17 jan 2018

Mendigos de Gravata na Lavagem do Beco do Fuxico

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Mais uma vez o Mendigos de Gravata estará presente na Lavagem do Beco do Fuxico. Este ano com o tema: “A classe trabalhadora vai a luta contra as reformas de Temer”.

O Mendigos está presente na festa de abertura do carnaval de Itabuna desde 1990 e com outras agremiações carnavalescas como o “Hora Extra”, “Maria Rosa” e “Casados I…responsáveis”, lutou pelo retorno do carnaval de Itabuna.

As camisas encontram-se a venda no Sindicato dos Bancários por apenas R$ 20,00 (vinte reais).

Confira a programação:

14h – Concentração na frente do Sindicato dos Bancários com bateria e percussão do bloco

“Hora Extra”;

15h – Apresentação especial do Richô Elétrico de Salvador;

17h – Roda de Samba com baianas do terreiro Ilê Axé Odara;

17h30 – Lavagem do Beco com água de cheiro;

18h – Retorno do Richô Elétrico;

19h – Banda Nova Era no palco em frente ao Sindicato.

Participe da folia do Mendigos!

Fonte: Seeb Itabuna

17 jan 2018

Programas sociais podem reduzir mais

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

As notícias não são boas. O governo deve realizar novos cortes no orçamento para cumprir a meta fiscal prevista para 2018 e, como sempre, a parcela mais pobre da população será prejudicada, enquanto os mais ricos são beneficiados. Levantamento da IFI (Instituição Fiscal Independente) do Senado mostra que o rombo nas contas públicas deste ano deve ficar acima dos R$ 159 bilhões.

Os brasileiros vêm sentindo o corte em áreas importantes para a sociedade. O Bolsa Família, por exemplo, perdeu R$ 1 bilhão entre 2017 e 2018. O governo ainda diminui as ações para a agricultura familiar e para a reforma agrária em 35% e 28%, respectivamente, na comparação 2018/2017.

Enquanto isso, Temer perdoa dívidas bilionárias de grandes empresários e aprova projetos que concedem renúncias fiscais, como a medida provisória que, no final das contas, deixa de arrecadar até R$ 1 trilhão das petroleiras estrangeiras em até 25 anos.

Fonte: O Bancário

17 jan 2018

Grande mídia desinforma população

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

O bancário deve se ligar e a ajudar a divulgar a importância dos bancos públicos para o desenvolvimento do país, porque com a grande mídia não dá para contar. A campanha dos principais veículos de comunicação é fazer a opinião pública acreditar justamente no contrário. Tentam a todo custo desqualificar as estatais e os trabalhadores.

Em diversas reportagens falam sobre a corrupção nas empresas públicas, com se o problema do país fosse esse. Vão ainda além. Fazem a população acreditar que as estatais funcionam como cabide de emprego, sem levar em consideração que a maioria dos trabalhadores é concursado.

Na Caixa, por exemplo, dos cerca de 87 mil empregados quase que a totalidade é concursada. O mesmo acontece com o Banco do Brasil, o BNB e a Petrobras.

Fonte: O Bancário

17 jan 2018

Mais três agências bancárias explodidas na Bahia

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A semana começou com três ataques a bancos na Bahia. Na segunda feira (15/1), uma quadrilha explodiu os caixas eletrônicos de duas agências no município de Correntina, no Oeste Baiano.

De acordo com informações da Polícia Militar (PM), os bandidos só conseguiram levar o dinheiro de uma delas, mas as duas unidades ficaram destruídas. Um homem foi feito de refém, mas foi liberado logo em seguida. O grupo estava dividido em dois veículos e efetuaram disparos de arma de fogo para o alto para assustar moradores.

Nesta terça (16), o ataque ocorreu na cidade de Boa Vista do Tupim, na região da Chapada Diamantina. De acordo com a PM, um grupo de homens fortemente armados explodiu a agência do Bradesco, que ficou completamente destruída, inclusive com desmoronamento nas paredes e teto.

Segundo o Sindicato dos Bancários da Bahia, já são cinco atendados contra agências bancárias desde o início de 2018. Em 2017, foram 81 ataques a bancos em todo o estado.

17 jan 2018

Justiça suspende privatização da Eletrobras

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

A Justiça Federal de Pernambuco concedeu liminar para suspender um dispositivo da medida provisória 814, que permite privatização da Eletrobras e de suas controladas: Furnas, Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), Eletronorte, Eletrosul e Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica.

“Na hipótese vertida aos autos, é dubitável que a medida adotada pelo Governo Federal atinge, de forma direta, o patrimônio público nacional, permitindo a alienação de todas as empresas públicas do setor elétrico para a iniciativa privada”, escreveu o juiz Cláudio Kitner  na decisão.

A medida provisória 814 permite a venda da estatal, altera regras do modelo energético brasileiro e possibilita a realização de estudos técnicos para formatar a venda da empresa.

O magistrado decidiu suspender os efeitos do artigo 3º, inciso I da matéria, que dispõe sobre a possibilidade de privatização, porque considerou que há risco de alienação à iniciativa privada das estatais do setor elétrico, sem o devido respeito as regras constitucionais de edição de leis ordinárias.

“Sem embargo, nada foi apontado pelo Chefe do Poder Executivo a justificar a urgência da adoção de uma Medida Provisória, “no apagar das luzes” do ano de 2017, para alterar de forma substancial a configuração do setor elétrico nacional, sem a imprescindível participação do Poder Legislativo na sua consecução”, afirmou Kitner no documento

De acordo com o programado no Orçamento, a União pretende arrecadar R$ 12,2 bilhões com a privatização da Eletrobras e de suas controladas. A AGU (Advocacia Geral da União) deve recorrer.

Fonte: Feebbase

Dos 1.112 trabalhadores libertados no Brasil nos últimos dois anos em condições análogas à escravidão, apenas 153 foram encontrados em situações que impunham restrição de liberdade, como a servidão por dívidas, restrição de locomoção ou retenção de documentos. Número corresponde a 14% do total de trabalhadores libertados.

Entre janeiro de 2016 a agosto de 2017 foram realizadas 315 fiscalizações, sendo que em 117 delas pelo menos um trabalhador foi resgatado. Deste total, somente 22 tivera algum tipo de restrição à liberdade dos trabalhadores.

Em outubro do ano passado, o governo Michel Temer publicou portaria alterando os conceitos para caracterizar o trabalho escravo por parte da fiscalização. A maior mudança diz respeito justamente ao fato de que seria preciso haver restrição de liberdade para a caracterização da servidão forçada. Diante da repercussão negativa, porém o governo recuou e manteve as regras anteriores.

Se  anova regra fosse colocada em vigor, a maioria dos trabalhadores resgatados estariam trabalhando em condições degradantes.

Fonte: Feebbase

Pesquisa sobre hábitos financeiros dos brasileiros feita pelo Ibope Conecta aponta que um em cada três brasileiros tem alguém na família que perdeu o emprego nos últimos 12 meses. O levantamento foi feito por encomenda da Alelo, de acordo com informação publicada pela coluna de Lauro Jardim.

De acordo com as estatísticas, dos 26% que trocaram de emprego no último ano, cerca de 38% conseguiram um emprego melhor e 54% um salário maior.

Foram entrevistadas 2.810 pessoas das classes A, B e C de 11 capitais brasileiras e interior dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Além da geração de empregos precária do governo de Michel Temer, a agência de classificação de risco Standard & Poor’s reduziu nesta quinta-feira (11) a nota de crédito da dívida soberana do Brasil para BB- ante a nota anterior BB.

Fonte: Brasil 247 via Feebbase

O Ministério Público Federal (MPF) encaminhou ofício para Michel Temer informando que ele possui até o próximo dia 26 de fevereiro para decidir se aceita a recomendação de substituir todos os vice-presidentes da Caixa. Caso ele não acate a recomendação e surjam novos indícios de irregularidades na instituição, Temer poderá responder pelos fatos na Justiça.

“Esclarece-se desde já que, caso não seja observada a recomendação, eventuais novos ilícitos cometidos pelos atuais vice-presidentes da Caixa Econômica Federal poderão gerar a responsabilização civil de Vossa Excelência, por culpa in eligendo”, diz trecho do ofício do MPF. As recomendações do MPF para a substituição dos vice-presidentes da Caixa foi feita em dezembro diante da “existência de diversas figuras proeminentes na administração da CEF em casos investigados e/ou alvos de investigações”.

Segundo o jornal O Globo, a Caixa respondeu em ofício ao MPF que os atuais executivos permanecerão no cargo até o fim do mandato. “É entendimento do Conselho de Administração da Caixa que o novo estatuto proposto deverá disciplinar futuras indicações e nomeações de vice-presidentes não cabendo sua aplicação aos atuais ocupantes de modo a impor suas substituições. Saliente-se que, quanto aos atuais vice-presidentes, valerá a regra de mandato temporal introduzida pela Lei das Estatais”, diz a Caixa no documento.

Fonte: Brasil 247 via Feebbase

17 jan 2018

Santander é campeão de reclamações de clientes

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Além de desrespeitar os funcionários, o Santander também resolveu maltratar os clientes. Segundo levantamento do Banco Central, o banco espanhol teve o maior índice de reclamações no terceiro e quarto trimestres de 2017, entre as instituições financeiras com mais de 4 milhões de clientes.

No quarto trimestre, o Santander teve um índice de reclamações de 42,87, seguido pela Caixa Econômica, com 33,24 e pelo Bradesco, com 25,63. Em quarto está o Banrisul, com índice de 25,06 e em quinto o Banco do Brasil, com 24,50.

Foram 110 tipos diferentes de reclamações contra o conglomerado Santander. As cinco com maior número de reclamações foram: 776 queixas contra irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços disponibilizados em internet banking; 625 contra terminais eletrônicos e internet; 501 por insatisfação com o atendimento prestado pelo SAC ou Central de Relacionamento; 384 por oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada e 376  por insatisfação com a resposta recebida da instituição financeira referente à reclamação registrada no Banco Central.

Fonte: O Bancário

O Fórum das Centrais Sindicais se reuniu na segunda-feira (15/1), na sede da CTB, em São Paulo, para  afinar as agendas e orientar as bases para a ameaça de votação da proposta que reforma a Previdência Social, que acaba com o direito à aposentadoria.

Além da luta em defesa do direito à aposentadoria digna, o Fórum também debateu a resistência contra a onda conservadora que ataca severamente a democracia. “Os sindicalistas se somam aos movimentos sociais nesta luta. A defesa da democracia e das instituições são fundamentais para a edificação de uma sociedade avançada e inclusiva”, avaliou Fórum ao falar da importância da campanha que defende o direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ser candidato em 2018.

De forma unificada, as centrais (CTB, CSB, CUT, Força Sindical e Nova Central) indicaram a elaboração de uma campanha para agitar as bases e denuncia o caráter mentiroso da campanha do governo. “E vergonhosa a forma como o governo tenta manipular a população em torno da viabilidade desta reforma”, afirmam as centrais.

Pela CTB, além do presidente Adilson Araújo, participaram da reunião o vice-presidente, Divanilton Pereira; o secretário-geral, Wagner Gomes; o secretário de Relações Internacionais, Nivaldo Santana; o secretário de Formação, Ronaldo Leite; a secretária da Juventude Trabalhadora, Luíza Bezerra.

Resistir a todo custo

“Renovamos nossa orientação para as nossas bases. Resistir a todo custo deve ser o tom das lutas em 2018. Toda a nossa base deve organizar e mobilizar os sindicatos contra a Reforma da Previdência.  Conclamamos todos setores organizados da sociedade para marchar junto com o movimento sindical contra mais esse golpe que pode acabar com nosso direito à aposentadoria. Resistir e intensificar a pressão nas ruas, nas redes e no Congresso Nacional neste início de 2018 é fundamental”, ressaltou Adilson.

Na mesma linha, o secretário-geral da CTB, Wagner Gomes, destacou a centralidade da unidade na etapa atual da luta. “Não podemos nos deixar levar pelo discurso da do governo propalado pela mídia. A unidade das centrais será fundamental para enterrarmos mais uma vez essa reforma”.

O secretário-geral da Força Sindical, Carlos Gonçalves, o Juruna, alertou que “a proposta enviada ao Congresso Nacional não tem o objetivo de combater privilégios, como sugere a propaganda oficial. Vai retirar direitos, dificultar o acesso e achatar o valor das aposentadorias e pensões dos trabalhadores e trabalhadoras de todo o Brasil”.

“Essa reforma abre caminho para a privatização do sistema previdenciário, o que contempla interesses alheios aos do nosso povo e atende sobretudo aos interesses dos sistema financeiro”, complementou o secretário-geral da CSB, Alvaro Egea.

Orientação para as bases

O Fórum das Centrais indicou ampla agenda já nos primeiros dias de fevereiro.

No dia 01 de fevereiro as Centrais se somarão grande ato público nacional contra a reforma da Previdência (PEC 287/16) e pela valorização e independência da Magistratura e do Ministério Público, que foi convocado pela Anamatra e das demais entidades que compõem a Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas). O ato em Brasília está marcado para às 14h.

Com o objetivo de reforçar a pressão junto aos parlamentares, as Centrais indicaram agenda de ação a partir dodia 02 de fevereiro, data em que serão retomados os trabalhos do Congresso Nacional. As centrais vão se reunir com os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Também está previsto nos primeiros dias de fevereiro reunião os líderes das duas Casas legislativas.

Reafirmando o estado de mobilização permanente, as centrais indicaram que irão construir em suas bases agendas para movimentar o país e preparar a classe trabalhadora para uma eventual votação dia 19 de fevereiro.

“Como em dezembro, seguiremos firmes com a nossa mobilização contra essa reforma. Não é apenas a defesa de um direito, trata-se também da defesa de sobrevivência de mais de 90 milhões brasileiros. A classe trabalhadora já mandou o seu recado – Se colocar para votar, o Brasil vai parar! – e como em abril de 2017 vamos trabalhar para construir a greve contra mais esse golpe”, avisou o presidente da CTB.

Fonte: Portal CTB via Feebbase