16 ago 2019

Bancários têm descanso semanal ameaçado

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Bancários têm descanso semanal ameaçado]

Mais do que nunca os bancários devem se unir às entidades sindicais contra os retrocessos que o governo quer impor. A MP 881 aprovada pela Câmara Federal revoga a lei 4.178/62 que proíbe a abertura de agências bancárias e outros estabelecimentos de crédito aos sábados e domingos. 


Um verdadeiro ataque à jornada de trabalho da categoria. Mas, ainda há uma luz no fim do túnel. Graças à Convenção Coletiva de Trabalho, os bancários têm o direito garantido até 31 de agosto de 2020, quando termina a validade da CCT. 


A medida provisória também permite o trabalho em feriados. Pior, sem que a empresa seja obrigada ao pagamento em dobro, desde que o trabalhador seja compensado com uma folga em outro dia da mesma semana.


Na prática, a chamada MP da liberdade econômica ameaça conquistas após duras negociações do movimento sindical. A medida, que agora está no Senado, também não vai aquecer a economia, nem gerar emprego, como justifica o governo.

Fonte: O Bancário

16 ago 2019

Governo quer flexibilizar mais trabalho escravo

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Governo quer flexibilizar mais trabalho escravo]

A falta de conhecimento em relação ao trabalho escravo é evidente para o atual governo. Como prova disso, o presidente Bolsonaro defendeu a flexibilização de regras na legislação de trabalho análogo à escravidão. 


Segundo ele, o texto do artigo 149 do Código Penal tem “200 especificações” a serem constatadas para que se caracterize “situação análoga à escravidão”. A declaração foi desmentida pelo MPT (Ministério Público do Trabalho), que afirmou que apenas uma ou mais das condições descritas no artigo devem ser evidenciadas.


O interesse, como em todas as iniciativas de flexibilização do governo, é visando atender a agenda das grandes empresas, prejudicando cada vez mais a vida do trabalhador. Para Bolsonaro, os “excessos de regulamentações levam a paralisação da economia”. E o trabalhador apenas sofre, sendo obrigado a receber qualquer coisa do mercado de trabalho para não perder a renda.


O art. 149 garante uma pena de 2 a 8 anos de multa para quem reduz um trabalhador à condição análoga à escravidão.

Fonte: O Bancário

16 ago 2019

Presidente da Caixa deve esclarecer desmonte

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Presidente da Caixa deve esclarecer desmonte ]

A situação da Caixa vai de mal a pior. A direção do banco, que deveria gerir a instituição afim de contribuir para o desenvolvimento econômico e social do país, desmonta a estrutura da empresa, desrespeitando os empregados e aumentando insegurança dos novos contratados. 


Em virtude disso, o presidente da instituição, Pedro Guimarães, tem até o dia 1° de outubro para prestar esclarecimentos para a CTASP (Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público) da Câmara Federal para falar sobre a privatização de áreas rentáveis e estratégicas do banco. 


Inicialmente, a Comissão havia convocado o ministro da economia, Paulo Guedes. Mas a responsabilidade foi transferida para o presidente da Caixa.

Fonte: O Bancário
 

16 ago 2019

Saque do FGTS prejudica crédito imobiliário

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Saque do FGTS prejudica crédito imobiliário]

A liberação para saques do FGTS é uma furada. O trabalhador que sacar o valor de R$ 500,00 pode até conseguir quitar alguma dívida. Mas, em contrapartida, compromete a capacidade de financiamento imobiliário do país.


A mais afetada pelos saques será a Caixa, responsável pela administração do Fundo de Garantia. A instituição, que tem a maior carteira imobiliária de mercado, o equivalente a 69%, deve reduzir o financiamento nas linhas de crédito, nas áreas de habitação, saneamento básico e infraestrutura.


Ou seja, a ilusão de que o saque é a melhor opção para o desenvolvimento econômico, não passa de mais uma mentira. Enquanto os trabalhadores correm para sacar o dinheiro, o governo Bolsonaro retira recursos que fomentam o desenvolvimento e ajudam a diminuir o déficit habitacional no país, que hoje alcança cerca de 7,7 milhões de famílias.


O FGTS, além de ajudar na construção de residências que cabem no bolso da população mais pobre, garante a elevação na participação da poupança, que é uma das principais fontes para o crédito imobiliário, responsável por 55% do financiamento das operações de crédito. 

Fonte: O Bancário

16 ago 2019

BNB tem lucro de R$ 744,8 milhões no semestre

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[BNB tem lucro de R$ 744,8 milhões no semestre]

Mais um banco apresentou crescimento na lucratividade em relação ao ano passado. No primeiro semestre de 2019, o lucro do BNB foi de R$ 744,8 milhões. Alta de 223% na comparação a 2018, quando alcançou R$ 231,8 milhões. 


O atual cenário da economia brasileira, em recessão, não interfere no balanço  do setor financeiro. No período, o resultado operacional do BNB apresentou aumento de 161,1% e alcançou R$ 1,2 bilhão e a rentabilidade (Retorno sobre o Patrimônio Líquido) foi de 35,7%. 


Mesmo com os resultados, o Banco do Nordeste corta postos de trabalho. A instituição fechou 268 vagas no fim do primeiro semestre. Com isto, a empresa encerrou o período com 6.721 funcionários.


Os números comprovam que a fusão do BNB ao BNDES, como quer o governo Bolsonaro, não faz sentido. Em 12 meses, os ativos do banco aumentaram 2,8% (R$ 59,7 bilhões), que incluem recursos disponíveis do FNE. Se considerar a carteira do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste, administrado pelo banco, a carteira de crédito alcançou R$ 61,6 bilhões. Alta de 15,6% em um ano. E o patrimônio líquido chegou a R$ 4,7 bilhões (+18,7%).  


Em operações de crédito, o banco alcançou R$ 18,8 bilhões e mais de 2,5 milhões de operações. Ainda tem mais. Durante todo o exercício de 2019, a instituição deve aplicar na região Nordeste R$ 38,7 bilhões. Serão R$ 27,7 bilhões de recursos do FNE e R$ 11 bilhões do Crediamigo.

Fonte: O Bancário

16 ago 2019

Economia brasileira continua a piorar, diz IBGE

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Economia brasileira continua a piorar, diz IBGE]

A incapacidade do governo Bolsonaro de criar medidas para alavancar a economia brasileira é evidente. Uma prova disso é a desaceleração no comércio varejista, que obteve queda de 3,6% na comparação a junho de 2018. É o que aponta o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).


A pesquisa revela que trabalhadores de todo o país também foram afetados, com uma queda de 1% no rendimento em relação ao mês de maio. O volume de vendas também desce ladeira a baixo. Os dados não deixam dúvidas de que a economia vai mal. 


Segundo especialistas, a reforma trabalhista piorou a situação, aumentando a precariedade do mercado de trabalho, achatando os salários e elevando a informalidade. Além disso, abre brecha para que as empresas extrapolem as jornadas de trabalho, em uma tentativa desesperada de bater metas, cada vez mais abusivas.

Fonte: O Bancário

16 ago 2019

Bancos eliminaram 62,7 mil postos desde 2013

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Bancos eliminaram 62,7 mil postos desde 2013]

Para os bancos não há crise. A cada ano, o lucro cresce. No primeiro semestre de 2019, o balanço das quatro maiores organizações financeiras chegou a R$ 43 bilhões. Embora ganhem como nunca, diminuem drasticamente o quadro de pessoal. Um caminho que ajuda a piorar o cenário nacional. Desde 2013, foram eliminados 62,7 mil postos de trabalho. 


As demissões ganharam força em 2016, com a consolidação do golpe jurídico-midiático-parlamentar. De lá para cá, 43,4 mil vagas foram fechadas e os bancos públicos são responsáveis por boa parte, aponta pesquisa do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).


A tática das empresas é boa. Lançam programas de demissão voluntária e, muitas vezes, pressionam pela adesão. Para se ter ideia, no fim de 2016, o Banco do Brasil perdeu 9.406 funcionários por meio de um PDV. Em julho deste ano, a direção do BB anunciou a extinção de mais 2,3 mil vagas.


No entanto, é a Caixa que mais reduz o quadro. Entre 2015 e 2018, a instituição financeira perdeu 14.369 empregados. Agora, está prestes a diminuir mais, com o lançamento de um programa de demissão, cujo objetivo é desligar até 3,5 mil bancários.


O Itaú segue a mesma onda. No mesmo dia que anunciou lucro líquido de R$ 13,9 bilhões nos seis primeiros meses de 2019, o maior banco privado do país abriu um PDV com meta de adesão de 6.900 funcionários. Detalhe: nos últimos 12 meses já foram fechados 983 postos de trabalho.


O Bradesco também reduziu o quadro através de um programa de demissão, lançado em 2017. Naquele ano, a empresa eliminou 7.400 vagas. 

Fonte: O Bancário

16 ago 2019

Depois do golpe, desigualdade dispara no país

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Depois do golpe, desigualdade dispara no país]

O cenário do Brasil pós golpe jurídico-midiático-parlamentar que, em 2016, derrubou a presidenta Dilma Rousseff, eleita democraticamente, é de terra arrasada. A recessão econômica está longe de acabar. A pouca recuperação que se observa beneficia apenas os mais ricos, aumentando as desigualdades sociais. 


Um estudo da Fundação Getúlio Vargas, divulgado nesta quinta-feira (15/08), comprova. A renda do trabalho da metade mais pobre caiu 18,1% em termos reais e a dos 1% mais rico aumentou 9,5% nos últimos quatro anos. A ONU (Organização das Nações Unidas) também alerta para a vulnerabilidade do país e o risco de a miséria disparar. 


Entre as razões está política de austeridade imposta pelo neoliberalismo. O Teto dos Gastos, por exemplo, paralisa os investimentos públicos por 20 anos. Tem ainda a nova lei trabalhista, o desemprego, que atinge quase 13 milhões, e a reforma da Previdência, em vias de aprovação. A medida dificulta o acesso à aposentadoria e reduz os benefícios dos trabalhadores.


Com um cenário desse não há estudo que aponte melhoras. Pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que a pobreza no país aumentou entre 2016 e 2017, saindo de 25,7% para 26,5% da população. O índice de extremamente pobres – pessoas que vivem com menos de R$ 140,00 por mês – passou de 6,6% para 7,4% no mesmo período.


A situação se agrava com o governo Bolsonaro. Enquanto os mais ricos do país acumulam mais dinheiro, os brasileiros mais vulneráveis continuam a acumular queda na renda.

Fonte: O Bancário

16 ago 2019

Lei contra abuso de poder retarda Estado policial

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Lei contra abuso de poder retarda Estado policial]

Depois de seguidas derrotas no plano institucional, a resistência democrática conquista duas importantes vitórias no Parlamento. A primeira, de grande significado, foi o acordo de lideranças pela retirada, do pacote anticrime, da tal excludente de ilicitude, que na prática dá licença a policia para matar. Pobre e preto, evidentemente.

Outra expressiva conquista para a democracia brasileira ocorreu anteontem, quando a Câmara Federal aprovou a lei contra o abuso de poder. Como o texto oriundo do Senado não sofreu nenhuma modificação, a matéria agora segue para a sanção do presidente, que deve vetá-la. O Congresso, no entanto, tem poderes para derrubar o veto presidencial.


Com proposta para ser batizada de Lei Cancellier, em referência ao reitor da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), Luiz Carlos Cancellier, que se suicidou depois de preso sem provas e humilhado pela Lava Jato, a nova legislação prevê multa e pena que varia de 3 meses a 4 anos de prisão.


A lei contra o abuso de poder é aprovada justamente quando as revelações do Intercept escandalizam o país diante das relações promíscuas entre procuradores e juízes com interesses políticos, eleitoreiros e até comerciais. Ajuda, e muito, a dificultar o avanço do Estado policial que o neofascismo tenta implantar no Brasil.

Fonte: O Bancário

16 ago 2019

País recua e o presidente com fala escatológica

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[País recua e o presidente com fala escatológica ]

Nada abala a consciência do presidente Jair Bolsonaro. Nem mesmo a economia que vai de mal a pior. De acordo com o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica), o PIB registrou queda de 0,13% entre abril e junho deste ano na comparação com o primeiro trimestre. Mas Bolsonaro se preocupa mesmo em chamar os comunistas de cocô do Brasil. 

O índice, uma prévia do Produto Interno Bruto, foi divulgado pelo Banco Central e revela que por dois trimestres seguidos em recessão, a atividade econômica brasileira já entrou em recessão técnica. Nos três primeiros meses do ano, o nível de atividade já havia recuado 0,2%, em relação ao último trimestre do ano passado.

Para o IBGE, existe a possibilidade de recuperação em curto prazo nos casos de recessão técnica, porém os indicadores não são bons. No setor de serviços, houve queda de 0,6% no segundo trimestre. Já a produção industrial apresentou recuo de 0,7% e as vendas do comércio caíram 0,3%.

Mas a preocupação primordial do presidente é ofender em um nível tão baixo que fere o decoro do seu cargo. O presidente declarou que vai ” acabar com o cocô no Brasil. O cocô é essa raça de corrupto e comunista” em referência aos governadores do Nordeste, que abriram um consórcio próprio, em defesa da economia da região e capaz de captar recursos do exterior sem a necessidade do governo federal.

Fonte: O Bancário