).

PLR regra básica – 90% do salário mais R$ 1.818,51, limitado a R$ 9.755,42. Se o total ficar abaixo de 5% do lucro líquido, salta para 2,2 salários, com teto de R$ 21.461,91.

PLR parcela adicional – 2,2% do lucro líquido dividido linearmente para todos, limitado a R$ 3.637,02.

Antecipação da PLR

Primeira parcela depositada até dez dias após assinatura da Convenção Coletiva e a segunda até 2 de março de 2015.

Regra básica – 54% do salário mais fixo de R$ 1.091,11, limitado a R$ 5.853,25 e ao teto de 12,8% do lucro líquido – o que ocorrer primeiro.

Parcela adicional – 2,2% do lucro líquido do primeiro semestre de 2014, limitado a R$ 1.818,51.

Auxílio-refeição – R$ 24,88.

Auxílio-cesta alimentação e 13ª cesta – R$ 426,60.

Auxílio-creche/babá (filhos até 71 meses) – R$ 355,02.

Auxílio-creche/babá (filhos até 83 meses) – R$ 303,70.

Gratificação de compensador de cheques – R$ 137,97.

Requalificação profissional – R$ 1.214,00.

Auxílio-funeral – R$ 814,57.

Indenização por morte ou incapacidade decorrente de assalto – R$ 121.468,95.

Ajuda deslocamento noturno – R$ 85,03.

RESULTADO DAS ASSEMBLEIAS

Conforme informações já enviadas para a Contraf-CUT até as 22h, a greve foi aprovadas nas assembleias dos sindicatos de:

São Paulo
Rio de Janeiro
Brasília
Belo Horizonte
Curitiba
Porto Alegre
Florianópolis
Campo Grande
Pernambuco
Mato Grosso
Bahia
Alagoas
Paraíba
Ceará
Piauí
Acre
Sergipe, exceto Banese
Maranhão
Amapá
Rondônia
Espírito Santo
ABC (SP)
Bragança Paulista (SP)
Campinas (SP)
Mogi das Cruzes (SP)
Piracicaba (SP)
Campina Grande (PB)
Cariri (CE)
Juiz de Fora (MG)
Teófilo Otoni (MG)
Uberaba (MG)
Campos de Goytacazes (RJ)
Itaperuna (RJ)
Teresópolis (RJ)
Campina Grande (PB)
Barra das Garças (MS)
Itabuna (BA)
Vitória da Conquista (BA)
Extremo Sul da Bahia (BA)
Camaçari (BA)
Feira de Santana (BA)
Ilhéus (BA)
Irecê (BA)
Jacobina (BA)
Jequié (BA)
Juazeiro (BA)
Dourados (MS)
Apucarana (PR)
Arapoti (PR)
Guarapuava (PR)
Cornélio Procópio (PR)
Londrina (PR)
Paranavaí (PR)
Umuarama (PR)
Araranguá (SC)
Bagé (RS)
Bento Gonçalves (RS)
Cachoeira do Sul (RS)
Camaquã (RS)
Cruz Alta (RS)
Erechim (RS)
Litoral Norte (RS)
Passo Fundo (RS)
Rio Grande (RS)
Santa Cruz do Sul (RS)
Santa Rosa (RS)
Santo Ângelo (RS)
São Leopoldo (RS)
Uruguaiana (RS)
Vacaria (RS)
Vale do Caí (RS)
Vale do Paranhana (RS)

CALENDÁRIO

Setembro
30 – Início da greve nacional por tempo indeterminado

Outubro
2 – Manifestações em frente aos prédios do Banco Central, em defesa de um BC independente do mercado financeiro

Com informações da Contraf e da Feeb-Ba-Se

Deixe uma Resposta