19 dez 2019

Um ano de intensa resistência

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria

Por Jorge Barbosa*

Resultado de imagem para o monstro do fascismo"

Durante todo o ano de 2019 resistimos as investidas à democracia, a educação, a arte e a cultura e aos direitos sociais. Nos manifestamos contra os cortes de verbas na educação. Fomos às ruas contra a reforma da Previdência. Exigimos a apuração do assassinato de Mariele Franco. Repudiamos a censura. Defendemos os bancos públicos e demais estatais. Lutamos para manter a nossa organização sindical. Bradamos contra o racismo. Reivindicamos a manutenção dos direitos trabalhistas. Vigorosamente mantivemos a jornada de seis horas e o sábado como dia útil não trabalhado.

Diante da crise que assola o sistema capitalista, seres descompromissados com o respeito à vida, a natureza, a liberdade, a democracia e os direitos humanos, sucumbem facilmente ao neofascismo, ao individualismo e ao ultraliberalismo. Em resumo, frente a minima ameaça aos privilégios, advogam o autoritarismo, a violência e até mesmo o extermínio. A raiz da crise está na concentração de renda e na exclusão social. O inimigo é o sistema e quem dele se beneficia.

Resistir ao neofascismo é cultivar o amor ao semelhante. É respeitar ideias opostas, é travar o civilizado debate de ideia. É buscarmos o equilibrio entre consumo e consumismo. É reconhecer que ninguém é dono da verdade. É reconhecer que a busca pela verdade filosófica e científica é um caminho infinito. É prezar pela beleza de ser imperfeitamente humano.

Devemos nos opor ao fascismo por todo o mal que ele já causou à Humanidade e ao planeta. O fascismo é o ódio, a intolerância, o individualismo, a violência, a morte.

*Jorge Barbosa é presidente do Sindicato dos Bancários de Itabuna

17 dez 2019

Presidente da Caixa tenta maquiar desmonte

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Presidente da Caixa tenta maquiar desmonte]

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, tenta maquiar o desmonte do único banco 100% público do país. Em entrevista ao programa Brasil em Pauta falou em expansão da rede e garantiu que a instituição estará presente em todos os municípios brasileiros até março de 2020. Mas, a realidade mostra o contrário.


De janeiro a novembro, foram fechados 572 pontos de atendimento, entre agências, loterias e correspondentes. O quadro de empregados segue em queda. São menos 1.341 postos de trabalho no mesmo período. Desde 2015, o banco perdeu quase 20 mil bancários.


A Caixa também perde espaço no mercado, devido as mudanças nas taxas de juros. Não é só isso. Recentemente, a Lotex – popularmente conhecida como raspadinha – foi leiloada. A venda tem impacto direto na vida de milhões de brasileiros. 


Para o próximo ano, a ideia é acelerar o processo de venda de subsidiárias importantes, como Seguros, Cartões e Loterias. Portanto, Pedro Guimarães tenta enganar a sociedade sobre as reais intenções do governo. É preciso ficar atento e se mobilizar para que o banco de milhões de brasileiros não seja vendido ou reduzido.  

Fonte: O Bancário 

17 dez 2019

Brasileiros terão menos presente neste Natal

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Brasileiros terão menos presente neste Natal ]

O brasileiro está com as contas apertadas. Com o custo de vida alto muitas famílias repensam as compras do Natal. As classes C e D são as que mais sentem. Pesquisa da consultoria Superdigital revela que 56% dos cidadãos das classes C e D não têm a intenção de comprar presentes neste ano.


Outros 28% afirmam que vão gastar menos e apenas 16% acham que devem desembolsar mais. Não porque vai aumentar o número de presenteados, mas porque os preços estão mais salgados. 


Segundo a pesquisa, há bastante cautela com os valores nas compras. Segundo o levantamento, 41% dos que pretendem presentear os mais “chegados” querem gastar até R$ 100,00 e 35% acham que devem destinar entre R$ 100,00 e R$ 300,00 para os presentes.

Fonte: O Bancário

17 dez 2019

Mais de 20 mil profissionais deixam o Brasil

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Mais de 20 mil profissionais deixam o Brasil]

O quadro econômico e social do Brasil depois do golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, em 2016, é desolador. As reformas neoliberais, impostas pelos governo Bolsonaro e Temer, se mostram incapazes de retomar o crescimento com geração de emprego e distribuição de renda. Somente o mercado e os empresários são beneficiados.


Sem expectativa de melhoras, quem pode quer deixar o país. Nem mesmo os profissionais altamente qualificados querem ficar. Não é à toa que o número de pessoas que vão “morar fora” para construir um futuro melhor passa dos 20 mil a cada ano. 


Para se ter ideia, no ano passado, 22,4 mil pessoas entregaram à Receita Federal declarações de saída definitiva do Brasil. Para 2019, a estimativa é de um novo recorde. 


Os fatores econômicos, que só têm piorado com as medidas arbitrárias dos governos Bolsonaro e Temer, realocando os investimentos em áreas importantes para manter os privilégios do grande capital; as limitações para o desenvolvimento de pesquisas, o aumento da violência e o caos político são os motivos que levam milhares a deixarem o país. 

Fonte: O Bancário

17 dez 2019

Um ano de chumbo para os trabalhadores

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Um ano de chumbo para os trabalhadores  ]

Desde que tomou posse, Bolsonaro não aliviou para o trabalhador brasileiro. Benefícios só para o mercado financeiro e os empresários. A MP 870, por exemplo, transformou o Ministério do Trabalho em uma secretaria do Ministério da Economia. 


Ao editar a MP 871, o governo deu início à reforma da Previdência. Agora, aprovada a medida, as regras para o cidadão conseguir se aposentar estão bem mais duras. A MP 873 estabelecia mudanças nas regras da contribuição sindical, como a proibição do desconto em folha. Porém, não foi votada pelo Congresso Nacional e foi arquivada por perda de eficácia. 


Já a MP 881, da Liberdade Econômica, gerou a flexibilização das regras trabalhistas, como a dispensa de registro de ponto para empresas com até 20 empregados e acabou com o E-social. Com a MP 889, foram criadas novas regras de saque do FGTS como o saque-aniversário e o governo tentou impor o fim do monopólio da Caixa na gestão do fundo para ser submetido ao mercado. 


Tem aindac a MP 891/19, também arquivada. Entre as perdas, reavaliação médica pericial da incapacidade em caso de denúncia e desconto do imposto de renda sobre o abono anual apenas em na segunda parcela.


Por fim, tem a MP 905 que mexe em diversos pontos da CLT, extingue a necessidade de registro profissional de 14 categorias, introduz normas temporárias para geração do primeiro emprego para jovens. Para os bancários, estabelecia aumento na jornada de trabalho de 30 para 44 horas semanais e permitia a abertura dos bancos sábados, domingos e feriados. Mas o movimento sindical conseguiu barrar os efeitos até dezembro de 2020. 

Fonte: O Bancário

17 dez 2019

Compras devem movimentar R$ 60 bilhões

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Compras devem movimentar R$ 60 bilhões]

Segundo pesquisa feita pelo CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito ), as compras de Natal devem movimentar R$ 60 bilhões no comércio e no setor de serviços brasileiro.


De acordo com o levantamento, o valor é próximo ao resultado de vendas em datas movimentadas como Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia dos Namorados e Dia das Crianças.


Apesar do otimismo do mercado, menos consumidores devem dar presentes neste Natal. Ainda, de acordo com a pesquisa, 17% dos consumidores ainda não decidiram se vão adquirir presentes e apenas 7% responderam que não tem intenção de presentear.


A principal razão de quem não vai presentear neste fim de ano é a falta de dinheiro. Outros entrevistados justificaram a falta de emprego para comemorar a data. Já outra parcela de quem respondeu a pesquisa não tem o costume de presentear no Natal.

Fonte: O Bancário

17 dez 2019

Desmatamento da Amazônia aumenta 103,7%

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Desmatamento da Amazônia aumenta 103,7%]

Bem no mês em que o desmatamento supostamente diminuiria na maior parte da Amazônia, devido ao período chuvoso que normalmente se inicia nos últimos meses do ano, o Deter (Detecção do Desmatamento em Tempo Real), constatou um aumento de 104% nas áreas desmatadas em novembro deste ano em relação ao mesmo mês de 2018.  


Os dados foram divulgados pelo Inpe. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, a destruição do bioma cresceu 103,7%. Em novembro, foram destruídos 563,03 km², um recorde para o mês desde o início da série histórica, em 2015.


Desde janeiro, a destruição teve um aumento de 83,9% ante o mesmo período de 2018. Mesmo com os dados tão alarmantes, o governo Bolsonaro tem se mostrado indiferente à destruição de um bioma importantíssimo para a sobrevivência do mundo. 


Quando questionado sobre a falta de iniciativas para o combate do desflorestamento, o presidente levantou dúvidas sobre as informações divulgadas pelo Inpe, dizendo que seria um “complô” do Instituto e das ONGs. 

Fonte: O Bancário

17 dez 2019

Itaú discrimina negros em processo seletivo

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Itaú discrimina negros em processo seletivo ]

Só discurso. Assim é o Itaú em relação à valorização da diversidade. A foto dos 125 aprovados no programa de trainee do banco viralizou nas redes sociais e chama atenção pela falta de negros e pardos. 


O processo seletivo, uma das portas de entrada no banco, teve 72 mil pessoas inscritas. Milhares negras e pardas. Mas, estranhamente, nenhuma foi classificada para a final. 


Igualdade de oportunidades, independentemente de raça, gênero, orientação sexual ou religião, é uma das bandeiras do movimento sindical.  A realização do 3º Censo da Diversidade foi uma vitória e tem o objetivo de traçar um perfil da categoria e embasar reivindicações para a promoção da diversidade no setor bancário.


Segundo o banco, a seleção de trainees não refletia a diversidade do país mesmo com as mudanças feitas para tornar processo mais inclusivo. Na resposta à revista Raça, o Itaú ressaltou que a experiência deste ano servirá de aprendizado para fazer correções para os próximos processos.


Dados recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontam que os negros ocupam 50,2% das vagas nos cursos de ensino superior. Em 2018, dos 207,8 milhões brasileiros, 46,5% se declararam pardos, 9,3% pretos e 43,1% brancos. A proporção de pessoas que se declaram negros e pardos chegou a 55,8% da população, mas ainda está longe de ser representada, em especial nos bancos privados. 

Fonte: O Bancário

17 dez 2019

Os acidentes de trabalho disparam no Brasil

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Os acidentes de trabalho disparam no Brasil]

A cada 49 segundos, um trabalhador brasileiro sofre acidente de trabalho e a cada três horas e três minutos acontece uma morte pelo mesmo motivo. Em 2018, foram constatados 623,8 mil acidentes e 2.022 mortes. Os dados são do Observatório de Segurança e Saúde do Trabalho.


Ainda segundo o relatório, pela primeira vez, desde 2013, o número de trabalhadores que morreram no serviço, ou a caminho dele, foi maior do que no ano anterior. Foram 30 trabalhadores a mais na comparação com 2017. 


A situação tende a piorar devido ao afrouxamento da fiscalização com o governo Bolsonaro, que propôs, através da Medida Provisória n° 905/2019, a flexibilização dos critérios de inspeção dos auditores fiscais do trabalho. 


Isso significa, inclusive, que as vítimas não terão cobertura do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social). A MP ainda torna facultativa a criação de Cipas (Comissões Internas de Prevenção de Acidentes) nas empresas. 


Integradas por representantes dos trabalhadores, as Cipas reforçam a fiscalização e ajudam na prevenção de acidentes, apontando as situações de risco. Só regresso.

Fonte: O Bancário
 

17 dez 2019

Racismo estrutural ainda é velado no Brasil

Autor: riccardus | Categoria: Sem categoria
[Racismo estrutural ainda é velado no Brasil ]

Para quem ainda acha que falar de trabalho análogo à escravidão e de discriminação por conta da cor da pele no Brasil em pleno século XXI é balela, precisa acompanhar os dados. Entre 2016 e 2018, cerca de 2.481 trabalhadores foram resgatados do trabalho escravo no país. A cada cinco, quatro são negros ou pardos. Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).


A falta de instrução é o maior complicador para os trabalhadores que se submetem às situações análogas à escravidão. Enquanto deveriam estar estudando, os jovens com idade entre 15 e 29 anos (40%) estão nas ruas se virando nos trinta para ajudar os pais no sustento do lar. Dos 12,8 milhões de desempregados, 64,3%, ou 8,2 milhões, são pretos ou pardos. Na Bahia, índice é de 63,7%.

Fonte: O Bancário